Pietro Menconi

Pietro Menconi (1874-1936) pioneiro no avivamento italiano de Chicago e ancião da Assemblea Christiana.

Muito pouco se sabe sobre sua vida antes de chegar a Chicago no início dos anos 1900. Menconi nasceu em Lucchesia, Toscana, e na América casou-se com Angelina Bartolomei. Pietro tornou-se capataz de uma fábrica e mais tarde um pequeno empresário.

Morando no lotado bairro italiano do Loop de Chicago , os Menconis alugavam quartos para aumentar a renda familiar. Um de seus hóspedes, Giacinto Bartolomei (tio de Angelina) apresentou-os a G. Beretta, que começou a realizar reuniões de oração em sua casa e com seus vizinhos do lado, os Ottolinis. Como resultado, ambas as famílias se converteram.

O grupo cresceu e Beretta os ensinou a dar testemunho durante o culto e a ter uma postura mais participativa e informal sobre a igreja. Depois de um tempo, Beretta os convidou a frequentar a Primeira Igreja Presbiteriana Italiana.

Depois de algumas diferenças culturais e de ordem de culto, Menconi e seus amigos deixaram a igreja presbiteriana e se encontraram novamente em casas particulares.

Enquanto isso, Francescon, um ancião da Primeira Igreja Presbiteriana Italiana, convenceu-se da necessidade de se submeter ao batismo em água para adultos. Beretta concordou e depois que ele mesmo foi batizado, ele convidou um grupo de crentes baseado em casa para ir à orla do lago de Chicago. No dia 7 de setembro de 1903, Dia do Trabalho, 18 pessoas foram imersas por Beretta, entre elas Menconi e sua esposa Angelina.

Devido ao batismo, o grupo que permaneceu na Igreja Presbiteriana sentiu que deveria partir, então começaram a realizar cultos semanais de leitura das Escrituras e partir o pão.

Surgiu uma dissensão entre o grupo de Beretta e o grupo que deixou a Igreja Presbiteriana por causa da observância do domingo. Assim, ocorreu uma cisão, e os liderados pela Beretta alugaram um prédio comercial e a abriram para os serviços públicos, aumentando o número de associados. Em poucos meses, Beretta deixou Chicago e foi para o estado de Nova York e ordenou Menconi e Ottolini como anciãos.

Depois de experimentar o renascimento pentecostal em 1907, Menconi desistiu de seu cargo por Francescon, mas o ocupou novamente de 1908 a 1936.

Menconi, um fabricante de doces e dono de uma mercearia, empregou suas habilidades empresariais a serviço do Senhor. Durante seu mandato pastoral, a igreja comprou um terreno e construiu uma casa de oração na Eire St em Chicago, escolhendo Assemblea Christiana como nome.

A nova igreja publicou um hinário e apoiou viagens missionárias com coletas feitas durante o serviço. A igreja cresceu e teve cultos realizados todas as noites durante a década de 1910.

Um doloroso acontecimento aconteceu no início da década de 1920 que deixou a igreja com feridas que ainda hoje são sentidas. Enquanto Francescon era uma figura carismática e viajava extensivamente na obra de Deus, Menconi cuidava dos assuntos diários da igreja. No entanto, quando Francescon voltou de uma de suas viagens para passar mais tempo em Chicago, Menconi supostamente sentiu seu papel como o ancião principal ameaçado. Nessa época Assembleia Cristã tinha um conselho coletivo de anciãos, a quem Menconi era o primeiro entre iguais. Meconi teria dito algo do gênero: “Francescon recebeu muitas revelações [de Deus] e nós as aceitamos sem maiores problemas. Agora, eu tenho uma única revelação que deve ser aceita. Ou seja, comer salsicha de morcela não é pecado nos dias de hoje. ” Seguiu-se um cisma e um litígio desagradável.

Apesar da divisão da igreja, Menconi manteve seus deveres pastorais. Ele morreu em um acidente de carro quando viajava para um serviço evangelístico no sul de Illinois.

