Stanley Hauerwas

Stanley Hauerwas (nascido em 1940) é um teólogo metodista americano.

Como intelectual público, propaga discussões sobre ética. Faz críticas às contradições da democracia eleitoral, capitalismo, militarismo, fundamentalismo e teologia liberal. Teologicamente, combina contribuições das tradições metodistas, anabatisas, anglicanas e católicas. É um proponente do pacificsmo tanto com bases teológicas quanto em ética pública.

David Bentley Hart

David Bentley Hart (nascido em 1965) é um polímata, escritor, filósofo e teólogo ortodoxo americano.

Nascido em uma família anglicana, seus irmãos Addison Hodges Hart e Robert Hart também são teólogos e autores.

Hart investiga metafísica cristã, filosofia da mente, clássicos, teologia sistemática, línguas asiáticas e literatura.

Um autor prolífico, Hart discute sobre arte, beisebol, literatura, consciência, problema do mal, apocatástase, teose, cinema e política. Como biblista, fez uma tradução do Novo Testamento publicada pela Yale em 2017. Produz várias críticas ao neoateísmo, materialismo, integralismo, neotomismo e calvinismo.

Hans Küng

Hans Küng (1928 -1921) eticista e teólogo católico suíço.

Pesquisador e docente da Universidade de Tübingen, serviu como conselheiro teológico durante o Concílio Vaticano II. Durante seu doutorado buscou conciliar as doutrinas católica e de Barth a respeito da justificação.

Foi crítico contra o celibato clerical e a condenação do magistério católico acerca dos métodos contraceptivos. Em 1978, depois de rejeitar a doutrina da infalibilidade papal, foi proibido de lecionar teologia católica.

Henriette Catharina Freifrau von Gersdorff

Henriette Catharina Freifrau von Gersdorff (ou Gersdorf ) (1648 -1726 ) foi uma poetisa religiosa alemã, patrona do pietismo e da Igreja dos Irmãos Morávios.

Nascida na alta nobreza, compunha poemas em latim e alemão, além de corresponder com grandes intelectuais de sua geração, como Leibniz. Apoiou o ministério do promotor do pietismo, Philipp Jacob Spener , e a tradução da Bíblia para o sorbiano. Em 1702 , requisitou ao duque Friedrich II de Saxe-Gotha-Altenburg apoio para a criação de um mosteiro evangélico-luterano para mulheres e educação de jovens, o Magdalenenstift,operante em Altemburgo até hoje.

Após a morte de seu marido, mudou-se para suas propriedades rurais em 1703, quando passou a dedicar-se à educação de seu neto Nikolaus Ludwig von Zinzendorf. Acolheu refugiados tchecos e escreveu hinos que mais tarde seriam incorporados à hinódia morávia.

Hegésipo

Hegésipo, o nazareno, (c. 110 – c.180 d.C.) foi um escritor da Igreja primitiva de origem judia.

Viajou amplamente, visitiou Roma e escreveu a primeira história da Igreja, os Fragmentos dos Cinco Livros de Comentários sobre os Atos da Igreja (Hypomnemata, ou Memórias). Infelizmente sua obra foi perdida (ainda que sobreviveram até o século XVII), mas sobrevive em oito citações nos escritos de Eusébio

Expressa simpatia com cristãos gentios, a teologia paulina entre os coríntios, as tradições das igrejas de Antioquia e de Jerusalém. Era familizarizado com um Evangelho dos Hebreus e com um Evangelho Siríaco (Diatessaron?), os escritos paulinos, além das tradições não escritas dos judeus. Certamente escreveu contra os gnósticos e de Marcião. Relata o martírio de Tiago, o justo, o “irmão do Senhor”.

Pastor de Hermas

O Pastor de Hermas é uma novela autobiográfica e apocalíptica em linguagem alegórica, parte da literatura cristã do século II. Discorre sobre arrependimento, penitência e perdão de pecados após a conversão e batismo.

Hermas, do qual o pouco que sabemos vem de seu próprio livro, foi um escravo liberto, depois enriqueceu por meios nebulosos, por fim perdeu tudo durante uma perseguição. O Cânon Muratoriano (c. 180) diz que Hermas seria irmão do bispo de Roma, Pio I (?-155). A obra é ambientada em Roma e poderia ter sido composta entre os anos 100 e 160 d.C.

São cinco visões de Hermas. Na quinta visão apareceu um anjo vestido de pastor, daí o nome do livro. Registra 12 mandatos (mandamentos morais) e 10 similitudes (parábolas).

O livro foi lido como “Escrituras” por diversos autores do século II (Irineu, Clemente de Alexandria, Orígenes e Tertuliano). Porém, havia reservas sobre sua canonicidade, conforme atestado por Tertuliano e o Cânon Muratoriano. Jerônimo relata que em sua época o livro não era tão conhecido na Igreja ocidental. Integra o Codex Sinaiticus (século IV) além de manuscritos em grego, latim e etíope e fragmentos em copta, ge’ez, georgiano e persa, este último encontrado em Turfan, na China ocidental.

