Nínive

Nínive, em hebraico נִינְוֵה. A cidade capital assíria durante o Império Neo-Assírio, a partir de Senaqueribe (ca. 703 a.C.). A cidade seria uma das maiores da Antiguidade até ser destruida pela coalizão de babilônios e medos em 612. a.C., desde então continuaria habitada, mas já sem a glória ou poder anteriores.

Localizada na margem leste do rio Tigre, hoje é um sítio arqueológico importante próximo a Mossul, no Curdistão iraquiano.

Quase sempre Nínive aparece na Bíblia em tons negativos, associada à opressão e violência assíria. A cidade é denunciada por sua maldade e anunciada sua destruição iminente (Jn 1:2; Na 2:8; 3:7; Sf 2:13).

As referências do Novo Testamento a Nínive em Mt 12:41 e Lc 11:30 aludem ao livro de Jonas.

O palácio, as artes, os monumentos e a biblioteca de Nínive constituem importantes fontes históricos e literários para os estudos bíblicos.

BIBLIOGRAFIA

Dalley, Stephanie. “Nineveh after 612 BC.” Altorientalische Forschungen 20.1 (1993): 134-147. https://doi.org/10.1524/aofo.1993.20.1.134

Dick, Michael. “Tales of Two Cities (in the Second-Century Bce): Jerusalem and Nineveh.” Journal for the Study of the Pseudepigrapha 26, no. 1 (2016): 32–48. https://doi.org/10.1177/0951820716670776.

Halton, Charles. “How Big Was Nineveh? Literal Versus Figurative Interpretation of City Size.” Bulletin for Biblical Research 18 (2008): 193–207.

Larsen, Timothy. “Austen Henry Layard’s Nineveh: The Bible and Archaeology in Victorian Britain.” Journal of Religious History 33 (2009): 66–81.

Nicola Baldacci

Nicola Baldacci (1910-2000?) escritor, pacifista e teólogo leigo italiano.

Nascido em Pescara, Nicola Baldacci era um autodidata. Curioso, correspondia com diferentes grupos religiosos, disposto a aprender suas doutrinas. Durante toda sua vida trabalhou como barbeiro.

Aos vinte anos escutou o evangelho por meio de seu irmão Raffaele recém-convertido. Em 1930 converteu-se e foi batizado pelo ancião da Congregazione Cristiana Pentecostale em Pescara.

Casou-se com Rosa di Tinco, crente e membro da Igreja de Ginosa.

Sendo pacifista e por objeção de consciência, recusou-se a servir as Forças Armadas italianas na Segunda Guerra Mundial. Consequente, em 1941 foi condenado a dois anos de prisão. Durante esse período, aprofundou-se na leitura bíblica.

Depois da Segunda Guerra Mundial, com a crescente organização da Obra Pentecostal na Itália, Baldacci começou a corresponder com Louis Francescon e aderir à ala não afiliada às Assemblee di Dio in Italia (ADI).

Nos anos 1950, Nicola Baldacci começou a escrever e publicar por conta própria livros e panfletos. Tratava de questões doutrinárias, eclesiológicas, testemunhos e literatura devocional.

As redes de contato e comunhão de Baldacci incluia a Christian Congregation de Chicago, as Congregazioni Cristiane Pentecostali na Itália e a Congregação Cristã no Brasil. Eventualmente, o grupo em Pescara em que ele congregava seria um dos núcleos iniciais da Congregazione Cristiana in Italia.

Em 1969, Baldacci ganhou um prêmio do governo israelense. Foi convidado a conhecer o Estado de Israel, onde voltaria mais uma vez.

BIBLIOGRAFIA

Baldacci, Niccola. Di Verso in Verso Alla Ricerca Della Luce per l’edificazione Del Corpo Di Cristo. Pescara: Giuseppe Fabiani, 1963.

