Michele Palma

Michele Palma (1884–1963) foi um ministro, compositor e hinólogo pentecostal ítalo-americano.

Nascido em Torremaggiore, Foggia, emigrou aos Estados Unidos onde se converteu em Chicago. Casou-se com Kathryn (Caterina) Gardella.

Foi músico e diácono em Chicago até que nos anos 1920 mudou-se para Syracuse, NY, para auxiliar G. Beretta no ministério e, eventualmente sucedendo-o como ancião na Assemblea Cristiana (hoje First Christian Assembly of Syracuse).

Participou das comissões que fizeram os hinários italianos desde a edição de 1914 até a de 1958. Assumiu funções de lideranças na Igreja Cristã (Italiana) da América do Norte, entre elas a de participante no conselho superitendente.

Louis Francescon

Louis (originalmente Luigi) Francescon (1866-1964), ancião, pioneiro pentecostal e missionário ítalo-americano.

Nascido em Cavasso Nuovo. A aldeia então em território austro-húngaro, mas que seria incorporado ao Reino da Itália nesse mesmo ano. Sua família era de etnia furlana.

Acompanhou o irmão mais velho a Budapeste para aprender o ofício de mosaísta. Após servir o exército italiano, migrou aos Estados Unidos, estebelecendo-se em Chicago.

Foi evangelizado na Missão Nardi, onde esse evangelista ensinava inglês utilizando a Bíblia, quando se converteu. Junto com os evangelizados e algumas famílias valdenses, integrou a Primeira Igreja Presbiteriana Italiana de Chicago, na qual ocupou cargos de secretário, diácono e ancião. Nessa igreja conheceu e casou-se com Rosina Balzano, a superintendente da escola musical.

Questionava sua admissão à fé evangélica sem ter sido voluntariamente batizado e por imersão. Em 1903, junto com outros de mesmo entendimento, foi batizado por Giuseppe Beretta. Em seguida, deixou a Igreja Presbiteriana e o grupo constituiu uma congregação livre adenominacional. No entanto, Francescon deixaria esse mesmo grupo por sua convição na guarda do domingo.

Informado sobre o movimento pentecostal, passou a frequentar a Missão do Evangelho Pleno (Full Gospel Mission), liderada por William Durham. Ele e mais alguns italianos que o acompanhavam receberam os dons do batismo no Espírito Santo, com o sinal de falar em novas línguas.

Em 15 de setembro de 1907, a congregação italiana livre da qual ele tinha feito parte passou por uma avivamento. No terceiro serviço de culto naquele dia, Francescon foi reinstalado como ancião.

Vocacionado para levar o evangelho com o poder do Espírito Santo aos italianos, Francescon viajou pelas colônias italianas na América do Norte. Viajaria ainda à Itália, Argentina, Brasil, Panamá e Cairo.

O Brasil seria o local onde desenvolveria mais intensamente seu ministério fora de casa. Viria dez vezes ao país, a primeira em 1910 e a última em 1948. Presidiu a segunda reunião geral da Congregazione Cristiana Pentecostale em Roma em 1929.

Entre 1925-1929, Francescon esteve meio a uma controvérsia quanto a atualidade da vedação do consumo de sangue. Essa controvérsia gerou a uma cisão na Assemblea Cristiana, nome assumido pela congregação livre italiana de Chicago quando iniciou os procedimentos para adquirir um imóvel próprio. Assim, junto com outros de igual entendimento, formaram uma congregação separada sob o nome de Congregazione Cristiana (Christian Congregation) em Chicago.

Na segunda fase desse avivamento, quando a consolidação das igrejas locais levou à formação de denominações, de suas missões formaram a Congregação Cristã no Brasil, as Asambleas Cristianas na Argentina, a Congregazione Cristiana Pentecostale na Itália, a Igreja Cristã Italiana Inorganizada na América do Norte. Mais tarde, desse movimentos emergeriam a Assemblee di Dio in Italia, a International Fellowship of Christian Assemblies, a Asamblea Cristiana de Villa Lynch (hoje Congregação Cristã na Argentina), a Iglesia Cristiana Biblica na Argentina, dentre outras denominações. No entanto, Francescon opô-se à formação de uma burocracia denominacional com autoridade acima da igreja local. Desse modo, em 1949 ele se retirou nas assembleias anuais da Igreja Cristã (Italiana) da América do Norte, passando a manter comunhão com indivíduos e congregações que aceitavam seu posicionamento. Sua congregação local em Chicago, a Christian Congregation Church, acompanhou-o nessa decisão, bem como uma dezena de igrejas na América do Norte.

