Mishná

Mishná, derivado de shanah “repetir”. Registro do que seria no judaísmo rabínico a tradição oral ou Torá oral. Foi compilado por volta de 200 d.C. por Judá haNasi.

O conteúdo é uma expansão e explicação meticulosa de preceitos normativos, orientados por um estado ideal onde seriam aplicáveis as leis de pureza.

Em sua forma abrange as três tradições rabínicas de midrash (comentário expansivo de passagens bíblicas), halacá (normas em tipo texual argumentativo-dissertativo) e hagadá (normas em tipo textual narrativo). Junto dos comentários da Gemará constitui o Talmude.

O hebraico mishnaico difere do hebraico bíblico, incorporando uma sintaxe similar à indoeuropeia. Como um registro de longas tradições orais, a historicidade de seu conteúdo deve ser considerado criticamente como outras fontes. Contextualmente, o Mishná insere-se nos debates e visão de mundo do platonismo médio e da segunda sofística.

Apesar de traçar a origem da tradição oral no Sinai, raramente a Mishná reividica origem na revelação no Sinai. Antes, registra debates que interpretam essa revelação.

Em algumas raras instâncias de uso canônicos entre cristãos, a lista de Ebed-Jesu, um erudito siríaco medieval, insere a “Tradição dos Anciãos”, talvez o Mishná ou parte dele (Pirkei Avot) como escrituras.

BIBLIOGRAFIA

Neusner, Jacob. “The Mishna in philosophical context and out of canonical bounds.” Journal of Biblical Literature 112, no. 2 (1993): 291-304.

Neusner, Jacob. The Mishnah: social perspectives. Vol. 47. Brill, 2002.

Rosen-Zvi, Ishay. “Rabbis and Romanization: A Review Essay.” Jewish Cultural Encounters in the Ancient Mediterranean and Near Eastern World (2017): 218-245.

Schwartz, Seth. The Mishnah and the limits of Roman power In: Reconsidering Roman power: Roman, Greek, Jewish and Christian perceptions and reactions [online]. Roma: Publications de l’École française de Rome, 2020 (generated 04 octobre 2021). Available on the Internet: <http://books.openedition.org/efr/5181&gt;. ISBN: 9782728314119. DOI: https://doi.org/10.4000/books.efr.5181.

Manuscritos do Mar Morto

Manuscritos do Mar Morto é uma coleção de textos religiosos escritos entre o século II a.C. e o I d.C., em uma comunidade sectária contemporânea ao Novo Testamento. Antes da descoberta desses manuscritos, as mais antigas cópias da Bíblia Hebraica eram textos massoréticos dos séculos IX e X d.C.

Os membros eram provavelmente ex-sacerdotes que rejeitaram o Templo e Jerusalém como impuros e fugiram para o deserto após perderem seus cargos depois da vitória dos macabeus sobre Antíoco IV.

Os textos incluem tanto a própria literatura da comunidade e textos bíblicos e não bíblicos. Os Manuscritos do Mar Morto faz parte de um corpus mais amplo, os Manuscritos do Deserto da Judeia. A região árida e remota ajudou a preservar muitos materiais escritos em suportes flexíveis (papiro e pergaminho).

Qumran era um assentamento na costa noroeste do Mar Morto. Foi ocupado de aproximadamente 100 a.C. a 68 d.C., quando foi destruída pelo exército romano.

O consenso inicial era que seria a ascética seite essênia. Vários textos referem à comunidade como o verdadeiro Israel, os “Filhos da Luz”, os herdeiros diretos do povo eleito de Deus. Contudo, nenhum texto encontrado identifica a comunidade como essênia.

Mito

O termo mito, em grego mythos, refere-se ao modo narrativo de comunicação. Mito constrata com Logos, o modo racional-argumentativo de comunicação. Também é importante diferenciar mito de mitologia e de lenda. Mitologia combina logos e mythos para explicar algo, sobretudo etiologias. Lendas são formas narrativas de personagens supostamente históricos, enquanto a mitologia envolve personagens sobrenaturais ou meramente imaginários.

Há outra conotação no Novo Testamento, utilizando o termo “mythos” para estórias falsas, especulativas, fabulosas e tolas a serem rejeitadas como enganosas e perigosas. (1Tm 1: 4; 1Tm 4: 7; 2Tm 4: 4; Tito 1:14;2 Pe 1:16). Não há certeza se essas passagens compreendem tradições narrativas (agadá) ou especulações doutrinárias.

Macabeus

Macabeu, “martelo”, era o apelido dado à família dos Hasmoneus. A designação serve ao conjunto de livros com esse título e à família de líderes desse período (167-64 a.C.).

