Tiatira

Tiatira na Ásia Menor, agora a cidade turca de Akhisar, também é chamada em português de Tiátira.

Os gregos chamaram-na anteriormente de Pelopia e Semiramis. O nome Tiatira remonta do período selêucida, quando foi refundada por Seleuco Nicator. Situava-se no limite entre a Lídia e a Mísia, às margens do rio Lico, ficava à esquerda da estrada de Pérgamo a Sardes. Era um centro comercial e industrial têxtil.

Tiatira aparece ligada com Lídia, mercadora de púpura. (At 16:14). É também uma das sete igrejas do Apocalipse (Ap 2:18-29).

Sardes

Sardes era a capital do antigo reino da Lídia, uma das cidades mais importantes do Império Persa, sede de um procônsul sob o Império Romano. Situava-se no meio do vale do rio Hermo, no sopé do Monte Tmolus, onde hoje está Salihli (Sartmahmut ou Sart antes de 2005), com cerca de 5 mil habitantes. Dista 97 km de Éfeso e Esmirna.

Seu rio possuía muito ouro de aluvião. Seu rei Creso, que governou de cerca de 560 a 547 a.C., foi o primeiro a emitir as primeiras moedas de ouro puro (e prata) usadas no mercado. Nessa época, Sardes foi a capital do próspero império da Lídia.

Destruída por um terremoto no ano 17 d.C., foi reconstruída com suporte imperial romano. Conta com um templo a Artemis e Cibele além um banho e ginásio público. Foi uma importante cidade regional até o final do período bizantino.

Em Sardes há indícios que foi a fronteira ocidental do uso da língua aramaica, propagada durante os períodos persa e selêucida. É uma das leituras da localização de Sefarade de Obadias 1:20. Teve uma grande sinagoga, uma das maiores da Antiguidade. Em um estilo arquitetônico que relembra as basílicas cristãs, junto da vizinha sinagoga de Priene, a sinagoga de Sardes é um dos principais testemunhos materiais das comunidades judaicas da Ásia Menor na Antiguidade.

É uma das sete igrejas destinatárias das cartas de João do Apocalipse 3:1-6. A cidade teve como bispo Melito no século II.

Filadélfia

A cidade de Filadélfia, a atual Alaşehir, Turquia, na região da Lídia, no oeste da Ásia Menor, perto do rio Cogamus, fica a 44 quilômetros de Sardes e a 77 quilômetros de Laodiceia.

Foi fundada por Átalo II, rei de Pérgamo (159-138 aC). Por causa de sua localização estratégica, serviu como um elo na comunicação e comércio entre Sardes e Pérgamo a oeste e Laodiceia e Hierápolis a leste. Foi várias vezes destruída quase que totalmente por terremotos.

Filadélfia é uma das sete cidades no livro do Apocalipse.

Gênero apocalíptico

O gênero apocalíptico, do grego para “revelação” é um gênero literário de escritos antigos que revelam informações secretas ou ocultas sobre o futuro, especialmente o fim dos tempos.

O conteúdo inclui promessas de julgamento iminente e intervenção divina em um mundo pecaminoso em nome dos eleitos. Também pode incluir visões ou visitas aos céus, guiadas por mediadores ou anjos.

Normalmente são obras anônimas, com atribuição de autoria ou narração em primeira pessoa a personagens bíblicos de renome (pseudoepígrafa).

Chaoskampf

Chaoskampf é um motivo literário recorrente em várias narrativas do Antigo Oriente Médio e Antiguidade Clássica da batalha cósmica divina contra o abissal caos maligno representado pelas águas ou dragões.

Este tema aparece em mitos (Ciclo de Baal ou Baal e Yam em Ugarit; Enuma Elish; na mitologia dos gregos, persas, indianos e egípcios). É frequentemente associado, mas não necessariamente, com a Criação e com o Escaton. Em 1895 Hermann Gunkel, inspirado por materiais fornecidos pelo assiriologista Heinrich Zimmern, argumentava que Chaoskampf do Apocalipse como um evento que não ocorreria apenas no fim do mundo, mas já havia acontecido no início, antes da Criação.