A partir da década de 1950, viúvo e cego, foi morar com a filha Hellen Carrieri. Apesar de ativo em seu ministério, gradualmente passou as reponsabilidades a outros anciãos, principalmente a Nicola de Gregório, na Christian Congregation de Chicago. Um correspondente ávido, continuou a orientar indivíduos e as denominações em comunhão com ele até a sua morte.

Louis Terragnoli

Louis Terragnoli (1887-1947), ancião, músico e missionário ítalo-americano.

Luigi nasceu em Prezza, Aquila, na província dos Abruzzos, no sul da Itália.

Aos 20 anos Terragnoli emigrou aos Estados Unidos, onde trabalhou em linha férrea e depois como encanador. Converteu-se ao chegar em Chicago quando escutou o evangelho enquanto trabalhava debaixo de um bonde no pátio de uma oficia. Em 1907 recebeu uma cura miraculosa e foi separado para missões.

Nos anos seguintes, viajou para Des Moines (Iowa), New Jersey, New York, Itália e Brasil. Foi o introdutor do ministério da música no Brasil.

Casou-se com Maria “Mattie” Piedmonte, de Holley (NY) e o casal viria morar em Buffalo (NY). Nessa cidade Terragnoli passou a ser ancião e a colaborar estreitamente com Max Tosetto. A igreja nessa cidade cresceu consideravelmente sob seu ministério.

Músico prolifico, compôs vários hinos que constam nos hinários do movimento pentecostal italiano. Teve vários filhos envolvidos no ministério e veio a falecer em 1947.

Annie Vienna Holmgren

Nascida Annie Vienna (1877-1969) em Piana degli Albanesi, na província de Palermo, Sicília, Itália, após imigrar aos Estados Unidos se estabeleceu em Los Angeles.

Annie se casou com o sueco Theodore Leonard Holmgren em 1892 e tiveram seis filhos.

Em 1897 foi salva, convertendo-se na Igreja do Nazareno, convidada por uma vizinha. Annie levava duas meninas, filhas de Rosina Tanzola para a escola dominical, e após alguns anos Rosina também se converteu.

Quando houve o avivamento da Rua Azusa em Los Angeles em 1906, Annie, as Tanzola e os novos conhecidos a família Moles, italianos vindos de Chicago, frequentaram a missão de Azusa.

Este grupo experimentou os dons do Espírito Santo e no final de 1907 recebeu a visita de Rosina Francescon, uma crente italiana de Chicago que também tinha recebido a efusão do Espírito.

Entre os finais de 1907 e início de 1908 o grupo cresceu. Logo vieram outros dirigentes da igreja italiana de Chicago, entre eles o esposo de Rosina, Louis Francescon, e organizaram uma igreja própria para os italianos, com a bênção do dirigente de Azusa, William Seymour.

A Italian Pentecostal Mission de Los Angeles cresceu e foi atendida por John Perrou, mas logo morreria devido à gripe espanhola. Annie Holmgren acompanhou o crescimento da igreja, então chamada de Italian Christian Assembly, localizada na Rua 22 em Los Angeles.

Stefano Cereghino

Stefano Cereghino foi um menestrel e violinista, animador dos mercados e feiras do norte da Itália, além de evangelista.

Em uma de suas viagens como músico itinerante em 1849 adquiriu uma Bíblia Diodati, a qual leu para sua família, residente na aldeia de Favale di Malvaro, na Ligúria.

Seus familiares passaram a fazer reuniões para a leitura da Bíblia, mas encontraram a oposição do pároco católico.

Pouco tempo depois, em suas viagens Stefano Cereghino chegou a Torre Pellice, centro da comunidade valdense no Piemonte. Lá participou pela primeira vez de um culto evangélico, quando se converteu ao Senhor.

Diante da conversão de Cereghino, os valdenses enviaram Paolo Geymonat para Favale para auxiliar os novos crentes.

Stefano estudou no Colégio Valdense de Torre Pelice, saiu como professor e evangelista. Em 1855 ele se casou com Caterina Malan e fundou a igreja valdense em Favale.

Stefano continou suas atividades itinerantes, mas agora como colportor de literatura evangélica e na distribuição de bíblias. Foi um dos primeiros evangelistas na Sicília, bastião sob controle dos reacionários Bourbons. Foi um dos primeiros membros e responsável pelo depósito da Sociedade Bíblica Britânica e Estrangeira na Itália.