Durante o período helenista (332-64 a.C.), a Judeia esteve alternada vezes sob o controle dos selêucidas da Síria e ptolomeus do Egito — estados sucessores de Alexandre, o Grande. No final do século II, o rei selêucida Antíoco IV Epifânio, impôs uma política de culto oficial contrária ao monoteísmo israelita, como parte de uma política de homogeneização sociocultural chamada de “helenismo”.

A família dos Macabeus liderou a resistência militar, política e religiosa na Judeia. A revolta teve início quando de oficiais vieram cumprir os decretos de Antíoco na aldeia de Modein. Lá, um sacerdote idoso chamado Matatias vivia com seus cinco filhos: João “Gadi”, Simão “Thassi”, Judas “Macabeu”, Eleazar “Avaran” e Jônatas “Afo”. Matatias reagiu espotaneamente, dando início de uma revolta que se tornaria uma guerra. Eventualmente, a independência foi conquistada. A Judeia foi governada pela dinastia Hasmoneana, descendentes de Simão, o único filho de Matatias a sobreviver à guerra.

LIVROS DOS MACABEUS

Os livros dos Macabeus são importantes para a reconstrução histórica e da mentalidade desse período. Não integram o cânone judeu ou protestante, mas alguns deles são aceitos como deuterocanônicos em diversas denominações católica e ortodoxas orientais. Registram o início da Festa das Luzes (1 Macabeus 4:36–4:59; 2 Macabeus 1:18–1:36) ou da Dedicação (Jo 10:22-25), quando o Templo foi reconsagrado depois de ter sido profanado e feito “abominação da desolação”.

1 Macabeus: relata a revolta dos macabeus desde a ascensão de Antíoco IV Epifânio ao trono selêucida (Síria) em 175 aC até a morte de Simão, um dos líderes da resistência judaica e, em seguida, sumo sacerdote e etnarca, em 132 a.C.

2 Macabeus: outra versão da revolta dos Macabeus, escrita de uma perspectiva da profanação ao Templo e seu culto, culpando os judeus que abraçaram o helenismo como responsáveis.

3 Macabeus: apesar do nome, narra a perseguição aos judeus na época anterior aos macabeus quando o faraó  Ptolomeu IV Filopator (221–203 a.C.) de perseguir os judeus em todo o território sob controle do Egito.

4 Macabeus: registra uma oração memorial dos mártires mencionados em 2 Macabeus 6-7. Defende as motivações religiosas e as quatro virtudes cardeais – prudência, temperança, coragem e justiça – sobre as emoções. A família de Eleazar e os sete irmãos com sua mãe são primeiros exemplos.

Mesopotâmia

A Mesopotâmia é a terra dividida pelos rios Tigre e Eufrates. Localiza-se nas nações atuais do Iraque, Síria, Turquia, Kwaite e Irã.

Na Bíblia aparece em hebraico אֲרַ֥ם נַֽהֲרַ֖יִם, como Aram Naaraim (lugar alto entre dois rios) ou em grego Μεσοποταμία (terra entre rios) em Gn 24:10; Dt 23:4; Jz 3: 8; 1 Cr 19: 6; na sobrescrição do Sl 60; Jz 3:10 (subentendido); At 2:9; 7:2.

HISTÓRIA

A civilização mesopotâmica surgiu ao longo das margens dos rios Tigre e Eufrates, em uma área plana, cujas inundações depositavam sedimentos ricos em nutrientes, continha terras pantanosas e repletas de peixes e aves. Nessa região rica, a concentração de pessoas leva à fundação de primeiras cidades nas quais viviam pessoas com atividades não diretamente relacionadas com a produção de alimentos.

Por volta de 3200 a.C. o povo sumério desenvolveu uma sociedade urbana, abastecida por agricultura de cereais e suprida pelo comércio. Entre eles emergiu a escrita cuneiforme para fins contábeis, surgindo primeiros textos como os quirógrafos (recibos) escritos em tabuletas de argila.

Nessas cidades, desenvolveram tijolos queimados ao fogo entre 3500–3100 a.C., época em que começaram usar o betume como liga. Por volta do ano 3000 a.C. passaram a utilizar a roda com eixo para transportes. A tecnologia de alvenaria permitiu que a cultura mesopotâmica fizesse construção monumentais, mas a lenha para queima dos tijolos permanecia escassa, sendo mais comuns os tijolos secos ao sol.

Os mesopotâmicos construíram seus edifícios sobre os restos de outras construções. Analogamente, sobre o mesmo território uma sucessão de povos foram hegemônicos: sumérios, acadianos, guti, renascimento sumério (Uruk III), assírios, Mari, amoritas, hurritas, hititas, elamitas, caldeus ou neobabilônicos, persas, gregos, romanos, partas e árabes.

