Ageu

Ageu, em hebraico חַגַּי, foi um dos profetas pós-exílicos que depois do edito de Ciro atuava entre os retornados a Jerusalém. Ageu encorajou os israelitas reconstruirem o Segundo Templo, antecipando o retorno da glória de Deus.

Teria sido contemporâneo de Zacarias, Zerubabel e do sumo-sacerdote Josué (1:1).

Um dos raros livros com datas, as profecias foram anunciadas no segundo ano de Dario I Histaspes (521-486 aC), portanto, 520 a.C., quatro anos antes da conclusão do segundo Templo em 516 a.C.

ESBOÇO ESTRUTURADO

Primeira Profecia (1: 1-15a)

  1. Nota introdutória (1:1)
  2. Construção do Templo (1:2-11)
    1. Desinteresses em construir o Templo (1:2)
    2. O povo melhora sua própria casa (1:3)
    3. Desrespeito a Deus e ao Templo e e seu efeito na pobreza do povo (1:4-11)
    4. O povo começa a trabalhar no Templo (1:12-15a)

Segunda Profecia (1: 15b-2: 9)

  1. Nota introdutória (1: 15b-2: 1)
  2. Deus sacudirá o mundo (2:2-9)
    1. Encorajamento (2:2-3)
    2. Deus está com o povo (2:4-5)
    3. Deus trará riqueza para o novo Templo (2:6-9)

Terceira Profecia (2: 10-19)

  1. Nota introdutória (2:10)
  2. As bênçãos vêm como resultado da santidade (2.11-19)
    1. Ageu questiona os sacerdotes sobre a santidade (2.11-13)
    2. Adoração impura do povo (2:14)
    3. Pobreza do passado (2: 15-17)
    4. Bênçãos futuras (2: 18-19)

Quarta Profecia (2:20-23)

  1. Nota introdutória (2:20)
  2. Deus sacudirá o mundo (2:21-23)
    1. Deus destruirá reinos (2:21-22)
    2. Zorobabel será como um anel de sinete (2:23)

BIBLIOGRAFIA

de Castro Lopes, Shara Lylian, and João Benvindo de Moura. “Análise discursiva do profeta Ageu: uma visão retórica a partir da enunciação profética.” Revista Eletrônica de Estudos Integrados em Discurso e Argumentação (2014): 185-199.

Leite, Eliathan Carvalho, and Lucas Alamino Iglesias Martins. “Intertextualidade e Aliança nos Profetas: Ageu 2: 10-19.” Terceira Margem 25, no. 46: 31-50.

Redditt, Paul L. “Themes in Haggai—Zechariah—Malachi.” Interpretation 61. (2007): 184–97.

Smith, Ralph L. Micah-Malachi. Word Biblical Commentary 32. Waco, Tex.: Word, 1984.

Schwantes, Milton. Ageu. Edicoes Loyola, 2008.

Apocalipse

Visão do que está reservado aos filhos de Deus na nova Criação.

O livro de Apocalipse (Revelação em grego) foi escrito por um cristão chamado João enquanto estava exilado na Ilha de Patmos, no mar Egeu, devido a uma perseguição contra os cristãos no final do século I d.C.

Com abundantes simbolismos, o Apocalipse contém cartas e visões, renovando uma mensagem de esperança meio à dor e às lágrimas. Oferece um vislumbre do que aguarda os fiéis.

O gênero textual apocalíptico refere-se às visões que arrebatavam seus visionários. Um dos primeiros textos desse gênero é a Visão de Balaão, a inscrição de Deir Alla (KAI 312) encontrada na parede das ruinas de uma habitação na Jordânia e com data estimada do século VIII. No Antigo Testamento boa parte do livro de Daniel são visões apocalípticas.

SAIBA MAIS

Gorman, Michael J. Reading Revelation responsibly: Uncivil worship and witness: Following the Lamb into the new creation. Wipf and Stock Publishers, 2011.

Ana

Em hebraico Hannah, חַנָּה, em grego Ἄννα, “graciosa”, refere-se a duas mulheres nas Escrituras.

(1) A mulher que, ansiosa por ser mãe, votou ao Senhor e seu pedido foi concedido com o nascimento de Samuel. (1 Sm 1-2: 21).

Ana é uma das duas esposas de Elcana, da região de Efraim (1Sm 1:1) na fase final do período dos juízes. Mas diferente da outra esposa, Penina, que teve filhos, Ana buscou no Senhor solução para sua esterilidade.