Horeus

Horitas ou horeus, em hebraico חֹרִים‎ horim, um povo que vivia no sul do Levante antes dos israelitas e edomitas. Aparecem em Gn 14:6, 36:20, Dt 2:12, embora outras passagens em Josué e Samuel possam referir-se a eles.

O Texto Masorético faz confusão entre “heveus” e “horitas”, possivelmente pela semelhança das letras hebraicas Vav e Resh, enquanto a Septuaginta registra “horita”.

Habitaram nas áreas ao redor do Monte Seir em Canaã (Gn 36:2,5) antes de serem substituídos pelos edomitas. Na lista de chefes dos horeus em Gn 36:20-29 e 1 Cr 1:38-42 aparecem dois nomes femininos, Oolibama, a filha de Aná; e a Timna irmã de Lotã.

Como o termo Ḥor em hebraico significa caverna, supõe-se que fosse habitantes das cavernas da região. Há dúvidas se são relacionados com o hurritas, povos não semíticos que dominaram o sul da Anatólia e norte da Síria nos meados da Idade do Bronze.

Hilquias

Hilquias, em hebraico חִלְקִיָּה, Deus é minha porção. É o nome de vários personagens do Antigo Testamento.

  1. Hilquias pai de Eliaquim (2 Re 18:18, 26, 37).
  2. Hilquias sumo sacerdote durante o reinado do rei Josias de Judá (2 Re 22:4–
    14).
  3. Hilquias, um levita e filho de Anzi (1 Cr. 6:45–46).
  4. Hilquias filho de Hosa (1 Cr 26:11) e porteiro do tabernáculo.
  5. Hilquias, o sacerdote que participou da leitura pública da Lei com Esdras (Ne 8:4; 11:11).
  6. Hilquias, o sacerdote que voltou do cativeiro com Zorobabel (Ne 12:7).
  7. Hilquias, pai do profeta Jeremias (Jr 1:1).
  8. Hilquias, pai de Gemarias, contemporâneo de Jeremias (Jr 29:3)

Bíblia Hesiquiana

Hesíquio de Alexandria (?-c.300) foi um exegeta que produziu a Bíblia Hesiquiana, uma recensão da Septuaginta e partes do Novo Testamento (possivelmente, os quatro evangelhos).

Hesíquio teria sido bispo de um lugar no Egito no século III e é confundido com lexicógrafo homônimo.

Esta recensão é mencionada por Jerônimo como obra de Hesíquio com a colaboração de Luciano de Antioquia. Segundo Eusébio (Hist. Ecl.8.13.7), um tal Hesíquio foi martirizado sob Diocleciano com três contemporâneos: Pacômio, Fileas e Teodoro. Os quatro mártires escreveram uma carta datada de 296 d.C. a Melício, bispo cismático de Licópolis, no Alto Egito, repreendendo-o por ordenações irregulares

No século IV as igrejas do Egito e em Alexandria utilizavam a Septuaginta Hesiquiana ao invés da edição de Orígenes. Jerônimo (Praef. in Paral.; Adv. Ruf. 2,27) critica Hesíquio, acusa-o de interpolação em Isaías 58:11 (Comm. em Is. ad. 58, 11) e de falsas adições ao texto bíblico (Praef. em Evang.). O Decretum Gelasianum alude aos “evangelhos que Hesíquio forjou” e chama-os de apócrifos.

Léxico de Hesíquio

O Léxico de Hesíquio de Alexandria (c.380-c450 d.C.) foi um gramático e estudioso greco-egípcio, filólogo e lexicógrafo ativo no século IV dC. Não deve ser confundido com seu homônimo, o exegeta Hesíquio de Alexandria.

Hesíquio escreveu um dicionário enciclopédico da língua grega e seus dialetos. Compilou o maior mais de 51.000 verbetes. Listou palavras, formas e frases peculiares, com uma explicação de seu significado. Às vezes referencia o autor ou a região da Grécia que empregam um termo.

Em sua introdução, Hesíquio credita que sua enciclopédia teve influência de outras. Uma foi a de Diogenianos, que por sua vez baseou-se em uma obra anterior de Pânfilo de Alexandria. Outras foram do gramático Aristarco de Samotrácia, Ápion, Amerias e de outros.

As notas sobre epítetos e frases também elucidam sobre a sociedade antiga e a vida social e religiosa.

Sua obra sobreviveu em um único manuscrito praticamente intacto do século XV assinado Marciano graecus 622 preservado na biblioteca de San Marco, Veneza (Marc. Gr. 622). Foi impressa pela primeira vez por Marcus Musurus (edição Aldina) em Veneza em 1514, reeditado em 1520 e 1521. Desde então, somente no século XIX foi reeditada por Moriz Wilhelm Constantin Schmidt (1858–1868) em 5 volumes. A Real Academia Dinamarquesa de Belas Artes de Copenhague subsidiou uma edição moderna. Sob a direção de Kurt Latte, teve dois volumes publicados, o primeiro em 1953, e postumamente em 1987. Posteriormente, o filólogo britânico Allan Peter Hansen completou um terceiro volume em 2005.