Diaconia

Diaconia e o ofício de diácono, em grego diakonos, significa servo ou ministro, aplicado às suas atividades respectivas de serviço ou ministério. Aparece nesses sentidos em Mt 23:11; Jo- 12:26; Mc 10:43; 1 Co 3:5; 1 Ts 3:2; Rm 16:1.

Como uma categoria distinta de ministros, os diáconos foram escolhidos pelo povo (At 6:6) com qualificações especiais (1 Tm 3:18-13).

Segundo os registros do Novo Testamento, podemos inferir que os diáconos e diaconisas cuidavam dos locais das reuniões, assistiam os necessitados, batizavam os novos convertidos e distribuíam os elementos na Santa Ceia.

Carolina Dalgas

Carolina Dalgas (1832 -1893) educadora, tradutora e hinista evangélica italiana de origem dinamarquesa.

Nascida em Livorno em uma família reformada franco-dinamarquesa. Seu pai era o cônsul Jean Antoine Dalgas (1788-1835). Com a morte do pai, Carolina foi confiada ao tio paterno por sua mãe, quando o resto de sua família retornou à Dinamarca.

Carolina foi ativa da Igreja Evangélica de Livorno. Foi instrutora e depois coordenadora nas escolas primárias valdenses e na escola dominical. Escreveu para revistas infantis, além de traduzir, compor e compilar hinos da L’Arpa Evangelica (1867).

É autora dos hinos “Senhor, preciso mais da tua luz” e “Eu Sou um cordeirinho” .

Foi diretora do Liceu Feminino de Torre Pellice, do Colégio Feminino Anglo-Romano e do Instituto de Roma.

BIBLIOGRAFIA

Dalgas , Enrico. Familien Dalgas, 1891

Carolina Dalgas. Dizionario Biografico dei Protestanti in Italia. Società di Studi Valdesi.

Dorothea Trudel

Dorothea Trudel (1813- 1862) pietista luterana suíça que iniciou um movimento de cura pela fé em Männedorf, no Lago Zurique.

Tudel masceu em uma família pobre de onze filhos com um pai alcoólatra e uma mãe devota. O único livro que a família possuía era a Bíblia, lida assiduamente pela mãe. Quando pequena, perdeu a visão por uma infecção de varíola, mas a oração da mãe levou-a restabelecer-se.

Começou a trabalhar aos nove anos. Era uma moça normal, participando dos bailes e eventos sociais locais. Aos 22 anos, ao rechaçar um homem que tentou agarrá-la, feriu sua coluna. Jovem e concurda, entrou em depressão. Aos 23 anos passou por uma experiência conversão e frequentavam círculos luteranos pietistas.

Quando sua mãe morreu, um tio cuidou de Dorothea e mais três irmãs. As vidas delas tiveram um progresso. Trudel começou a trabalhar como florista e teve uma renda melhor. O tio deixou a casa para elas como herança.

Um dia em 1840, quatro funcionários da empresa de seu sobrinho estavam doentes sem perspectiva de cura. Dorothea orou de acordo com Tiago 5 e ungiu-os com azeite, impondo as mãos e eles ficaram curados.

As pessoas da região passaram a visitá-la para orações, estudos bíblico e devocionais. A casa de Dorothea não conseguia acomodar os hóspedes. Então, com apoio do pastor reformado local organizaram quatro casas para abrigar os visitantes. Essas casas tornaram-se sanatórios, casas de repousos. Mas diferente dos caros sanatórios suíços, não havia cobrança pela estada, com cada paciente pagando como podia. Uma das pessoas curadas mediante Trudel, Samuel Zeller (1834– 1912) passou a auxiliá-la e depois a sucedeu na administração das casas e nos encontros de oração. Uma dessas casas, Bibelheim, ainda continua ativa.

Trudel foi processada por exercício ilegal da medicina, o que terminou em 1861 com sua absolvição. No ano seguinte morreu de febre tifóide.

A obra de Trudel influenciou o movimento de santidade alemão. Estiveram conexos Otto Stockmayer e os Blumhardt. Quando o médico Charles Cullis foi curado pela fé e publicou os panfletos de Trudel, seu trabalho ganhou notoriedade póstuma.