Em uma de suas peregrinações ao santuário de Siló, sua súplica e voto são encarados pelo sacerdote Eli como embriaguez. Ao se informar melhor, o sacerdote dispensou-a em paz. O cântico de Ana é análogo ao de Maria (Lucas 1:46-55) e ambas celebram um nascimento miraculoso e louva a Deus, que faz justiça nesse mundo (1Sm 2:1-10).

(2) Uma profetisa da tribo de Asser .Juntamente com o profeta Simeão, Ana testemunhou a dedicação do menino Jesus no Templo. Regozijou na esperada redenção de Israel (Lucas 2:22-38).

Atos dos Apóstolos

Livro do Novo Testamento no qual é relatado como Espírito Santo guia a primitiva Igreja Cristã de Jerusalém a Roma.

Este livro possui mesma origem autoral de Lucas (cf. Atos 1:1) e continua desse Evangelho e em grego é Πράξεις Ἀποστόλων, Práxeis Apostólōn.

Relata que após a ascenção de Cristo aos céus (1) aconteceu o Pentecostes, a vinda do Espírito Santo, quando os crentes falaram em línguas (2). A igreja cresceu a partir de Jerusalém (2:22–12:24). Boa parte do livro é sobre o trabalho missionário de Paulo/Saulo (8-28) que passou de perseguidor (7:58–8) a um cristão fervoroso depois de sua conversão (9, 22, 26). Paulo, acompanhado de Barnabé, faz a primeira viagem missionária pela Ásia Menor (13:4–14:26). A Igreja enfrenta questões internas sobre a observância de normas da Lei mosaica e um concílio em Jerusalém delibera para que os cristãos não judeus cumpram alguns preceitos (15). Paulo, agora acompanhado de Silas, faz uma segunda viagem missionária, dessa vez alcançando a Grécia europeia (15:36–18:22. Na terceira viagem missionária, Paulo passa pelas igrejas da Ásia e Grécia (18:23-21:17). Em uma viagem a Jerusalém é preso (21:27-36) até ser enviado a Roma para ser julgado (22-28).

Arminianismo

Sistemas teológicos da família reformada que enfocam a justiça de Deus e enfatizam a responsabilidade humana na salvação. Também referido como sinergismo (cooperação).

Dentre seus formuladores estão os teólogos holandeses Jacobus Arminius (1560 – 1609) e Hugo Grotius (1583– 1645), bem como a Igreja Remonstrante. Nos países de língua inglesa, esse sistema foi reconceptualizado por John Wesley.

Arianismo

Doutrina que declara que o Filho foi criado pelo Pai, sendo subordinado. E que o Espírito Santo do Filho, sendo seu atributo, mas não possuíndo pessoalidade. Cada manifestação da Trindade seria de um substância diferente. Este movimento surgiu em Alexandria, Egito, no século IV d.C., foi condenado como heresia nos concílios de Niceia e Constantinopla, sobreviveu como uma denominação independente entre povos germânicos até o século VII d.C. O bispo ariano Ulfilas (c.311-c.380) fez uma das mais antigas traduções compreendendo o Novo Testamento e partes do Antigo Testamento para língua gótica, servindo de importante testemunho para a crítica textual bíblica.

Abba

Abba ou Aba, em grafia hebraica אַבָּא, é forma para “pai” em aramaico.

Aparece nas porções aramaicas de Dn 5:2, 11, 13, 18. No NT aparece na expressão bilígue aramaica e grega “Aba, Pai” quando Jesus no Getsêmani se dirige a Deus-Pai (Mc 14:36) e em Rm 8:15 e em Gl 4:6.

É errônea a interpretação de que seria uma forma carinhosa e familiar (como “papai”). (Barr, 1988; Chilton, 1993).

BIBLIOGRAFIA

Barr, James. “Abba Isn’t Daddy.” Journal of Theological Studies 39 (1988): 28–47.

Chilton, Bruce. “God as ‘Father’ in the Targumim, in Non-Canonical Literatures of Early Judaism and Primitive Christianity, and in Matthew.” Pages 151–69 in Pseudepigrapha and Early Biblical Interpretation. Journal for the Study of the Pseudepigrapha Supplement Series 14. Studies in Scripture in Early Judaism and Christianity 2. Edited by James Charlesworth and Craig Evans. Sheffield: Sheffield Academic Press, 1993.