Os Cereghinos migraram em massa para Chicago na década de 1890, formando a Primeira Igreja Presbiteriana Italiana de Chicago.

Paolo Geymonat

Paolo Geymonat (1827 – 1907) foi pastor valdense e professor da Faculdade de Teologia valdense. Como evangelista e teólogo do movimento de risveglio, influenciou a formação espiritual de uma geração de evangélicos italianos

.

Geymonat estudou na Genebra na École de Théologie de l’Oratoire, ligada ao réveil, o movimento de avivamento entre os suíços. Esteve por um breve período em Württemberg para aperfeiçoar sua educação.

Em 1849, foi enviado a Florença e Roma para apoiar a missão de evangelismo iniciada na esteira do movimento do Risorgimento. Em Florença colaborou com o pastor Bartolomeo Malan na obra de evangelização. Descoberto pela polícia durante uma reunião de oração, Geymonat foi preso e expulso do Grão-Ducado da Toscana.

Posteriormente trabalhou em Turim e a partir de 1851 em Gênova, onde teve Bonaventura Mazzarella como colaborador. Nessa época atendeu os novos convertidos da cidadezinha de Favale di Malvaro, maior parte da família de menestreis, os Cereghino.

Com a fundação da Escola de Teologia de Torre Pellice foi chamado para lecionar. A transferência da Escola de Teologia para Florença resultou na organização da Igreja Valdense naquela cidade.

Junto com Alessandro Gavazzi, Geymonat buscava a unificação das Igrejas Evangélicas Italianas e foi incumbido de fazer um estudo doutrinal sobre a possibilidade de alcançar esta união.

Depois de sua emeritação em setembro de 1902 faleceria em Florença.

Sua teologia é tipicamente do réveil genebrino. Para Geymonat a fé se expressa como uma experiência íntima de comunhão com Cristo, por meio da qual Deus revelou a verdade. Defendia a doutrina da inspiração plenária da Bíblia e do alcance universal do sacrifício de Jesus Cristo.

Foi professor de Filippo Grilli, ao qual transmitiu sua teologia à Primeira Igreja Presbiteriana Italiana de Chicago, formada por muitos convertidos ou de seus descendentes do trabalho evangelístico de Geymonat.

BIBLIOGRAFIA

Van Den End, Thomas. Paolo Geymonat e il movimento evangelico in Italia nella seconda metà del secolo XIX. Torino: Claudiana, 1969.

Livros de Geymonat

“Paolo Geymonat” Dizionario dei protestanti in Italia

Pietro Menconi

Pietro Menconi (1874-1936) pioneiro no avivamento italiano de Chicago e ancião da Assemblea Christiana.

Muito pouco se sabe sobre sua vida antes de chegar a Chicago no início dos anos 1900. Menconi nasceu em Lucchesia, Toscana, e nos Estados Unidos casou-se com Angelina Bartolomei. Pietro tornou-se capataz de uma fábrica, mais tarde um pequeno empresário.

Morando no lotado bairro italiano do Loop de Chicago, os Menconis alugavam quartos para aumentar a renda familiar. Um de seus hóspedes, Giacinto Bartolomei (tio de Angelina) apresentou-os a G. Beretta, que começou a realizar reuniões de oração em sua casa e com seus vizinhos do lado, os Ottolinis. Como resultado, ambas as famílias se converteram.

O grupo cresceu e Beretta os ensinou a dar testemunho durante o culto e a ter uma postura mais participativa e informal sobre a igreja. Depois de um tempo, Beretta os convidou a frequentar a Primeira Igreja Presbiteriana Italiana.

Depois de algumas diferenças culturais e de ordem de culto, Menconi e seus amigos deixaram a igreja presbiteriana e se encontraram novamente em casas particulares.

Enquanto isso, Francescon, um ancião da Primeira Igreja Presbiteriana Italiana, convenceu-se da necessidade de se submeter ao batismo em água para adultos. Beretta concordou e, depois de ser ele mesmo batizado, convidou um grupo de crentes baseado em casa para ir à orla do lago de Chicago. No dia 7 de setembro de 1903, Dia do Trabalho, 18 pessoas foram imersas por Beretta, entre elas Menconi e sua esposa Angelina.

Devido ao batismo, o grupo que permaneceu na Igreja Presbiteriana sentiu que deveria partir. Então, começaram a realizar cultos semanais de leitura das Escrituras e para partir o pão.

