Salvação

Salvação é o livramento, resgate, remissão, estado de segurança ou de proteção, bem como um estado de sanidade.
No grego é soteria e deriva-se da raiz sozo: livrar, proteger, curar, salvar, sarar, tornar bem, restaurar a integridade. Até o nome “Jesus” significa “Deus [é] Salvação” ou “Deus Salva”. Soteriologia é o ramo da teologia que estuda as doutrinas da salvação.

Lucia Menna

Lucia De Francesco Menna (1875-1961) diaconisa, missionária e pioneira pentecostal ítalo-americana.

Nasceu em uma família de agricultores em Casalanguida na província de Chieti, na região de Abruzzo, na Itália. Casou-se com Giovanni Menna em 1890, cuja família também originária de Chieti emigrara à Argentina.

Em 1892 emigrou aos Estados Unidos e em 1896 Lucia juntou-se a ele. O casal veio a viver em Chicago. Não tiveram filhos.

Em 1907 recebeu a mensagem da obra do Espírito Santo e foi curada milagrosamente.

No final de 1909 partiu com Louis Francescon e Giacomo Lombardi para a Argentina. Evangelizaram seus parentes em Tres Arroyos e San Cayetano, no sul da província de Buenos Aires.

No ano seguinte, em setembro, Lucia Menna partiu para Itália, onde evangelizou em Gissi, uma cidadezinha próxima a sua área nativa. Depois de um ano, Menna retornou à Chicago.

No final dos anos 1920 esteve em missão na Argentina e no Brasil. Retornaria à Argentina em 1933 e à Itália em 1937. Foi uma das únicas pessoas do ministério da Igreja Cristã Italiana da América do Norte a visitar a obra durante o período de perseguição contra os crentes na Itália. Voltaria à Itália em 1946, logo após a guerra.

Morreu em Chicago, onde exerceu seu ministério tanto na Assemblea Cristiana quanto na Congregazione Cristiana.

BIBLIOGRAFIA

Menna Targosz, Anna. “Letter from Anna Menna Targosz to Alfred Perna,” 1972.

Toppi, Francesco. Madri in Israele. Roma: ADI-Media, 2003.

Parabíblica, Literatura

Literatura parabíblica refere-se ao gênero literário de obras que expandem, reformulam ou parafraseiam textos bíblicos.

Similar expansão ou reescrita ocorre na midrash, mas com caráter interpretativo livre. Muito da literatura parabíblica é pseudoepígrafa, atribuíndo sua autoria ou versando sobre personagens célebres da história israelita ou cristã.

  • Apócrifo do Gênesis
  • Livro dos Jubileus
  • Pseudo-Filo

Regeneração

Regeneração sob o termo grego παλιγγενεσία, palingenesia, aparece apenas duas vezes no Novo Testamento (Mateus 19:28 e Tito 3:5) para referir-se à recriação e ao renascimento espiritual. Tematicamente há duas outras alusões à regeneração (re: novamente; generatio: nascimento) como novo nascimento (João 3:3-8; 1 Pedro 1:3).

Desde o Antigo Testamento, a esperança da regeneração está ligada à fé no Criador. Deus como autor da nova criação regenera pelo poder de sua Palavra e pela obra do seu Espírito.

A passagem de Mateus 19:28 indica escatologicamente a restauração de todas as coisas, inclusive a renovação do indivíduo. Em Tito 3:5 há uma conotação individual. Já em João e 1 Pedro expressam a novidade de vida que o Espírito Santo efetua individualmente.

Alloiosis

Alloiosis, em grego “troca”, é tanto um recurso retórico quanto um modelo cristológico desenvolvido por Ulrico Zwingli.

(1) Como um termo retórico e figura de linguagem da classe das metáforas chama a atenção da audiência por notar as alterações qualitativas de um sujeito ou assunto. Esse recurso destaca as diferenças ao dividir um assunto em alternativas.

Um exemplo: “Tício, injustiçado, reclamou ‘o pau que bate em Chico não bate em Francisco’ “.

No exemplo dado há dois casos de alloiosis, uma para pau e outra para Chico/Francisco. No primeiro, o mesmo referente (pau) aparece com diferença qualitativa em diferente situação de referência. Chico/Francisco, sendo equivalentes, é apresentado como forçosamente diferentes.

(2) Doutrina de comunicação de propriedades (comunicatio idiomatum) de como Jesus Cristo manteve seus atributos divinos e humanos. Zwingli explicou a comunicação de atributos entre as naturezas divina e humana de Cristo como similar ao dispositivo retórico de alloiosis para expressar a unidade das duas naturezas de Cristo em uma pessoa e não para significar uma troca real das propriedades entre as duas naturezas. Essa doutrina foi basilar para o desenvolvimento da visão memorialista e de testemunho dos sacramentos.

Soteriologia forense

A soteriologia forense emprega a metáfora de um processo penal de justificação no qual o pecador é declarado inocente.

Como todo modelo interpretativo, a soteriologia e justificação forenses são uma construção externa para rearranjar e configurar coerentemente as doutrinas bíblicas. Assim, há pontos fortes e fracos. No entanto, em uma confusão mapa-território, alguns teólogos igualam este modelo explicativo com o próprio evangelho, perfazendo exercícios de eisegese com as Escrituras.

Por esse modelo a justificação dos pecadores ocorre pela declaração de perdão de Deus por causa da morte e ressurreição de Jesus Cristo. Este modelo desenvolveu-se com base doutrina da graça de Agostinho reformulada na teoria de expiação por satisfação (Anselmo da Cantuária) em um processo penal no qual Jesus Cristo em sua morte vicária tomou a condenação dos pecadores, conforme a teoria da expiação substitutiva penal de Lutero e Calvino.