FONTES
Erutti, Leonard. A Vida e a Missão de Peter Ottolini. St. Louis, 1963.
Francescon, Louis. Testemunho fiel. Chicago, 1952.
Toppi, Francesco. Pietro Menconi. Roma: ADI-Media, 1997.
Contatos pessoais com Esther Buchevitz (2001), Emil Zollezzi (2004), Mike Falco (2006).

Émile-Guillaume Léonard

Émile-Guillaume Léonard (1891 – 1961) foi um historiador francês, especialista em história do protestantismo, que publicou uma das primeiras obras acadêmicas sobre a Congregação Cristã no Brasil.

Léonard nasceu em uma família huguenote francesa. Estudou história, defendendo sua tese de graduação em 1919 sobre as chancelarias francesas medievais. Em 1932, defendeu sua tese de doutorado. A partir de 1940 sua pesquisa então se concentrou no protestantismo. Foi influenciado pela escola dos Annales, especialmente por Lucien Febvre.

Léonard fez parte da Missão Francesa que veio ao Brasil para trabalhar na Universidade de São Paulo, onde esteve de 1948 a 1950. Depois lecionou História da Igreja na Faculdade Livre de Teologia Reformada de Aix-en-Provence. Foi diretor de estudos da Seção de Ciências Religiosas da Escola de Altos Estudos.

Enquanto esteve no Brasil, foi mentor toda uma geração de cientistas sociais e historiadores e orientou muitos de seus alunos a realizarem trabalho de campo nas igrejas protestantes brasileiras, incluindo a Congregação Cristã no Brasil.

Em seu O Iluminismo num Protestantismo de Constituição Recente (1953), publicada primeiro como um número especial em francês e mais tarde em português, Léonard cobre muitas denominações e personalidades populares as quais ele chamam de “iluministas” — reivindicando inspiração pelo Espírito — como a Igreja Evangélica Brasileira e Miguel Vieira Ferreira, o Padre José Manoel da Conceição e a Congregação Cristã no Brasil.

BIBLIOGRAFIA SELECIONADA

Léonard, Emile-G. “O protestantismo brasileiro. Estudo de eclesiologia e de história social”, em Revista de História, nº 5 a 12, 1951-1952. Depois reunidos num único volume, O Protestantismo Brasileiro. São Paulo: ASTE, 2002.

Léonard, Emile-G . “L’illuminisme dans un protestantisme de constitution récente (Brésil)”, 1953. Parte da “Bibliothèque de l’École des Hautes
Études” – Section des Sciences Religieuses. Em português: iluminismo num protestantismo de constituição recente. São Bernardo do Campo: Programa Ecumênico de Pós-Graduação em Ciências da Religião, 1988.

Léonard, Emile-G. “O Protestantismo Brasileiro. Estudo de eclesiologia e de história social.” Revista de História 2.5 (1951): 105-157. DOI https://doi.org/10.11606/issn.2316-9141.v2i5p105-157

Léonard, Émile-G. “O Protestantismo Brasileiro. Estudo de eclesiologia e de história social (II).” Revista de História 2.6 (1951): 329-379. DOI https://doi.org/10.11606/issn.2316-9141.v2i6p329-379

Léonard, Émile-G. Histoire générale du protestantisme, Paris, PUF, 1961-1964. Reeditado na coleção «Quadrige», 1988. Versão em inglês.


SOBRE SUA VIDA E OBRA

Carvalho, Marcone Bezerra. Émile-G. Léonard e sua contribuição aos estudos do protestantismo brasileiro. 2013. 164 f. Dissertação (Mestrado em Religião) – Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo, 2013. http://tede.mackenzie.br/jspui/handle/tede/2430

Reulos, Michel. “Émile-G. Léonard”. Bulletin de la Société de l’Histoire du protestantisme français, vol.108 (abril-junho 1962), p.104-110.

École Pratique des Hautes Études. Émile-Guillaume Léonard.

Pietro Ottolini

Pietro ou Peter Ottolini (1870-1962) pioneiro do avivamento pentecostal italiano em Chicago e missionário na Itália. Por muitos anos desenvolveu seu ministério em St. Louis, Missouri.