Baldacci, Niccola. Storia Della Mia Prigionia e Del Mio Esilio : Con Altre Poesie Di Vari Soggetti: Tribolazione Di Un Fratello in Cristo. Pescara: Tipolino la Stampa, 1983.

Baldacci, Nicola. L’essenza Della Vita Cristiana. 2nd ed. Pescara: Tipolito Fabiani, 1977.

Baldacci, Niccola. Promemoria Dei Re Del Popolo Ebreo : (Ad Edificazione Dei Cari Lettori). Pescara, 1998.

Baldacci, Nicola, and Rosa Di Tinco. Cari Lettori : Chi Di Voi Unitamente a Noi, Desidera Ritornare All’osservanza Dei Sani Insegnamenti Delle Sante Scritture? Pescara: Tip. Caribaldi e Surricchio, 1956.

Profecia de Nefer-rohu

Uma profecia do Novo Reino do Egito atribuída a Nefer-rohu, também chamado Neferti. É interessante por seu paraleo bíblico, mencionando o escurecimento do sol.

As Profecias de Neferti se passam em uma corte fictícia do Rei Snefru (c. 2575–2551 aC), que governou o Egito durante a Quarta Dinastia. A profecia de Nefer-rohu relata como o faraó Snefru foi alertado por um profeta que previu que o caos logo tomaria conta do Egito, mas que a ordem seria restabelecida quando Ameni da Núbia (uma referência a Amen-em-hep I, o primeiro rei da 12ª Dinastia) torna-se rei. Certamente, foi uma propaganda política para apoiar o governo de Amen-em-hep I.

“Um pouco mais tardia é a profecia de Nefer-rohu, que é extremamente interessante como o exemplo certo mais antigo de um vaticinium ex eventu” (Albright, 1940).

BIBLIOGRAFIA

Pritchard, ANET, 445.

Numênio

Numênio foi um filósofo grego nativo de Apamea, na Síria, e possivelmente lecionou em Roma durante a última metade do século II d.C. Talvez seja o único filósofo grego que tenha estudado explicitamente Moisés, os profetas e a vida de Jesus.

Familiarizado com as ideias dos gregos, egípcios, brâmanes e magos; Numênio tratou as Escrituras hebraicas e os ensinos cristãos com respeito. Ele se refere a Moisés simplesmente como “o profeta”, tal como Homero é “o poeta”. Descreve Platão como um Moisés grego.

Apesar do caráter eclético de Numênio, seus escritos o situam no médio-platonismo e no neo-pitagorismo. Seu impacto na filosofia foi considerável no platonismo posterior, mais notavelmente em Plotino (III d.C.) e Porfírio (III e IV d. C.). Sua obra só resta em fragmentos citados por outros filósofos e autores patrísticos.

A familiariedade de Numênio com as escrituras hebraicas e cristãs atesta a circulação e disponibilidade delas já nos meados do século II d.C. fora do âmbito cristão e judeu.

Tabuletas de Nuzi

Coleção com mais de 6.000 tabuletas descobertas no local da antiga cidade de Nuzi, um centro administrativo hurrita que floresceu por cerca de 150 anos durante a Idade do Bronze Tardia.

Nuzi, escavada entre 1925 e 1933, localiza-se na moderna Yorghan Tepe, a 13 km a sudoeste de Kirkuk, no norte do Iraque.

Os arquivos de Nuzi incluem contratos, registros de venda, testamentos, vendas de escravos, listas de racionamento, memorandos, atas de julgamento e textos escolares.

Quando os primeiros textos de Nuzi foram publicados, houve uma empolgação de que eles continham informações sobre o período dos patriarcas. Ephraim Avigdor Speiser disseminou leituras das tabuletas de Nuzi que supostamente afirmaria costumes da Idade do Bronze referente a casamento, dentre eles contratos de adoção de esposa como irmã e de uso de um serva como mãe sub-rogada. Nos anos 1970 a revisão desses materiais revelou que Speiser interpretou-os erroneamente. Desse modo, constatou-se que muitos dos costumes eram comuns às outras épocas ou que os supostos paralelismos seriam interpretações equivocadas dada a incompetência técnica dos primeiros estudiosos a publicar as tabuletas. Contudo, Nuzi permanece um recurso histórico, linguístico e arqueológico importante para o período.

