Abimeleque

O nome Abimeleque אֲבִימֶ֖לֶכְ, formado pelos morfemas abi (meu pai) e melech (rei), aparece nas cartas de Amarna para referir-se a um governante de Tiro. Parece ter sido um título de governante de diversos estados do Levante. Vários personagens bíblicos possuem o nome:

1. O rei de Gerar (Gn 20:2) que tomou Sara como esposa, mas depois avisado em sonho, fez um pacto com Abraão em Berseba.

2. O rei de Gerar (Gn 26) que também tomou Rebeca para seu harém, mas ao saber que era casada com Isaque, Abimeleque e isaque ficaram amigos.

3. O filho de Gideão (Jz 8:31) que assassinou os seus setenta irmãos, exceto Jotão, e se proclamou rei de Siquém. No entanto, pouco tempo depois a cidade se revoltou, mas foi destruída. Morreu quando atacou Tebes e uma mulher arremessou uma pedra de moinho à cabeça de Abimeleque (Jz 9:53, 54; 2 Sm 11:21), mas ele ordenou ao seu escudeiro que o matasse.

4. Variante de Elimeleque, o Marido de Noemi e pai de Malom e Quilion, que deixa Belém e morre na terra de Moabe (Rt 1:2-3).

5. No Salmo 34 menciona o rei de Gate, diante do qual Davi fingiu loucura. Em 1 Sm 21:10-15 seu nome é Aquis.

6. Filho de Abiatar, sacerdote no tempo de Davi (1 Cr 18:16). Em 2 Sm 8:17 é chamado Aimeleque e aparece em 1 Sm 22:20 não como filho, mas pai de Abiatar. (cf. Mc 2:26).

Rebeca

Rebeca, em hebraico רִבְקָ֣ה, em grego, Ῥεβέκκα, é uma das matriarcas. Aparece em Gênesis em dois ciclos narrativos (Gn 24–27) . Um é o romance do matrimônio com Isaque. Outro ciclo é sua relação com seus filhos e sua preferência por Jacó.

O significado do nome Rebeca é incerto. Uma sugestão é que seja cognato com o árabe, rabqat, corda de amarrar para animais ou um laço. Figurativamente, indicaria uma beleza cativante.

O primeiro ciclo narrativo começa quando Abraão enviou seu servo Eleazar à Padã-Arã para arranjar o casamento para Isaque. O servo acaba por encontrar-se com Rebeca. É peculiar a linhagem identificada por linha materna. Rebeca diz a Eleazar que é filha de Betuel, filho de Milca e Naor (Gn 24:24) e irmã de Labão, o arameu (Gn 25:20). Rebeca é um raro caso de monogamia nas narrativas patriarcais e aparece em uma relação de jocosa amizade com seu esposo.

No segundo ciclo narrativo, Rebeca é a mãe dos gêmeos Esaú e Jacó. Iniciamente, o casal não teve filhos e é atribuída a esterilidade a Rebeca, mas Deus atende a oração de Isaque para que tenham filhos (Gn 25:21). Rebeca favorece o filho mais jovem. Não só a matriarca dá instruções a seu filho Jacó para enganar Isaque como depois instrui sua fuga e início de vida própria.

À época da partida de Jacó Rebeca e Isaque ficaram em Berseba (Gn 26:23) no Poço Laai-Roi (Gn 25:11), Manre, depois em Quiriate-Arba que é Hebrom (Gn 35:27).

À sua morte, Rebeca foi sepultada em Macpela (Gn 49:31).

Sua única menção fora de Gênesis aparece em Rm 9:10.

BIBLIOGRAFIA

DE ANDRADE, Altamir Celio. “Sobre rostos e distâncias: deslocamentos nas narrativas bíblicas de Sara e Rebeca.” Soletras 38 (2019): 72-88. DOI: https://doi.org/10.12957/soletras.2019.43412

HAVRELOCK, Rachel. “The Myth of Birthing the Hero: Heroic Barrenness in the Hebrew Bible.” Biblical Interpretation 16, no. 2 (2008): 154-78.

PERRY, Menakhem. “Counter-Stories in the Bible: Rebekah and Her Bridegroom, Abraham’s Servant.” Prooftexts 27, no. 2 (2007): 275-323.

QUESADA, Jan Jaynes. “Rebekah: Model Matriarch.” Review and Expositor (Berne) 115, no. 4 (2018): 559-64.

SASSON, Jack M. “The Servant’s Tale: How Rebekah Found a Spouse.” Journal of Near Eastern Studies 65 (2006): 241-265. https://www.jstor.org/stable/10.1086/511101

SCHLÜTER, Margarete. “Bible and Midrash: The Story of “The Wooing of Rebekah” (Gen. 24).” Journal for the Study of Judaism in the Persian, Hellenistic, and Roman Period 38, no. 3 (2007): 431-33.

TSYMBALYUK, Oleg M,; MELNIK, Valery V. “Rediscovering the Ancient Hermeneutic of Rebekah’s Character.” Hervormde Teologiese Studies 76, no. 1 (2020): 1-8.  DOI: https://doi.org/10.4102/hts.v76i1.5526