René Padilla

René Padilla (1932-2021) foi um teólogo e missiólogo batista equatoriano. Proponente e pioneiro da missão integral, foi um dos articuladores da Conferência e Movimento de Lausanne.

Em sua reflexão teológica, Padilla discutiu a missão da Igreja em aleviar a pobreza e a opressão dos marginalizados, cumprindo os mandados neotestamentários de evangelização e avanço do Reino de Deus.

Myer Pearlman

Myer Pearlman (1898-1943) foi um educador e pioneiro na reflexão teológica do início do movimento pentecostal.

Nascido em uma família judia em Edimburgo, Escócia, cresceu em Birmingham, Inglaterra. Imigrou para os Estados Unidos (Nova York) em 1915.

Autodidata, atuou como intérprete para as forças dos Estados Unidos durante a Primeira Guerra Mundial.

Conheceu o evangelho ao escutar hinos em uma igreja pentecostal em São Francisco. Foi um dos primeiros alunos a se formar no Central Bible Institute (CBI) em Springfield, Missouri, em 1925. Ingressou no corpo docente do CBI e dois anos depois casou-se com Irene Graves.

Pearlman escreveu notas de aula sobre Antigo Testamento e o Novo Testamento. Preparou materiais para escola dominical, organizou vários livros e escrevia artigos para diversas revistas. Era fluente em hebraico, grego, francês, espanhol e italiano. Faleceu aos 44 anos.

Escreveu uma das primeiras teologias sistematizadas dentro da tradição pentecostal, o Knowing the Doctrines of the Bible, depois traduzido para diversas línguas, incluse ao português (Conhecendo as Doutrinas da Bíblia) e italiano (Le dottrine della Bibbia). A obra foi organizada com os capítulos “Escrituras”, “Deus”, “anjos”, “homem”, “pecado”, “Senhor Jesus Cristo”, “Expiação”, “salvação”, “Santo Espírito”, “Igreja” e “Últimas coisas”. Propondo uma teologia bíblica para as doutrinas pentecostais, não possui prefácio, nem dá referência à maioria das citações extrabíblicas. Era, sobretudo, uma obra didática. A edição italiana apareceu a primeira vez em 1954, publicada por Roberto Bracco com tradução de Eliana Rustici, influenciando a geração de pentecostais italianos da metade do século XX.

BIBLIOGRAFIA

Gohr, G. W. “Pearlman, Myer.” In The New International Dictionary of Pentecostal and Charismatic Movements, revised and expanded edition. Edited by Stanley M. Burgess and Eduard M. van der Maas. Grand Rapids, MI: Zondervan, 2003, 959.

Pearlman, Myer. Knowing the Doctrines of the Bible. Springfield, MO: Gospel Publishing House, 1937.

Pietismo

O pietismo é um movimento leigo de renovação espiritual que existe no seio, principalmente das igrejas luteranas, além de denominações independentes associadas ao movimento.

O pietismo surgiu na Alemanha durante a segunda metade do século XVII . A publicação do livreto Pia Desideria (1675) de Philipp Jacob Spener (1635 – 1705). A Pia Desideria, desejos pios, foi escrita como um prefácio para uma nova edição de um livro de Johann Arndt. Spener capturou os sentimentos dos evangélicos alemães após a Guerra dos Trinta Anos e a predominância do dogmatismo da Escolástica Protestante. Propôs que:

  • A palavra de Deus deveria ser mais amplamente difundida entre o povo, havendo discussões bíblicas sob a orientação do pastor;
  • Estabelecimento e manutenção de ministérios espirituais, que não é exclusividade apenas do clero formal, mas constituídos pelo direito e dever de todos os cristãos de instruir os outros, punir, exortar, edificar e cuidar de sua salvação;
  • Enfatizar o fato de que o mero conhecimento é insuficiente no cristianismo, pois a fé cristã se expressa antes na ação;
  • Mais gentileza e amor nos debates entre as denominações;
  • A formação universitária do clero deve ser alterada para incluir um fomento da piedade pessoal e a leitura de livros de edificação, bem como conhecimentos intelectuais e acerca das controvérsias dogmáticas;
  • Os sermões devem ser preparados para serem mais edificante, com menos ênfase na arte retórica e na erudição homilética.