Em 1891, Ottolini deixou sua Pescaglia natal, Lucca, Itália, com destino a Chicago. Três anos depois, Peter se casou com Emma Pacini e o casal recém-casado passou a morar ao lado dos Menconis. Emma, ​​uma leitora ávida, estava procurando um livro fascinante quando um hóspede da casa dos Menconi disse que a Bíblia era uma literatura entretenedora.

Emma ficou interessada, mas naquela época era difícil encontrar uma Bíblia publicada em italiano. A vizinha a colocou em contato com um evangelista, Giuseppe Beretta, que lhe vendeu o precioso livro. Para o desânimo de Emma, ​​o livro era confuso. Assim, ela chamou o homem que vendeu o livro e pediu que lhe explicasse. Beretta começou a fazer leituras da Bíblia no Ottolini.

Em uma das reuniões, Emma pediu-lhe que orasse por ela. Beretta orou e impôs sua mão sobre sua cabeça dizendo “Irmã, em nome de Jesus, seus pecados estão perdoados.” O Senhor a salvou e transformou nessa oração. Após uma desconfiança inicial de Peter Ottolini, o casal aceitou com alegria viver uma vida cristã.

Beretta convidou os Menconi e outros vizinhos para essa reunião. Logo, o grupo tinha 18 pessoas reunidas nas casas de Menconi e Ottolini. Beretta se sentia incapaz de ministrar a um grupo tão crescente, então os convidou a frequentar a única congregação protestante italiana de Chicago, a Primeira Igreja Presbiteriana Italiana. Rev. Grilli, o pastor os acolheu, mas a congregação, muitos deles evangélicos desde o nascimento, sentiu a informalidade do grupo perturbadora: eles interferiam na ordem do culto dando testemunhos. Beretta levou seus discípulos com ele e eles compareceram aos cultos em casa até passarem pelo batismo nas águas em 1904.

Em 1907, Ottolini e Menconi, então ancião daquele grupo chamado de “Igreja dos Toscanos”, tiveram uma experiência intensa. A missão, uma igreja em um salão comercial, que eles tinham na W. Grand Avenue em Chicago passou por um poderoso avivamento liderado pelo Espírito Santo.

Posteriormente, Ottolini foi para o campo missionário em St. Louis. Entre 1910 e 1914, os Ottolinis, sob severas dificuldades econômicas, pregaram o evangelho na Itália, nas cidades de Luserna San Giovanni, Milão, Gissi e Ginosa.

Após seu retorno a Chicago em 1917, Pietro Ottolini sentiu que o fogo do avivamento havia esfriado. Após uma série de sermões exortando a buscar a presença de Deus, passou a urgir que “sem o Batismo do Espírito Santo ninguém poderia ser salvo”. Foi o suficiente para o conselho de anciãos colocá-lo sob disciplina.

Uma carta circular foi emitida aconselhando as igrejas a fecharem seus púlpitos.

Em um arranjo informal, os anciãos reconheceram a obra do Senhor sobre sua vida, mas restringiram seu ministério a uma única igreja. Ottolini escolheu a igreja de St. Louis, um de seus primeiros campos missionários. Naquela época, a igreja de St. Louis estava em uma posição difícil, pois havia apenas poucas famílias, com umas irmãs cujos maridos eram descrentes e e um jovem doente, Leonard Erutti.

Os Ottolinis se mudaram para St. Louis e começaram a licitar a igreja. Essa obra prosperou com a ajuda do Senhor. Leonard Erutti tornou-se pastor assistente e genro dos Ottolinis.

Atualmente, a Full Gospel Evangelical Assembly possui uma igreja numerosa em Afton, um subúrbio na parte sul de St. Louis, aderindo ao mesmo compromisso simples e firme com o evangelho que seus antepassados ​​lhes ensinaram.

Mesmo isolado, Peter Ottolini fez um poucas viagens visitando as igrejas italianas no Nordeste, antes de morrer na venerável idade de 92 anos.