BIBLIOGRAFIA

Taggar-Cohen, Ada. “Law and Family in the Book of Numbers: The Levites and the Tidennutu documents from Nuzi.” Vetus Testamentum 48 (1998): 74–94.

Naram-Sin

Naram-Sin (c2254–2218 a.C.), rei de Acade. Autoproclamado deus de Acade e rei dos quatro cantos do mundo era neto de Sargão, o Grande (reinado de 2334 a 2279 aC). Vários artefatos arqueológicos e obras literárias registram sua belicosidade e atitude desafiadora ante os deuses, o que levaram a muitos verem paralelos com Ninrode (Gn 10:8-9) e com Jó.

A Estela da Vitória de Naram-Sin (c2254–2218), esculpida em um bloco de quase 2 m de calcário rosa, retrata o rei Naram-Sin liderando o exército acadiano na vitória sobre Lullubi, um povo das Montanhas Zagros.

A inscrição de Naram-Sin ou Estátua de Bassetki aparece no pedestal de uma estátua de cobre, representando uma figura masculina agachada de um monstro lahmu sem a parte superior do corpo. A estátua foi encontrada em 1975 perto de Bāṣetkī, atual Iraque. Depois que Naram-Sin repeliu uma grande revolta contra seu governo, os habitantes da cidade de Acade pediram aos deuses que fizessem de Naram-Sin o deus de sua cidade, e que construíssem um templo para ele no meio da cidade.

A Madição de Acade conta a história da destruição dessa cidade pelos deuses devido à impiedade de Naram-Sin. Discorre sobre problema do sofrimento sem sentido. O rei Naram-Sin tenta de arrancar dos deuses uma razão para sua miséria.

Este poema épico datado da Terceira Dinastia Ur (2047-1750) prertence ao gênero “literatura naru”, no qual a uma pessoa famosa (geralmente um rei) é o protagonista para representar a humanidade diante dos deuses.

Depois de os deuses boicotarem sem motivos suas bênçãos a Acade, Naram-Sin não consegue descubrir qual transgressão incorreu no desagrado divino. Depois de buscar em vão por sinais e presságios, fica em uma depressão por sete anos enquanto espera por uma resposta. Finalmente, cansado de esperar e enfurecido por não ter resposta, Naram-Sin marcha com seu exército contra o templo de Enlil em Ekur, na cidade de Nipur, o qual ele destrói. Em represália, Enlil envia os guti, um povo bárbaro, para pilhar Acade em punição.

PARALELOS BÍBLICOS

Dentre os paralelos temáticos com a literatura bíblica o corpus de Naram-Sin apresenta um rei que arrogantemente se considera divino, a discussão com seres divinos pela razão do sofrimento sem causa, um povo enviado para punição nacional.


BIBLIOGRAFIA

Abdul-Hadi Al-Fouadi, “Bassetki Statue with an Old Akkadian Inscription of Naram-Sin of Agade (B.C. 2291-2255). Sumer 32 (1976). Pl. ?. DS 67 S76 v. 32, 1976.

Black, J. The Literature of Ancient Sumer. Oxford University Press, 2006.

Nag Hammadi

A Biblioteca de Nag Hammadi é uma coleção de treze códices antigos com mais de cinquenta textos. Foi descoberta acidentalmente por camponeses no Alto Egito em 1945.

Esta descoberta inclui um grande número de “evangelhos gnósticos”. Esses textos traduzidos do grego para o copta, contém cópias ou versões variantes de outros textos da coleção, de modo que existem apenas quarenta e cinco obras distintas, trinta e seis das quais eram previamente desconhecidas.