Na Bíblia, há várias referências explícitas (Is 27: 1; 51: 9-11; Hc 3: 8; Sl 74: 13-15, Sl 89: 6-14; e Jó 26:5-13) e outras menos explícitas (Gn 1:1-3).

As águas te viram, ó Deus,

as águas te viram, e tremeram;

os abismos também se abalaram. 

Grossas nuvens se desfizeram em água;

os céus retumbaram;

as tuas flechas correram de uma para outra parte. 

A voz do teu trovão repercutiu-se nos ares;

os relâmpagos alumiaram o mundo;

a terra se abalou e tremeu. 

Pelo mar foi teu caminho,

e tuas veredas, pelas grandes águas;

e as tuas pegadas não se conheceram.

Sl 77:16-19

BIBLIOGRAFIA

Day, John. God’s Conflict with the Dragon and the Sea: Echoes of a Canaanite Myth in the Old Testament. No. 35. CUP Archive, 1985.

Kloos, Carola. Yahweh’s Combat with the Sea: A Canaanite Tradition in the Religion of Ancient Israel. Brill Archive, 1986.

Scurlock, JoAnn; Beal, Richard H. eds. Creation and Chaos: A Reconsideration of Hermann Gunkel’s Chaoskampf Hypothesis. Penn State Press, 2013.

Wakeman, Mary K. God’s Battle with the Monster: A Study in Biblical Imagery. Brill Archive, 1973.

Watson, Rebecca S. Chaos Uncreated: A Reassessment of the Theme of “chaos” in the Hebrew Bible. Vol. 341. Walter de Gruyter, 2012.

Éfeso

Éfeso era a cidade grega mais importante da Ásia Menor jônica, cujas ruínas ficam perto da moderna vila de Selçuk, no oeste da Turquia.

Era um importante centro comercial, localizado perto de um porto na foz do rio Cayster, em um vale longo e fértil. Tinha um famoso anfiteatro, o maior do mundo, possivelmente acomodando até 50.000 espectadores. Também abrigou o grande templo de Ártemis, ou Diana, construído em 550 aC, uma das Sete Maravilhas do Mundo Antigo.

Um grupo de discípulos vivia nessa cidade, discipulados por Apolo, mas depois instruídos por Priscila e Áquila (Atos 18). Paulo esteve em Éfeso durante sua segunda viagem missionária e ficou lá por dois anos (Atos 19), depois seria endereçada a essa igreja uma carta hoje chamada de Epístola aos Efésios. Aí iniciou Timóteo seu ministério (1 Timóteo 1:3).

Há uma tradição de que o apóstolo João e Maria, mãe do Senhor, viveram nessa cidade.

Foi direcionada a Éfeso uma das sete cartas de Apocalipse (Apocalipse 2:1–7).

Apocalipse

Visão do que está reservado aos filhos de Deus na nova Criação.

O livro de Apocalipse (Revelação em grego) foi escrito por um cristão chamado João enquanto estava exilado na Ilha de Patmos, no mar Egeu, devido a uma perseguição contra os cristãos no final do século I d.C.

Com abundantes simbolismos, o Apocalipse contém cartas e visões, renovando uma mensagem de esperança meio à dor e às lágrimas. Oferece um vislumbre do que aguarda os fiéis.

O gênero textual apocalíptico refere-se às visões que arrebatavam seus visionários. Um dos primeiros textos desse gênero é a Visão de Balaão, a inscrição de Deir Alla (KAI 312) encontrada na parede das ruinas de uma habitação na Jordânia e com data estimada do século VIII. No Antigo Testamento boa parte do livro de Daniel são visões apocalípticas.

SAIBA MAIS

Gorman, Michael J. Reading Revelation responsibly: Uncivil worship and witness: Following the Lamb into the new creation. Wipf and Stock Publishers, 2011.

Pré-milenarismo

O pré-milenismo ou pré-milenarismo é uma teoria interpretativa que entende Apocalipse 20:1-6 como retorno de Cristo à Terra antes do milênio, quando reinará mil anos na terra antes do juízo final. A maioria dos pré-milenistas acredita que mil anos designam um período literal de tempo, mas não necessariamente, pois há quem acredite que o mil anos seja uma hipérbole para um período longo e indeterminado.

Os adeptos dessa interpretação estão divididos entre pré-milenistas históricos e dispensacionais.