SAIBA MAIS
Erutti, Leonard. Life and Work of Peter Ottolini. St. Louis, 1963.
Francescon, Louis. Testemunho fiel. Chicago, 1952.
Toppi, Francesco. Pietro Menconi. Roma: ADI-Media, 1997.
Contatos pessoais com Elmer Erutti (2001), Sandra Giacolleto-Worth (2001) e visita de campo a St. Louis (2004).


COMO REFERENCIAR

ALVES, Leonardo Marcondes (ed.). Pietro Ottolini. Círculo de Cultura Bíblica, 2021. Disponível em: https://circulodeculturabiblica.org/2021/07/19/pietro-ottolini/. Acesso em: 04 jul. 2021.

Umberto Gazzari

Alternativamente chamado de Roberto Gazzeri, pioneiro pentecostal do avivamento de Chicago.

Umberto Gazzari nasceu em La Spezia, Ligúria, em 1879. Casou-se com Dionisia Carniglia, também de origem lígure. Umberto imigrou aos Estados Unidos, ficando por um tempo em Nova Iorque para depois se mudar para Chicago.

Em seu primeiro dia em Chicago não conhecia ninguém. Passeando pela colônia italiana foi atraído pelos cânticos de hinos em uma igreja na Ohio Street. O pastor, Filippo Grilli, acolheu-o e apresentou-lhe o evangelho, levando à sua imediata conversão.

No avivamento de setembro de 1907 foi um dos que recebeu os dons na igreja de Grand Avenue. No próximo batismo nas águas, presidido por Durham e Beretta, desceu às águas.

Em 1908 estava entre os primeiros evangelizadores a sair de Chicago rumo à Itália. Evangelizou alguns parentes em La Spezia, os quais encaminhou a uma igreja evangélica local até que anos mais tarde surgiria uma congregação própria.

Em 1910 foi chamado ao ministério de ancião em Chicago. Começou a evangelizar as comunidades italianas de Rockford, Illinois em 1913 e Milwaukee, Wisconsin, em 1916. Suas atividades evangelísticas levaram a boa-nova à família Zolezzi, dentre os quais Emil Zolezzi foi ancião por muitos anos da Christian Assembly de Chicago.

Os anciãos de Chicago o enviaram a Erie, Pennsylvania, em resposta a uma carta de John Perrou para batizar os novos convertidos. Iniciou a obra italiana em Ellwood City em 1913, de onde esparramou para o Oeste da Pennsylvania, West Virginia e Ohio.

Foi instrumental para o início da congregação de Corona-Flushing, no Queens, na região metropolitana de Nova Iorque.

Em 1917-1919 voltou em missão à Itália, visitando La Spezia e Gissi.

Faleceria em 1924 em razão de uma pneumonia dupla.

SAIBA MAIS

Contato pessoal com Emil Zollezzi (2004).

BonGiovanni, Guy. Pionners of the Faith. Farrell, PA, 1971.

FamilySearch.org

Toppi, Francesco. E mi sarete testimoni. Roma: ADI-Media, 1999.


COMO REFERENCIAR

ALVES, Leonardo Marcondes (ed.). Umberto Gazzari. Círculo de Cultura Bíblica, 2021. Disponível em: https://circulodeculturabiblica.org/2021/07/19/umberto-gazzari/. Acesso em: 04 jul. 2021.

Lucy Leatherman

Lucy Leatherman (1870–1925), missionária e pioneira pentecostal.

Nascida perto de Greencastle, Indiana, frequentou a Escola de Treinamento Missionário de A. B. Simpson em Nyack, Nova Yorque. Teria também tido uma educação superior.

Após se tornar viúva de um médico frequentou a Escola Bíblica de Topeka, Kansas, dirigida por Charles Parham. Em 1901 Lucy Farrow impôs-lhe as mãos para que recebesse os dons do Espírito Santo.

Durante o avivamento da Rua Azusa, Leatherman frequentou os cultos. Lá, teria falado em línguas que ela acreditou que fosse o árabe e sentiu um chamado de ir à Palestina. Logo partiria em sua primeira viagem missionária, totalmente pela fé e sem o apoio financeiro ou denominacional. Em agosto de 1906 partiu junta de Louisa Condit e o missionário sueco Andrew Johnson. No trecho dessa viagem através dos Estados Unidos o grupo conduziram várias reuniões de busca dos dons.