Surgiu uma dissensão entre o grupo de Beretta e o grupo que deixou a Igreja Presbiteriana por causa da observância do domingo. Com essa cisão os liderados pelo Beretta alugaram um prédio comercial. A sala abriu-se para os serviços públicos, aumentando o número de crentes. Em poucos meses, Beretta deixou Chicago e foi para o estado de Nova York e ordenou Menconi e Ottolini como anciãos.

Depois de passar pelo avuvamento pentecostal em 1907, Menconi deixou seu cargo para Francescon. Votaria a exercê-lo novamente de 1908 a 1936.

Menconi, um fabricante de doces e dono de uma mercearia, empregou suas habilidades empresariais a serviço do Senhor. Durante seu mandato pastoral, a igreja comprou um terreno e construiu uma casa de oração na Eire Street em Chicago, escolhendo Assemblea Christiana como nome.

A nova igreja publicou um hinário e apoiou viagens missionárias com coletas feitas durante o serviço. A igreja cresceu e teve cultos realizados todas as noites durante a década de 1910.

Um doloroso acontecimento no início da década de 1920 deixou a igreja com feridas que ainda hoje são sentidas. Enquanto Francescon era uma figura carismática e viajava extensivamente na obra de Deus, Menconi cuidava dos assuntos diários da igreja. No entanto, quando Francescon voltou de uma de suas viagens para passar mais tempo em Chicago, Menconi supostamente sentiu seu papel como o ancião principal ameaçado. Nessa época Assembleia Cristã tinha um conselho coletivo de anciãos, da qual Menconi era o primeiro entre iguais. Meconi teria dito algo do gênero: “Francescon recebeu muitas revelações [de Deus] e nós as aceitamos sem maiores problemas. Agora, eu tenho uma única revelação que deve ser aceita. Ou seja, comer salsicha de morcela não é pecado nos dias de hoje. ” Seguiu-se um cisma e um litígio desagradável.

Apesar da divisão da igreja, Menconi manteve seus deveres pastorais. Ele morreu em um acidente de carro quando viajava para um serviço evangelístico no sul de Illinois.

FONTES
Erutti, Leonard. A Vida e a Missão de Peter Ottolini. St. Louis, 1963.
Francescon, Louis. Testemunho fiel. Chicago, 1952.
Toppi, Francesco. Pietro Menconi. Roma: ADI-Media, 1997.
Contatos pessoais com Esther Buchevitz (2001), Emil Zollezzi (2004), Mike Falco (2006).

Émile-Guillaume Léonard

Émile-Guillaume Léonard (1891 – 1961) foi um historiador francês, especialista em história do protestantismo, que publicou uma das primeiras obras acadêmicas sobre a Congregação Cristã no Brasil.

Léonard nasceu em uma família huguenote francesa. Estudou história, defendendo sua tese de graduação em 1919 sobre as chancelarias francesas medievais. Em 1932, defendeu sua tese de doutorado. A partir de 1940 sua pesquisa então se concentrou no protestantismo. Foi influenciado pela escola dos Annales, especialmente por Lucien Febvre.

Léonard fez parte da Missão Francesa que veio ao Brasil para trabalhar na Universidade de São Paulo, onde esteve de 1948 a 1950. Depois lecionou História da Igreja na Faculdade Livre de Teologia Reformada de Aix-en-Provence. Foi diretor de estudos da Seção de Ciências Religiosas da Escola de Altos Estudos.

Enquanto esteve no Brasil, foi mentor toda uma geração de cientistas sociais e historiadores e orientou muitos de seus alunos a realizarem trabalho de campo nas igrejas protestantes brasileiras, incluindo a Congregação Cristã no Brasil.

Em seu O Iluminismo num Protestantismo de Constituição Recente (1953), publicada primeiro como um número especial em francês e mais tarde em português, Léonard cobre muitas denominações e personalidades populares as quais ele chamam de “iluministas” — reivindicando inspiração pelo Espírito — como a Igreja Evangélica Brasileira e Miguel Vieira Ferreira, o Padre José Manoel da Conceição e a Congregação Cristã no Brasil.

BIBLIOGRAFIA SELECIONADA

Léonard, Emile-G. “O protestantismo brasileiro. Estudo de eclesiologia e de história social”, em Revista de História, nº 5 a 12, 1951-1952. Depois reunidos num único volume, O Protestantismo Brasileiro. São Paulo: ASTE, 2002.