A teologia e prática de Trudel era simples. A prioridade era a salvação. A cura era uma expectativa de fé, sem obrigação de acontecer um milagre. O que ela enfatizava era que na expiação realizada por Cristo incluía a cura de Deus. Isso causou uma mudança de mentalidade. Ainda que na época avançava a uma confiança mecanicista na medicina, também coincidia com um tratamento cruel de enfermidades mentais. Também prevalecia uma ideia punitiva de que doenças eram frutos de pecados ou demônios. Trudel tratava com humanidade os doentes tanto de físico como mentais.

Trudel foi pioneira em praticar a unção com óleo no protestantismo, era convicta de que Deus cumpriria suas promessas e que as enfermidades não eram um castigo divino.

BIBLIOGRAFIA

Keller, Sam. Dorothea Trudel Van Männedorf of De Kracht Des Geloofs Werkende Door De Liefde. Translated by A.M.C. van Asch van Wijk. Amsterdam: Funke, 1864.

Cullis, Charles. Dorothea Trudel: Or The Prayer Of Faith. 1865.

Dicta probantia

Dicta probantia ou método de leitura de provas é uma prática e técnica de interpretação bíblica que infere doutrinas a partir de versos isolados.

Enquanto a prática de citar isoladamente as Escrituras sempre existiu, como uma técnica interpretativa ganhou corpo durante a Reforma pela popularização das edições impressas com divisão de capítulos e versos da Bíblia.

Cada versículo é lido isoladamente como um artigo em uma legislação ou em um verbete de dicionário para provar um ponto de vista ou atender uma necessidade prévia.

A dicta probantia se tornou popular na escolástica protestante ou confessionalismo a partir do final do século XVI até os meados do século XVIII. O avanço da hermenêutica como disciplina em parte foi em crítica a essa técnica de leitura

BIBLIOGRAFIA

Allen, Michael; Swain, Scott R. “In defense of proof-texting”. Journal of the Evangelical Theological Society (JETS). Vol. 54, n.3 set. 2011.

Marie Dentière

Marie Dentière (n. 1495-d. c. 1561) reformadora, escritora e teóloga francesa.

Nascida na nobreza, na família d’Ennetières, deixou o convento agostiniano em Tournai e se juntou aos reformadores franceses em Estrasburgo em 1521. Casou-se com o huguenote Simon Robert e juntos acompanharam William Farel para o Valais suíço, onde Robert se tornou pastor.

Após tornar-se viúva, casou-se com Antoine Froment (n. 1509–d. 1581) em 1533 e mudou-se para Genebra em 1535. Na cidade, teria escrito um panfleto com a história da reforma genebrina. O casal estava entre os seguidores de João Calvino quando assumiu a liderança da Igreja Reformada no final de 1536.

Escreveu a Epistre tres utile, endereçada a Marguerite de Navarre, apareceu com o nome de um impressor falso em Genebra em 1539. A maioria das cópias foi confiscada e o impressor, Jean Girard, foi preso. Nessa epístola apresenta uma defesa das mulheres, inclusive o direito de as mulheres de interpretar e ensinar as Escrituras. Afirma os ensinamentos de Farel e Calvino sobre a salvação somente pela fé e rejeita a missa católica, o clero e o papado.

Dentière era mencionada casualmente como “a esposa de Froment” (uxor fromentis) na correspondência dos reformadores suíços.

Bel e o Dragão

Bel e o Drão é uma coletânea de passagens em que Daniel denuncia a fraude de dois cultos idólatras.

Esses textos fazem parte das Adições a Daniel, presentes na versão grega de Daniel. É considerado apócrifos no protestantismo, mas estão incluídas no cânone católico romano e ortodoxo grego.

Daniel demonstra ao rei Ciro que a estátua de Bel não pode realmente comer oferendas de comida. Depois, Daniel mata uma serpente (dragão) sagrada. Os adoradores jogam Daniel na cova dos leões, onde ele é milagrosamente alimentado por Habacuque, presumivelmente o mesmo do livro de Habacuque.

Henry Drummond

Nome de dois líderes evangélicos britânicos no século XIX.

  1. Henry Drummond (1786 – 1860), banqueiro inglês, parlamentar e um dos fundadores da Igreja Católica Apostólica (irvingitas).

Drummond estudou, mas sem graduar-se, em Oxford. Entrou para o Parlamento em 1810.