Em Colorando Springs, CO, encontraram com William Durham, pastor de uma missão de santidade independente em Chicago. O grupo introduziu-lhe a mensagem da efusão dos dons e o do batismo no Espírito Santo.

Em Nova Iorque se hospedaram na Alliance House, mantida por A. B. Simpson. Lá encontraram e oraram juntos com T. B. Barratt, pioneiro pentecostal na Escandinávia. Vários receberam o batismo do Espírito Santo na cidade e o grupo estabeleceram um missão com vários congregando. Então, Leatherman convidou a Marie Burgess e seu marido Robert Brown para assumirem as responsabilidades da missão, a Glad Tidings Tabernacle, umas maiores congregação pentecostais da cidade de Nova Yorque e entreposto misisonário.

O grupo chegou a Jerusalém no final de 1906, onde ajuntou um pequeno grupo de crentes batizados pelo Espírito Santo. Leatherman visitou várias cidade do Oriente Médio e iniciou a igreja em Assiout, aonde depois viria Lillian Trasher fundar seu famoso orfanato.

Em 1909 Leatherman partiu para a Arábia, depois Índia, Hong Kong, Xangai e Yokohama, onde adoeceu. Poucos meses depois foi às Filipinas e aos EUA.

Em 1911 iniciaria sua segunda viagem missionária. Visitou os crentes pentecostais da Grã-Bretanha e se estabeleceu em Jerusalém em fevereiro de 1912. Nessa época, Giacomo Lombardi teria visitado sua igreja em Jerusalém. No ano seguinte, esteve em Beirute e no Egito.

Com o início da Primeira Guerra Mundial em 1914, Leatherman retornou aos Estados Unidos.

Sua terceira viagem missionário foi em 1917. Nessa época se filia à Igreja de Deus (Cleveland). Esteve no Panamá a caminho de Valparaíso, Chile. No Chile visitou e pregou nas igrejas dirigidas por Willis Hoover. Em 1920-1921, esteve em Buenos Aires, onde congregou na Asamblea Cristiana de Villa Devoto. Argentina. Enferma, retornou aos EUA em 1921 (ou em 1923).

Com a saúde deteriorada, morreu em 1925. Era talvez a pessoa que mais tinha viajado em missões dentro do movimento pentecostal. Foi também o elo que conectou pioneiros e congregações em vários continentes.

BIBLIOGRAFIA
Alexander, Estrelda. The Women of Azusa Street. Cleveland: The Pilgrim Press, 2005.

Anderson, Allan. Spreading Fires: The Missionary Nature of Early Pentecostalism. Londres: SCM, 2007

Newberg, Eric N. The Pentecostal Mission in Palestine. Eugene, OR: Pickwick, 2012.

Giuseppe Beretta

Giuseppe Beretta nasceu em 1853 no pequeno vilarejo Molina di Ledro, em Trento, região do Nordeste da Itália que na época fazia parte do Império Austro-Húngaro.

Muito pouco se sabe sobre ele e seus primeiros anos. Aparentemente, ele cresceu em um ambiente devoto e foi para um seminário para se tornar um padre católico romano, mas ele não recebeu suas ordens e deixou a Itália para viver nos Estados Unidos, onde testemunhou sobre o evangelho em uma congregação americana da Igreja Metodista Livre.

Um dia, enquanto ele estava orando na Igreja Metodista Livre foi tomado pelo Espírito Santo de tal forma que falava em línguas. Sem compreender o que se passava, teria sido levado à farmácia para receber socorros. Beretta orou para que não falasse mais em línguas.

Na Igreja Metodista Livre assimilou várias práticas de culto e doutrina de santidade. Esse grupo realizava reuniões domésticas (cottage meetings) e cultos, nos quais a pregação, a oração, os testemunhos e a chamadas dos cânticos não eram pré-determinados, mas esperados conforme o Espírito Santo guiasse.