Os títulos incluem Atos de Pedro e os Doze Apóstolos; Allogenes; Apocalipse de Adão; Apocalipse de James, primeiro; Apocalipse de James, segundo; Apocalipse de Paulo; Apocalipse de Pedro; Apócrifo de Tiago; Apócrifo de João; Asclépio 21–29; Authentikos Logos; Livro de Thomas, o Contender; Conceito de Nosso Grande Poder; Diálogo do Salvador; Discurso no Oitavo e Nono; Eugnostos, o Abençoado e Sofia de Jesus Cristo; Exegese da Alma; Evangelho de Filipe; Evangelho dos egípcios; Evangelho de Tomé; Evangelho da verdade; Hipóstase dos Arcontes; Hypsiphrone; Interpretação do Conhecimento; Epístola de Filipe; Melquizedeque; Sobre a origem do mundo; Paráfrase de Sem; República de Platão; Oração de Ação de Graças; Oração do Apóstolo Paulo; Segundo Tratado do Grande Sete; Frases de Sexto; Ensinamentos de Silvânio; Três Estelas de Sete; Trovão; Mente perfeita; Tratado sobre a Ressurreição; Protenoia Trimórfica; Tratado Tripartido; Exposição Valentiniana; Zostriano.

Nebo-Sarsequim

Nebo-Sarsequim (Jr 39:3) era um oficial da corte de Nabucodonosor II, rei da Babilônia que teria visitado Jerusalém durante a conquista babilônica.

A Tabuleta de Nebo-Sarsequim (595 a.C.), quirógrafo de controle contábil, parece referir-se a ele:

1,5 minasde ouro, propriedade de Nabu-sharrussu-ukin [Nebo-Sarsequim] , o eunuco-chefe, que ele enviou via Arad-Banitu o eunuco para [o templo de] Esangila: Arad-Banitu entregou para Esangila. Na presença de Bel-usat, filho de Alpaya, o guarda-costas real, [e de] Nadin, filho de Marduk-zer-ibni. Mês 11, dia 18, ano 10 [de] Nabucodonosor, rei da Babilônia.

Algumas traduções dividem os nomes de Jr 39:3 de forma diferente:


E entraram todos os príncipes do rei da Babilônia, e pararam na Porta do Meio, os quais eram Nergal-Sarezer, Sangar-Nebo, Sarsequim, Rabe-Saris, Nergal-Sarezer, Rabe-Mague, e todos os outros príncipes do rei da Babilônia.

João Ferreira de Almeida, Revista e Corrigida.

Atualmente, depois dos argumentos convincentes de Bright (1965), esse versículo é traduzido como:

Todos os oficiais do exército babilônio entraram e se sentaram junto ao portão do Meio: Nergal-Sarezer, de Sangar, Nebo-Sarsequim, um dos chefes dos oficiais, Nergal-Sarezer, conselheiro real, e todos os outros oficiais do rei da Babilônia.

Nova Versão Transformadora

BIBLIOGRAFIA

Bright, John. Jeremiah: Introduction, Translation, and Notes. The Anchor Bible, 1965.

Belsazar

Filho e co-regente de Nabonido (556-539 a.C.), o governante caldeu na época da captura da Babilônia por Dario, o medo, em 539 a.C. (Dn 5:30; 7: 1).

Apesar de Nabucodonosor ser citado como o pai de Belsazar em Dn 5:11, 18, tal indicação aparenta ser a invocação do ancestral de maior prestígio, como ocorria na fórmula Bīt-PN, como, por exemplo, “Filho ou Casa de Davi”.

Michele Nardi

Michele Nardi (1850-1914) evangelista cuja obra missionária e social atendeu imigrantes italianos nos Estados Unidos e várias cidades na Itália no final do século XIX e início do XX.