Em 1817 estava em viagem em Genebra e encontrou-se com Robert Haldane. Durante essa estada, contribuiu para o nascimento do réveil – o avivamento continental.

De volta à Inglaterra, Drummod envolveu-se com o movimento irvingita. Emtre 1826 e 1830 recebeu em sua propriedade as Conferências Albury Park sobre profecia bíblica. Cerca de 30 a 40 pessoas vinha a Albury Park para oração, cantar hinos, ler e discutir textos proféticos da Bíblia. Tais conferências ajudaram a propagar o pré-milenismo e o moderno sionismo cristão.

No outono de 1833, Drummond e outros do círculo de Irving fundaram a Igreja Católica Apóstolica. Essa denominação considerava-se a restauração da igreja primitiva, com seus dons e cargos.

Drummond foi apontado apóstolo para a Escócia e Suíça. Construiu um magnífico templo em sua propriedade em Albury Park 1840, onde viveu até sua morte.

2. Henry Drummond (1851 – 1897) evangelista e biólogo escocês.

Nascido em uma família de classe média, estudou na Universidade de Edinburgh. Influenciado por D. L. Moody e Ira Sankey, entrou para o ministério da Igreja Livre da Escócia.

Como palestrante acadêmico e pregador itinerante viajou pelas Ilhas Britânicas, América do Norte e Austrália. Fez trabalho de campo na África Central.

Drummond conciliava o evolucionismo darwinista com as doutrinas evangélicas. Como biólogo, era um proponente do altruísmo (como Kropotkin) como um dos fatores na evolução das espécies.

Seu ministério evangelístico era voltado principalmente para as juventudes.

Louis Dallière

Louis Dallière (1897–1976) foi um ministro reformado pentecostal francês. Foi pioneiro nas relações ecumênicas e na busca do renovo da Igreja universal pela obra do Espírito Santo.

Dallière nasceu em Chicago, filho de um pai católico banqueiro e e de mãe anglicana. Foi batizado enquanto criança na Église Réformée de France (ERF) em Nice em 1901. Ele experimentou a conversão em 1910 e passou por uma segunda conversão em 1915, acompanhada por um chamado ao ministério. Estudou na Faculté de théologie protestant em Paris em 1915-1921. Em 1921 casou-se com Caroline Boegner, filha de Alfred Boegner, líder da Sociedade Missionária Evangélica de Paris (SMEP).

Depois de estudar teologia e filosofia em Paris e Harvard, pastoreu uma igreja reformada em Charmes, na região de Ardèche, de 1925 a 1962. Em 1932-1933, lecionou na Faculdade de Teologia de Montpellier.

No verão de 1932 foi para a Inglaterra para investigar o movimento pentecostal. Após sua adesão, passou a promover um movimento de reavivamento pentecostal entre os reformados..Ele foi bem recebido pela Igreja Livre, mas não pelos liberais nem no Movimento dos Irmãos.

Em 1930 Dallière tornou-se líder do Movimento Pentecostal em Charmes. Fez parte de uma rede da Resistência durante a Segunda Guerra Mundial, e foi reconhecido pelo Yad Vashem como “justo entre as nações” em 1990. Em 1946 ele prestou homenagem a Wilfrid Monod, que fundou os Veilleurs (A Ordem dos Vigilantes), e criou a Union de prière de Charmes (Comunidade de Oração dos Charmes). Louis Dallière fundou o “Cours Isaac Homel” (Isaac Homel College), um estabelecimento de ensino secundário que funcionou até 1975.

BIBLIOGRAFIA
https://museeprotestant.org/en/notice/le-pasteur-louis-dalliere-1897-1976-reforme-pentecotiste/

Bost,Jacques. “Le mouvement de Pentecôte en Ardèche”,In La vie des Eglises protestantes dans la vallée de la Drôme, Paris, 1977, p. 241-242

Bundy, David. “L’émergence d’un théologien pentecôtisant: les écrits de Louis Dallière de 1922 à 1932”, Hokhma, Croire Publications, Paris, 1988, Numéro 38, p. 23-51.