Em Chicago em 1898 se tornou membro da Primeira Igreja Presbiteriana Italiana, da qual mais tarde seria um dos diáconos. Nessa cidae entrou em contato com a família Menconi e Ottolini, as quais evangelizou. Formou-se um grupo de 18-20 pessoas que congregavam nas casas e Beretta, sentindo-se incapaz de tomar responsabilidade por tais novos crentes, encaminhou-os à Primeira Igreja Presbiteriana Italiana. Contudo, Beretta recomendou aos novos convertidos que não se filiassem formalmente nessa igreja.

Diferenças internas e étnicas levaram à saída do grupo que ele evangelizou, apelidado de “Toscanos”, pois a maioria vinha dessa região. Logo após isso, Louis Francescon, um dos secretários e presbíteros da Primeira Igreja Presbiteriana Italiana, convenceu-o a se submeter ao batismo voluntário e por imersão. Beretta foi batizado por um americano pertencente à Igreja dos Irmãos de Plymouth em Elgin, Illinois. Na semana seguinte batizaria Francescon e outros.

O grupo formado ao redor dele alugou um prédio comercial sem denominação alguma e realizavam cultos na West Grand Avenue em Chicago. Beretta ordenou a Pietro Menconi e Pietro Ottolini como dirigientes e partiu de Chicago em missão evangelística para o Oeste do Estado de Nova Iorque. Ao saber do avivamento pelo Espírito Santo em Chicago em 1907, Beretta aceitou e este por algum tempo em Chicago.

Nos anos em que se seguiram Beretta foi em missão evangelística para Memphis, TN, depois para Syracuse, NY, onde morreu em 1923.

Embora nunca tenha se casado, seus familiares se converteram. Alguns de seus sobrinhos ocuparam o ministério em New Jersey, New York e Massachusetts.

SAIBA MAIS

Contato com Joseph M. Beretta (2003).

Toppi, Francesco. Giuseppe Beretta. Roma: ADI-Media, 1997.


COMO REFERENCIAR

ALVES, Leonardo Marcondes (ed.). Giuseppe Beretta. Círculo de Cultura Bíblica, 2021. Disponível em: https://circulodeculturabiblica.org/2021/07/14/giuseppe-beretta/ . Acesso em: 04 jul. 2021.

Giueppe Petrelli

Giuseppe Petrelli (1876 – 1957) foi um teólogo, jornalista, jurista, professor universitário, missionário e ancião ítalo-americano.

Petrelli nasceu em uma família abastada no vilarejo de Noepoli, na província de Potenza, na Basilicata, no sul da Itália. Estudou Direito e trabalhou como jornalista em Nápoles antes de sua conversão ao evangelho em uma igreja batista.

Emigrou aos Estados Unidos em 1905, onde foi pastor de uma grande igreja batista em Nova Iorque devotada ao público imigrante italiano. Nessa igreja, dedicava-se ao cuidado dos mais pobres. Por um tempo, foi professor no Colgate College.

Passou por sua experiência pentecostal em 1915 e três anos depois deixaria o pastorado batista para juntar-se ao movimento pentecostal italiano como ancião.

De retorno à América do Norte, tentou mitigar a controvérsia do consumo de sangue em relação a Atos 15. Mal compreendido, isolou-se e continuou seu ministério sem ocupar responsabilidades por igrejas locais. Passou a dar lições bíblicas durante a semana nas igrejas italianas da região metropolitana de Nova Iorque e congregava na igreja de Belleville.

Começou a desenvolver um ministério itinerante de ensino bíblico entre as igrejas italianas da América do Norte. Na década de 1920 fez várias viagens à América do Sul para atender a igreja italiana na Argentina e no Brasil, onde seu irmão, o engenheiro Leonardo Petrelli, morava.

Um prolífico autor e correspondente, seus escritos ainda não foram totalmente publicados. Sua concepção de renúncia a Cristo revelado nas Escrituras e confiança na ação do Espírito Santo guiaram sua obra. Erudito e falante de várias línguas vernáculas e clássicas, lia a Bíblia conciliando a hermenêutica de um literato com uma leitura quase jurídica, quase pastoral, na qual buscava iluminação do Espírito Santo. Suas obras são na maioria cristológica, pneumatológica, estudos de livros e personagens bíblicos e eclesiológica.