Léonard, Emile-G . “L’illuminisme dans un protestantisme de constitution récente (Brésil)”, 1953. Parte da “Bibliothèque de l’École des Hautes
Études” – Section des Sciences Religieuses. Em português: iluminismo num protestantismo de constituição recente. São Bernardo do Campo: Programa Ecumênico de Pós-Graduação em Ciências da Religião, 1988.

Léonard, Emile-G. “O Protestantismo Brasileiro. Estudo de eclesiologia e de história social.” Revista de História 2.5 (1951): 105-157. DOI https://doi.org/10.11606/issn.2316-9141.v2i5p105-157

Léonard, Émile-G. “O Protestantismo Brasileiro. Estudo de eclesiologia e de história social (II).” Revista de História 2.6 (1951): 329-379. DOI https://doi.org/10.11606/issn.2316-9141.v2i6p329-379

Léonard, Émile-G. Histoire générale du protestantisme, Paris, PUF, 1961-1964. Reeditado na coleção «Quadrige», 1988. Versão em inglês.


SOBRE SUA VIDA E OBRA

Carvalho, Marcone Bezerra. Émile-G. Léonard e sua contribuição aos estudos do protestantismo brasileiro. 2013. 164 f. Dissertação (Mestrado em Religião) – Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo, 2013. http://tede.mackenzie.br/jspui/handle/tede/2430

Reulos, Michel. “Émile-G. Léonard”. Bulletin de la Société de l’Histoire du protestantisme français, vol.108 (abril-junho 1962), p.104-110.

École Pratique des Hautes Études. Émile-Guillaume Léonard.

Pietro Ottolini

Pietro ou Peter Ottolini (1870-1962) pioneiro do avivamento pentecostal italiano em Chicago e missionário na Itália. Por muitos anos desenvolveu seu ministério em St. Louis, Missouri.

Em 1891, Ottolini deixou sua Pescaglia natal, província de Lucca, Itália, com destino a Chicago. Três anos depois, Peter casou-se com Emma Pacini. Os recém-casados passaram a morar ao lado dos Menconis. Emma, uma leitora ávida, estava procurando um livro interessante quando um hóspede da casa dos Menconi disse que a Bíblia era uma literatura entretenedora.

Emma ficou interessada, mas naquela época era difícil encontrar uma Bíblia publicada em italiano. A vizinha colocou-a em contato com um evangelista, Giuseppe Beretta, que lhe vendeu o precioso livro. Para o desânimo de Emma, o livro era confuso. Assim, ela chamou o homem que vendeu o livro e pediu que lhe explicasse. Beretta começou a fazer leituras da Bíblia no lar dos Ottolini.

Em uma das reuniões, Emma pediu-lhe que orasse por ela. Beretta orou e impôs sua mão sobre sua cabeça dizendo “Irmã, em nome de Jesus, seus pecados estão perdoados.” O Senhor a salvou e transformou nessa oração. Após a desconfiança inicial de Peter Ottolini, o casal aceitou com alegria a vida cristã.

Beretta convidou os Menconi e outros vizinhos para essa reunião. Logo, o grupo tinha 18 pessoas reunidas nas casas de Menconi e Ottolini. Beretta se sentia incapaz de ministrar a um grupo tão crescente, então os convidou a frequentar a única congregação protestante italiana de Chicago, a Primeira Igreja Presbiteriana Italiana. Rev. Grilli, o pastor os acolheu. Contudo, a congregação, muitos deles evangélicos desde o nascimento, sentiu a informalidade do grupo perturbadora: eles interferiam na ordem do culto dando testemunhos. Beretta deixou essa Igreja com seus discípulos e eles congregatam em cultos domésticos até passarem pelo batismo nas águas em 1904.

Em 1907, Ottolini e Menconi, então ancião daquele grupo chamado de “Igreja dos Toscanos”, tiveram uma experiência intensa. A missão, uma igreja em um salão comercial, que eles tinham na W. Grand Avenue em Chicago passou por um poderoso avivamento no Espírito Santo.

Posteriormente, Ottolini foi para o campo missionário em St. Louis. Entre 1910 e 1914, os Ottolinis, sob severas dificuldades econômicas, pregaram o evangelho na Itália, nas cidades de Luserna San Giovanni, Milão, Gissi e Ginosa.

Após seu retorno a Chicago em 1917, Pietro Ottolini sentiu que o fogo do avivamento havia esfriado. Após uma série de sermões exortando a buscar a presença de Deus, passou a urgir que “sem o Batismo do Espírito Santo ninguém poderia ser salvo”. Foi o suficiente para o conselho de anciãos colocá-lo sob disciplina.