Nascido em uma família de classe média de Savignano Sul Rubicone, província de Foli na Itália central, Nardi se engajou nas grandes causas de sua época, primeiro pela unidade Itália, depois pelo Evangelho. Ele lutou ao lado de Garibaldi na batalha de Mentana antes de ir para Florença para aprender sobre o comércio de antiguidades.

Depois de fazer amizade com expatriados americanos e britânicos, Nardi aprendeu a falar inglês fluentemente e ficou interessado em se mudar para os Estados Unidos.

Uma vez nos Estados unidos, Nardi começou um empreendimento como empreiteiro de ferrovias e, mais tarde, se tornou um investidor em ações. Ao conhecer um cristão americano durante uma viagem à Europa, Nardi teve seu primeiro contato com a Bíblia. Em uma viagem de negócios à Filadélfia, esse amigo americano deu mais uma vez o testemunho de Cristo. Então Nardi foi ao seu quarto de hotel e leu João 1:12. Nardi aceitou imediatamente a Cristo como seu salvador. Então ele ouviu o chamado de Deus para deixar tudo e segui-lo.

Tão profunda foi a transformação que Deus operou em seu coração, que ele vendeu seu negócio e decidiu consagrar sua vida para pregar a Cristo.

Nardi mudou-se para Nova York, onde frequentou a Missionary School, uma iniciativa de formação ministerial de A.B. Simpson e da Christian & Missionary Alliance. Naquela escola, Nardi conheceu e se casou com Blanche Phillips, uma jovem evangelista.

Adeptos da teologia da Santidade, mas sem subscrever nenhuma estrutura denominacional, Nardi e sua esposa tornaram-se evangelistas em tempo integral. Seu modus operandi consistia em pregar nas esquinas, realizar reuniões domésticas, evangelizar de porta em porta e, em seguida, alugar missões em portas comerciais para pregar e fornecer serviços sociais aos imigrantes italianos nas cidades industriais.

Em 1889, os Nardis chegaram a Chicago. Nesta cidade, Nardi reuniu um grupo de cristãos valdenses de Favale di Malvaro, uma cidade na Ligúria, e levou outros italianos a Cristo. Conforme o trabalho se desenvolvia, a Távola Valdense e o Presbitério de Chicago organizariam a Primeira Igreja Presbiteriana Italiana em 1892 e enviariam o pastor Filippo Grill da Itália para ajudá-los. Esta igreja seria o primeiro lar espiritual para Louis Francescon e Rosina Balzano Francescon, Albert diCicco e Dora diCicco, Nicolas Moles e sua esposa. Depois que a congregação se estabilizou, Nardi continuaria sua missão, espalhando o evangelho em Spring Valley, Mo; São Francisco, Ca; Vinland, NJ; Cidade de Nova York e Itália, onde morreu em Rapallo.

De seu período de missão em Chicago, o Presbitério de Chicago registra:

“O trabalho entre os italianos em nosso próprio presbitério tem dois centros principais, a igreja italiana na rua West Ohio, 73, perto de Halsted, e a missão Nardi na rua West Taylor, 148. Esta última foi nomeada em homenagem ao Signor Nardi, que foi um dos primeiros a inaugurar o trabalho missionário protestante entre os italianos em Chicago. A narrativa das experiências do Signor Nardi desde que veio a este país é em si muito interessante.
Bem educado e um artista notável, ele veio para a América para ser um crítico de arte. Chegando na cidade de Nova York, sua atenção foi atraída pela aflição entre seus compatriotas em Five Points e em torno dele, e ele imediatamente começou a estudar como melhorar sua condição. Quanto mais investigava, mais entusiasmado ficava e finalmente decidiu abandonar a arte por enquanto. Ele submeteu um plano a uma das ferrovias do leste para obter um contrato para a construção de seu leito usando apenas italianos como trabalhadores, ele mesmo supervisionando a obra. Sua proposta foi aceita; e embora tenha criado um grande furor entre os trabalhadores irlandeses e americanos, como muitos se lembrarão, foi executado com sucesso. Naquela época, ele recusou todas as religiões, mesmo a de sua pátria mãe, e só alguns meses depois ele aceitou a Cristo e seus ensinamentos. Depois de estudar sob a direção do Rev. AB Simpson da cidade de Nova York, o Sr. Nardi e sua esposa, também uma estudante do Dr. Simpson, começaram o trabalho evangelístico, vindo para Chicago em 1889. Sr. e Sra. Nardi juntamente com trabalhadores da Sociedade Bíblica de Chicago realizavam reuniões domésticas, nas esquinas das ruas, ou visitavam de casa em casa, pregando o evangelho aos italianos sempre que surgia a oportunidade, a sociedade bíblica fornecia folhetos e porções das Escrituras para distribuição. Na primavera seguinte, Nardi garantiu um quarto na rua South Clark, 505, e organizou uma escola dominical.
Mais ou menos na mesma época, a Associação Cristã dos Moços cedeu seu salão perto da ponte da rua Kinzie para outra escola dominical. Foi neste último lugar que o primeiro serviço de comunhão entre os protestantes italianos foi realizado, e o interesse crescente logo se concentrou naquele distrito. Havia um elemento valdense que formava o núcleo de uma igreja, e a bênção de Deus se manifestava em conversões frequentes. No inverno seguinte, alguns amigos ficaram interessados ​​no andamento do trabalho, e entre eles estava a sempre lembrada amiga da Missão Nardi, a Sra. S. G. Hubbard, cujos devotados esforços pelos italianos ainda continuam. Em 1893 o presbitério de Chicago erigiu permanentemente uma igreja e pediu ao Sr. Nardi para se tornar seu pastor regular, mas ele recusou, acreditando que Deus o havia chamado para o trabalho evangelístico. Uma chamada foi feita ao pastor atual, o Rev. Filippo Grilli, que começou seu pastorado no início do outono de 1890, com 58 membros da igreja. Em 1894, o atual edifício de tijolos substancial na rua Ohio foi erguido, em grande parte devido à generosidade do Sr. Henry Willing. Em 1891, o Sr. Nardi abriu a terceira missão, que teve início na rua Desplaines e continuou lá até que um prédio e local mais adequados fossem garantidos na rua Taylor, agora chamada de Missão Nardi.
O trabalho iniciado na rua South Clark foi posteriormente mesclado com o da Missão Metodista, e um excelente trabalho está sendo realizado. O pastor Grilli prega e continua o trabalho na igreja italiana e na Missão Nardi. A Sra. Grilli é uma ajudante muito competente, assim como a Sra. R. Francesconi, que é superintendente da escola dominical na igreja italiana. Além dos cultos regulares de pregação, sempre realizados em italiano, há uma esplêndida escola dominical, escola de costura, reunião de mães e uma aula bíblica sob a liderança da Sociedade Bíblica. O trabalho é um encorajamento contínuo para aqueles que estão prestando seus serviços, e o que é surpreendente é que esses italianos levaram sua igreja e missão a um nível de sucesso com tão pouco dinheiro. Membros da igreja que voltaram para a Itália iniciaram círculos lá visando a organização de uma igreja.
A igreja evangélica da Itália, que é a união de todas as igrejas protestantes na península, relatou cinco novas igrejas adicionadas ao seu rol durante 1897, dando um total de trinta igrejas protestantes. Cerca de 1.000 pessoas passaram a ter comunhão íntima no ano passado. “
–E. Dryer, Chicago. In Simpson 1916: 32-36.
FONTES

Bisceglia, John. Italian Evangelical Pioneers. Kansas City, Mo, 1948.

Francescon, Louis. Faithful Testimony. Chicago, 1952.

Simpson, A.B.  Michele Nardi: The Italian Evangelist, His Life and Work. New York, 1916.

Toppi, Francesco. Michele Nardi: Il Moody d’Italia. Rome: ADI-Media, 2002.