Mizpá

Mizpá, em hebraico “torre de vigia”, refere-se à:

(1) terra de Mizpá (Js 11:3; Js 11:8); norte da Palestina, perto do Monte Hermon. Depois que Jabim, rei de Hazor, foi derrotado por Josué, fugiu para o leste, para o vale de Mizpá, antes morada dos heveus;

(2) Mizpá de Gileade, o nome dado ao local da aliança entre Labão e Jacó quando Jacó retornou à Canaã (Gn 31:49). Alí, os israelitas fizeram um pacto com Jefté (Jz 11:11);

(3) Mizpá de Judá, uma das cidades da Sefelá (Js 15:38).

(4) Mizpá de Moabe, um local desconhecido onde Davi colocou seus pais sob a proteção do rei de Moabe quando Saul o perseguia (1Sm 22:3).

(5) Mizpá de Benjamim, cidade na fronteira de Judá com Israel e ponto de reunião das tribos israelitas para lutar contra os benjamitas de Gibeá (Jz 20: 1-48). Local parte do circuito anual de Samuel quando julgava sobre Israel (1Sm 7:16-17). O rei Asa fez de Mizpá uma cidade fortificada depois da luta violenta entre Israel e Judá (1Re 15: 17-22). Após a queda de Jerusalém (587 a.C.), Mizpá tornou-se a capital da província babilônica sobre o antigo território de Judá. Gedalias foi nomeado governador da província, mas foi assassinado em Mizpá por Ismael.

Megido

Cidade e vale em uma região montanhosa perto da costa mediterrânea na Palestina. Encontrava-se na interseção de importantes rotas comerciais entre a Síria e o Egito.

Devido à sua localização estratégica, foi palco de muitas batalhas. Numa delas, Josias morto em conflito com o Faraó Neco (2 Re 23). A grande batalha escatológica em Apocalipse 16:16, chamada de “Armagedom” (do hebraico “Har Megiddo” ou Monte Megido).

Constitui um importante sítio arqueológico por sua sucessiva ocupação.

Mariamne II

Mariamne II (43 a.C.- 4 a.C.) a terceira esposa de Herodes, o Grande.

Filha de Simão Boeto, um sacerdote de baixo escalão de Alexandria. Morava em Jerusalém e sua fama de a “mulher mais bonita da época” atraiu Herodes. O rei destituiu o sumo-sacerdote Josué filho de Fabete e deu o cargo a Simão Boeto, aumentando seu status para facilitar o casamento.

O casal teve um filho, chamado Herodes II ou Herodes Boeto, que se casou com sua sobrinha, Herodias, e foram pais de Salomé.

Mariamne II foi implicada na conspiração de Herodes Antipater contra seu marido (Herodes) em 4 a.C. Como resultado, Herodes divorciou-se dela e removeu seu pai Simão Boeto do cargo de sumo sacerdote.

Mari

Sítio arqueológico na Mesopotâmia (Tel-el-Harari), no oeste da atual Síria. Localizada próximo ao Eufrates (c. 25 km), a cidade de Mari floresceu como centro comercial e político entre 2900 aC e 1750 aC. As escavações começaram em 1925 e em 1933 foi anunciado a descoberta de cerca 25.000 tabuletas na biblioteca queimada de Zimri-Lim escrita em acadiano de um período de 50 anos entre cerca de 1800 – 1750 a.C.

Mari constitui um relevante testemunho histórico para a Idade do Bronze Médio. Apesar de não haver muitos paralelos diretos com a literatura bíblica, Mari informa muito sobre costumes, nomes e temas encontrados na Bíblia. Há estelas sagradas, revelações proféticas registrados por escrito, a ascensão do jovem herói à realeza, nomes como Naor, Harã, Hazor, Laís, os pastoralistas seminômades amoritas, dentre outros.

As profecias escritas em Mari constituem um gênero literário importante para compreender seu análogo bíblico. Junto de outras profecias assírias datadas dos reinados de Essaradom (680-669 a.C.) e Assurbanipal (668-627 a.C.), as profecias de Mari formam um corpus de 130 textos cuneiformes desse gênero, estranhamente restritos a essas duas instâncias. Obviamente, esses documentos separados dos escritos bíblicos por mais de um milênio não influenciaram diretamente a composição das Escrituras Hebraicas, mas providenciam dados valiosos sobre os contextos histórico, social e literário,

BIBLIOGRAFIA

Malamat, Abraham. Mari and the Bible. Leiden: Brill, 1998.