Seu legado e público permanece em um nicho restrito na Itália (onde alcança mesmo um público católico), algumas igrejas e leitores nos Estados Unidos e Argentina.

Introspectivo, não afoito ao personalismo, erudito e aristocrático; Petrelli constratava muito com a primeira geração do pentecostalismo. Entretanto, aproximava das pessoas sempre como iguais a ele.

OBRAS

  • Simon Pietro (1911)
  • Cristo per fede (1912)
  • Davide, peccatore e penitente (1915)
  • La chiesa di Cristo (1929)
  • Il figliuol dell’uomo (1930)
  • Fra i due testamenti (1930)
  • Il verme di Giacobbe (1935)
  • Lo Spirito Santo (1938) em inglês, Heavenward: Book One: The Holy Spirit (1953)
  • Ricevendo il Regno (1950), em ingês, Heavenward: Book Two: Receiving the Kingdom (1953)
  • Perché crocifissero Gesù (1950) em inglês, From darkness to light Part One: Why they crucified Jesus (1957)
  • I nemici di Davide (1951) em ingês, From darkness to light Part Two: The enemies of David (1957)
  • Caino il fabbricatore e Iddio architetto e fabbricatore (1953)
  • Come in cielo (1953) em inglês Him – His: Book Three: As In Heaven (1954)
  • Partecipi della natura divina (1954) em inglês: Heavenward: Book Three: Partakers of the divine nature (1953)
  • Dalle tenebre alla luce dalla podestà di satana a Dio (1955)
  • La legge dello Spirito (1955)
  • Libertà (1955)
  • Ecce Homo (1956)
  • Il messaggio di san Paolo agli anziani di Efeso (1954)
  • Il corpo di Cristo (1957)
  • Al Golgota si incontrano le età (1957), em inglês:  Him – His Prologue (1954)
  • Lui e la sua dottrina, Lui e i suoi (1957)
  • Annuali de «Il Regno di Dio» 1948-1949-1950 (1958)
  • Messaggio a Giobbe (1959)
  • Ristoratori di rovine (1960)
  • Annuali de «Il Regno di Dio» 1951-1952-1953 (1961)
  • Il ritorno del Signore (1965)
  • Annuali de «Il Regno di Dio» 1954-1955-1956 (1965)
  • Annuali de «Il Regno di Dio» 1957-1958-1959 (1968)
  • Le parabole di Gesù (1982)
  • Corrispondenza (2006)
  • Parlare – Tacere (2007)
  • Le beatitudini (2009)
  • Orando (2010)
  • Messaggi (2015)
  • Epistole (2017)
  • Epistole a destinatari sconosciuti (2020)
  • La chiesa, la invisibile (1952)
  • Il redentore (1955)
  • Abrahamo, Giovanni, Tommaso (1966)
  • Apocalisse (2005) em inglês: Tuesday night lesson (Appunti in fascicolo 1944 – 1945 – 1948 – 1949)
  • Meditazioni sulla Genesi (2008) em inglês: Wednesday night lesson (Appunti in fascicolo 1944)
  • Isaia – Il profeta del ristoramento (2011) em inglês:  Tuesday night lesson (Appunti in fascicolo 1944 – 1945 – 1948 – 1949)
  • La Persona di Cristo (2012) – Tratto da: The Person of Crist uscito a puntate su «Il Re ed il Regno».
  • San Paolo negli Atti degli Apostoli (2012) –em inglês:  Tuesday night lesson (Appunti in fascicolo 1944 – 1945 – 1948 – 1949)

SAIBA MAIS

Alves, Leonardo Marcondes.  Petrelli, Giuseppe, in Michael Wilkinson, Connie Au, Jörg Haustein (ed.). Brill’s Encyclopedia of Global Pentecostalism Online, Leiden, Brill, 2020, DOI:10.1163/2589-3807_EGPO_COM_047965.

Londino Bernabei, Caterina. Biografia del Servitore di Dio Giuseppe Petrelli. Torino, Londino Caterina, 2012.