Uma carta circular foi emitida aconselhando as igrejas a fecharem-lhe seus púlpitos.

Em um arranjo informal, os anciãos reconheceram a obra do Senhor sobre sua vida, mas restringiram seu ministério a uma única igreja. Ottolini escolheu a igreja de St. Louis, um de seus primeiros campos missionários. Naquela época, a igreja de St. Louis estava em uma posição difícil, pois havia apenas poucas famílias, com umas irmãs cujos maridos eram descrentes e e um jovem doente, Leonard Erutti.

Os Ottolinis se mudaram para St. Louis e começaram a licitar a igreja. Essa obra prosperou com a ajuda do Senhor. Leonard Erutti tornou-se pastor assistente e genro dos Ottolinis.

Atualmente, a Full Gospel Evangelical Assembly possui uma igreja numerosa em Afton, um subúrbio na parte sul de St. Louis, aderindo ao mesmo compromisso simples e firme com o evangelho que seus antepassados ​​lhes ensinaram.

Mesmo isolado, Peter Ottolini fez um poucas viagens visitando as igrejas italianas no Nordeste, antes de morrer na venerável idade de 92 anos.

BIBLIOGRAFIA
Erutti, Leonard. Life and Work of Peter Ottolini. St. Louis, 1963.
Francescon, Louis. Testemunho fiel. Chicago, 1952.
Toppi, Francesco. Pietro Menconi. Roma: ADI-Media, 1997.
Contatos pessoais com Elmer Erutti (2001), Sandra Giacolleto-Worth (2001) e visita de campo a St. Louis (2004).


COMO REFERENCIAR

ALVES, Leonardo Marcondes (ed.). Pietro Ottolini. Círculo de Cultura Bíblica, 2021. Disponível em: https://circulodeculturabiblica.org/2021/07/19/pietro-ottolini/. Acesso em: 04 jul. 2021.

Umberto Gazzari

Alternativamente chamado de Roberto Gazzeri, pioneiro pentecostal do avivamento de Chicago.

Umberto Gazzari nasceu em La Spezia, Ligúria, em 1879. Casou-se com Dionisia Carniglia, também de origem lígure. Umberto imigrou aos Estados Unidos, ficando por um tempo em Nova Iorque para depois se mudar para Chicago.

Em seu primeiro dia em Chicago não conhecia ninguém. Passeando pela colônia italiana foi atraído pelos cânticos de hinos em uma igreja na Ohio Street. O pastor, Filippo Grilli, acolheu-o e apresentou-lhe o evangelho, levando à sua imediata conversão.

No avivamento de setembro de 1907 foi um dos que recebeu os dons na igreja de Grand Avenue. No próximo batismo nas águas, presidido por Durham e Beretta, desceu às águas.

Em 1908 estava entre os primeiros evangelizadores a sair de Chicago rumo à Itália. Evangelizou alguns parentes em La Spezia, os quais encaminhou a uma igreja evangélica local até que anos mais tarde surgiria uma congregação própria.

Em 1910 foi chamado ao ministério de ancião em Chicago. Começou a evangelizar as comunidades italianas de Rockford, Illinois em 1913 e Milwaukee, Wisconsin, em 1916. Suas atividades evangelísticas levaram a boa-nova à família Zolezzi, dentre os quais Emil Zolezzi foi ancião por muitos anos da Christian Assembly de Chicago.

Os anciãos de Chicago o enviaram a Erie, Pennsylvania, em resposta a uma carta de John Perrou para batizar os novos convertidos. Iniciou a obra italiana em Ellwood City em 1913, de onde esparramou para o Oeste da Pennsylvania, West Virginia e Ohio.

Foi instrumental para o início da congregação de Corona-Flushing, no Queens, na região metropolitana de Nova Iorque.

Em 1917-1919 voltou em missão à Itália, visitando La Spezia e Gissi.

Faleceria em 1924 em razão de uma pneumonia dupla.

SAIBA MAIS

Contato pessoal com Emil Zollezzi (2004).

BonGiovanni, Guy. Pionners of the Faith. Farrell, PA, 1971.

FamilySearch.org

Toppi, Francesco. E mi sarete testimoni. Roma: ADI-Media, 1999.


COMO REFERENCIAR

ALVES, Leonardo Marcondes (ed.). Umberto Gazzari. Círculo de Cultura Bíblica, 2021. Disponível em: https://circulodeculturabiblica.org/2021/07/19/umberto-gazzari/. Acesso em: 04 jul. 2021.