O conceito de Lutero de justiça imputada bem como os sistemas teológicos calvinistas e arminianos, de uma forma ou outra, são construídos sobre essa metáfora forense.

Uma crítica a essa escola soteriologica é atribuir uma inabilidade de Deus exercer livremente sua graça exceto via pagamento dos pecados mediante o sacrifício da cruz. Em outras palavras, pela soteriologia forense a oração dominical pedindo “perdoai as nossas dívidas” estaria errada, pois Deus seria incapaz de perdoar, então a oração seria “pagai as nossas dívidas”. Outra crítica é a noção abstrata de justiça e a concepção descontextualizada de justificação. Justiça — nos sentidos bíblicos de dikaiosynē ou tzedekah, retidão — implicaria que justificação produza retidão, não limitada a ser declarado justo. Por fim, alguns teólogos consideram a punição de um justo para satisfazer as faltas de alguém injusto um ato sádico que não condiz com o Deus bíblico.

Outros modelos soteriológicos bíblicos mais conhecidos — especialmente fundamentados nas doutrinas sobre expiação e justificação — são a teoria da recapitulação (Irineu e Hicks); a teoria do resgate; a teoria de Christus Victor de Aulén; a teoria da satisfação de Anselmo; a teoria do exemplo moral; teoria da influência moral; teoria do bode expiatório (Girard, Allison); governamental (Grócio); novo aliancismo; nova perspectiva de Paulo; soteriologias terapêuticas (transformativa, restaurativa ou regenerativa); theosis, dentre outras.

BIBLIOGRAFIA

Barclay, William. The plain man looks at the Apostles’ Creed. Glasgow: Fontana, 1967. pp 111-112.

Green, Joel B., Baker, Mark D. Recovering the scandal of the Cross: Atonement in New Testament & contemporary contexts. InterVarsity Press, 2000.

Macchia, Frank D. Justified in the Spirit: Creation, Redemption, and the Triune God. Vol. 2. Wm. B. Eerdmans Publishing, 2010.

Rashdall, Hastings. The Idea of Atonement in Christian Theology. London: Macmillan, 1925.

Streadbeck, Arval L. “Juridical Redemption and the Grazer Marienleben.” The Germanic Review: Literature, Culture, Theory 31, no. 2 (1956): 83–87. doi:10.1080/19306962.1956.11786833.

Stott, John R.W. The Cross of Christ. Downers Grove, Ill. : InterVarsity Press, 1986.

Colofão

Colofão é inscrição no final de um manuscrito feito pelo copista ou publicador. Colofões não aparecem em todos os manuscritos.

O colofão pode conter uma série de detalhes para o estudo do texto, para a história em geral, para a história da cultura e para a paleografia.

O uso de colofões já aparecia no início da cultura escribal rm textos cuneiformes e egípcios.

Com a produção em massa de manuscritos a partir da Antiguidade Tardia, o uso de colofões padronizou-se. O mais antigo colofão em um texto bíblico é o de Moses ben Asher de Tiberias, datado de 895/6 d.C., encontrado em um manuscrito bíblico caraíta no Cairo.

Geralmente é escrito na primeira pessoa e menciona:

  • o nome do copista;
  • o título da obra;
  • a data de conclusão da cópia;
  • o local onde foi copiado;

E outras informações adicionais podem aparecer:

  • tempo gasto pelo copista;
  • salário do copista;
  • aventuras e biografia do copista;
  • reflexões sobre acontecimentos históricos;
  • observações da qualidade do Vorlage do qual foi feita a cópia;
  • condições de trabalho.
  • desculpas pelos erros cometidos;
  • nome do destinatário da cópia;
  • aviso ou maldição para quem alterar o texto;
  • votos de boa sorte para o proprietário e para o copista.

Poço de Miriam e a rocha movente

Durante o êxodo Moisés aparece extraíndo água da rocha em dois lugares: Refidim (Êx 17) e Meribá (Nm 20). A associação dessas passagens com Miriam fizeram que a fonte também fosse chamada de poço de Miriam.

Intérpretes na Antiguidade Tardia fizeram um midrash para concluir que as duas rochas eram a mesma. Portanto, seria uma rocha móvel que acompanhou os israelitas durante 40 anos.

“E assim o poço que estava com os israelitas no deserto era uma rocha, do tamanho de um grande vaso redondo, subindo e borbulhando para cima, como da boca de uma pequena garrafa, subindo com eles aos montes, e descendo com eles aos vales. Onde quer que os israelitas acampassem, acampava com eles, em um lugar alto, em frente à entrada da Tenda da Congregação.” (Tosefta, Sukka 3.114).

“Mas quanto ao seu próprio povo, ele os levou para o deserto: quarenta anos fez chover pão do céu para eles, e trouxe-lhes codornizes do mar, e um poço de água seguindo-os” Pseudo-Filo. Antiguidades Bíblicas, 10.7.

Paulo menciona essa interpretação midráshica para argumentar que a presença de Cristo estava na jornada dos israelitas no deserto, cuidando deles, fornecendo a água que permitia a vida:

“E [os israelitas] beberam todos de uma mesma bebida espiritual, porque bebiam da pedra espiritual que os seguia; e a pedra era Cristo.” 1 Cor 10:4

BIBLIOGRAFIA

Enns, Peter E. “The” Moveable Well” in 1 Cor 10: 4: An Extrabiblical Tradition in an Apostolic Text.” Bulletin for Biblical Research 6.1 (1996): 23-38.