Bundy, David.“Dallière, Louis”, in: Brill’s Encyclopedia of Global Pentecostalism Online, Edited by: Michael Wilkinson, Connie Au, Jörg Haustein, Todd M. Johnson. http://dx.doi.org/10.1163/2589-3807_EGPO_COM_038226

Fath, Sébastien.”Baptistes et Pentecôtistes en France, une histoire parallèle ? Le baptisme, une culture d’accueil du pentecôtisme (1820-1950)”, Bulletin de la SHPF, Société de l’histoire du protestantisme français, Paris, juillet-auût -Setembro de 2000, Tomo 146, p. 523-567

Lovsky, Fadiey. “La pensée théologique de Louis Dallière”, Etudes Théologiques et Religieuses, Institut de théologie protestante de Montpellier, 1978/2, p. 171-190

Plet, Philippe.”Dallière Louis”, Encyclopédie du Protestantisme, PUF, Paris, 2006, p. 299.

Serr, Jacques; Lovsky, Fadiey, “Le pasteur Louis Dallière”, Union de prière, 2013 .

Dorothy Wright

Dorothy Gregg Wright (1897-1986), uma pioneira pentecostal em Chicago e educadora cristã.

Dorothy Wright foi auxiliar do ministério de Cora Harris Mcilravy em Chicago. Nessa função, foi diretora da Elbethel Christian Work e co-pastora do Elbethel Christian Center.

Em 1934 Dorothy Wright foi convidada pela Congregazione Cristiana para ministrar a escola dominical para as novas gerações de língua inglesa.

BIBLIOGRAFIA

https://www.chicagotribune.com/news/ct-xpm-1986-07-30-8602240787-story.html

REV. DOROTHY GREGG WRIGHT Chicago Tribune • Jul 30, 1986 at 12:00 am https://www.familysearch.org/ark:/61903/1:1:QV57-7W7B?cid=fs_copy

“Wright, Dorothy Gregg 1970, 1977 – Elbethel”. Folder 75. David DuPlessis Collection. David Allan Hubbard Library. Fuller Theological Seminary.

Dorothy Ripley

Dorothy Ripley (1767–1832) foi uma evangelista britânica, que viajou nove vezes como missionária aos Estados Unidos, a primeira em 1801 e a última quando morreu em 1831 na Virgínia.

Ripley era quaker, mas era filha de um pregador leigo metodista. Nascida em Whitby, Inglaterra, cresceu entre os metodistas. Em 1797 sentiu compelida pelo Espírito Santo a pregar o evangelho aos povos escravizados no sul dos Estados Unidos. Compromissada em seu ministério, decidiu nunca se casar.

Ela viajou extensivamente nos Estados Unidos e na Grã-Bretanha como evangelista no circuito de reuniões campais e nas igrejas que lhe franqueavam os púlpitos. Embora seu ministério não fosse ligado a denominação alguma, o movimento que ela influenciou no Reino Unido resultou no Metodismo Primitivo, valorizando a participação da irmandade leiga nos cultos e na administração das igrejas.

Seu ministério foi voltado para os muitos desprivilegiados. Pregou aos indígenas Oneida, a homens e mulheres nas prisões, nas igrejas afroamericanas e às populações escravizadas no sul dos Estados Unidos.

Vivendo de fé e doação voluntária, muitas vezes foi acusada de ser uma mulher lasciva e até de se prostituir. No entanto, conseguiu publicar seis livros, cuja renda permitiu seu ministério e atendimento aos necessitados. Os títulos são Extraordinary Conversion and Religious Experience of Dorothy Ripley (1810); The Bank of Faith and Works United (1819); An Account of Rose Butler (1819); Letters Addressed to Dorothy RIpley (1807),  An Address to All Difficulties.

Ripley ganhou uma audiência com o presidente Thomas Jefferson para pedir sua permissão para ministrar aos escravos, pregar aos senhores de escravos e fundar uma escola para educar os libertos. Durante a reunião, ela repreendeu Jefferson por manter gente em cativeiro. Mais tarde, em março de 1806, Ripley foi convidada a pregar em um culto na igreja no edifício do Capitólio. Seria a primeira mulher a fazê-lo. Apesar da audiência lotada, Ripley concluiu que poucos ali haviam nascido de novo e fez uma exortação insistente que “o corpo de Cristo era o pão da vida e Seu sangue a bebida dos justos”.

BIBLIOGRAFIA

Everson, Elisa Ann, “A Little Labour of Love”: The Extraordinary Career of Dorothy Ripley, FemaleEvangelist in Early America. Dissertation, Georgia State University, 2007.
https://scholarworks.gsu.edu/english_diss/17