Napolitano, Carmine. Giuseppe Petrelli, Teologo pentecostale delle origini. Napoli: Fondazione Chàrisma Edizioni, 2015.

William H. Durham

William Howard Durham (1873–1912) foi pioneiro da obra pentecostal em Chicago, sendo proponente do entendimento doutrinário da Obra Consumada do Calvário, dentro da Teologia do Evangelho Pleno.

BIOGRAFIA

Durham nasceu em uma área rural do Kentucky. Aos dezoito anos tornou-se membro da Igreja Batista, mas somente experimentou a conversão em 1898, enquanto vivia em Minnesota, sob influência do movimento de Santidade. Tornou-se ministro credenciado da World’s Faith Missionary Association, um organismo de cooperação entre pregadores do movimento de Santidade. Em 1903 assumiu o pastorado da Gospel Mission Church, uma missão (sala de culto em área comercial) de santidade independente na North Avenue, Chicago. Visitou o avivamento da Rua Azusa em 1907, recebendo a infusão do Espírito Santo. A partir disso, sua Missão da North Avenue se tornou um dos centros de difusão do pentecostalismo no Norte dos Estados Unidos e no exterior, principalmente pela adesão de comunidades imigrantes italianas, escandinavas e persas. Enquanto pregava em Los Angeles, Durham desenvolveu uma doença respiratória. retornou a Chicago onde morreu aos trinta e nove anos.

Foi mentor ou influenciou pioneiros como Louis Francescon, Giacomo Lombardi, Pietro Ottolini, John Perrou, Daniel Berg, Gunnar Vingren, F.A. Sandgren, Robert e Aimee Semple McPherson, T.K. Leonard, Andrew Urshan, Howard Goss, E.N. Bell, A.H. Argue, Frank Ewart, Cora Harris Mcilravy e Dorothy Wright.

Durham escreveu vários artigos de cunho teológico, os quais publicava em seu periódico de tiragem ocasional, Pentecostal Testimony. Publicou também pequenos tratados e uma coletânea de mensagens recebidas profeticamente para edificação devocional.

OBRA CONSUMADA DO CALVÁRIO

Junto de Albert Sydney Copley (1860-1945), Durham foi o responsável pela conceptualização teológica do movimento pentecostal com base na teologia de Keswick.

Em sumário, a doutrina da obra consumada do calvário considerava que a fé viva que justifica uma pessoa a leva a Cristo. Na plenitude da obra perfeita de Cristo tudo está completo não apenas no que diz respeito à santificação, mas tudo o que diga respeito à salvação. Os regenerados em Cristo devem permanecer nele, receber e andar no Espírito, apegar-se à fé, crescer na graça e no conhecimento de Deus. Assim, não haveria uma segunda bênção ou experiência distinta e definitiva de santificação.

Este entendimento resultou na ruptura com pentecostais de matriz wesleyana a partir de 1910.

SAIBA MAIS

Blumhofer, Edith Waldvogel. The ‘Overcoming Life’: A Study in the Reformed Evangelical Origins of Pentecostalism. Tese doutoral. Cambridge, Massachusetts: Harvard University, 1977.

Clayton, Allen L. “The Significance of William H. Durham for Pentecostal Historiography.” Pneuma: The Journal of the Society for Pentecostal Studies 1: 27–42, 1979.

Faupel, D. William. The Everlasting Gospel: The Significance of Eschatology in the Development of Pentecostal Thought. Sheffield: Sheffield Academic Press, 1996.

Jacobsen, Douglas. Thinking in the Spirit: Theologies of the Early Pentecostal Movement. Bloomington, IN: Indiana University Press, 2003. 

Richmann, Christopher J.  “William H. Durham and Early Pentecostalism: A Multifaceted Reassessment”. Pneuma: The Journal of the Society for Pentecostal Studies 37, no. 2 (2015): 224-243.


COMO REFERENCIAR

ALVES, Leonardo Marcondes (ed.). William H. Durham. Círculo de Cultura Bíblica, 2021. Disponível em: https://circulodeculturabiblica.org/2021/07/04/william-h-durham/. Acesso em: 04 jul. 2021.