O pietismo não consitituiu um movimento uniforme e não foi definidio em torno de doutrinas específicas. Entretanto, alguns traços comuns são notórios. No pietismo a ortopraxia (a vida cristã e a ética) são tão importantes quanto a ortodoxia. A ortodoxia não se limita a uma expressão proposicional, mas na religião vivida. O sacerdócio universal dos crentes é o cerne da doutrina da Reforma, colocado em prática nos conventículos (ecclesiola in ecclesia) — pequenos grupos de oração, leitura bíblica e edificação –, nas educação e no cuidado dos necessitados. A expectativa e a preparação para vinda do reino de Deus também orientaram o pietismo.

O pietismo propagou-se a partir da Universidade de Halle, também fornecendo as balizas para o desenvolvmento das ciências naturais e da universidade moderna (humboldtiana). O interesse dos pietistas por publicações populares elevou o letramento público. Os pietistas barão Carl von Canstein e August Hermann Francke organizaram a primeira sociedade bíblica e imprensa bíblica: a Cansteinsche Bibelanstalt. Apesar desse fomento ao cultivo intelectual junto da formação espiritual, detratores associaram o pietismo ao anti-intelectualismo.

Ora perseguido, ora apoiado pelas autoridades seculares e religiosas (luteranas e, em menor grau, reformadas), o pietismo propagou-se entre os países germânicos. Os grupos mais radicais ou perseguidos emigraram para a América do Norte, estabelecendo-se principalmente na Pensilvânia.

Dentre os diversos movimentos pietistas com identidade própria, destacam-se os Irmãos Morávios, os Dunkers, os Labadistas, dentre outros.

Pistis Christou

Pistis Christous, expressão grega “fé [de] Cristo” utilizada nos escritos paulinos o qual é interpretado controversialmente tanto como “fé em Cristo” quanto “fidelidade a Cristo”.

Paulo indica em várias passagens (Rm 1:17; 3:21, 22, 25, 26; Gl 2:16, 20; 3:22, 25, 26; Fp 3:9; Ef 3:12, 4 :13) que a humanidade é salva pela fé de Cristo. Segundo Richard B. Hays a frase pistis Christou pode ser traduzida como “fé em Cristo”, ou seja, salvação pela crença em Cristo; ou como “fidelidade de Cristo”, isto é, crença “na fidelidade de Jesus Cristo”. Por essa leitura, Rm 3:21–26 significa que Jesus foi fiel, mesmo à custa da morte, e justificado por Deus por essa fidelidade. Portanto, aqueles que participam dessa fidelidade são igualmente justificados por Deus, tanto judeus quanto gentios.

Essas leituras seguiram de forma relativamente sem problemas entre cristãos de língua grega, visto que entendem a salvação como processo participativo. No entanto, no cristianismo ocidental, a leitura predominante desde Agostinho é de “fé em Cristo”, excluíndo outras nuances da frase. Com o aprofundamento do conhecimento da língua grega entre teólogos e biblistas ocidentais apareceram implicações sobre a doutrina da justificação.

Uma vertente a incorporar essas leituras foi a Nova Perspectiva sobre Paulo. Para vários adeptos dessa perspectiva, Pistis Christou não seria simplesmente a fidelidade de Cristo a Deus, nem a confiança (ou fé) humana em Cristo, mas simultaneamente a fidelidade de Cristo a Deus e a confiança de Deus nele, e a confiabilidade de Cristo para com os seres humanos e sua confiança/fé nele. Essa confiança atua em Cristo como um mediador e restaurar uma relação de dikaiosynē (justça) entre Deus e a humanidade.

Evangelho de Pedro

Evangelho de Pedro é uma obra pseudepígrafa (falsamente atribuída) a Pedro, datada de cerca de 150 d.C.

Esse evangelho apócrifo é um evangelho da paixão, ou seja, discorre sobre a condenação, crucificação e ressurreição de Jesus. Como a obra infere de que o corpo de Cristo tinha apenas a aparência da realidade, Serapião, bispo de Antioquia (c. 190),diz que era de autoria de um docetista.

Apresenta a crucificação sem constar um ato de expiação. Afirma que os soldados romanos e autoridades judias testemunharam sua crucificação. Jesus é levado da cruz, mas sua morte não é mencionada explicitamente.
Dois seres sobrenaturais entram na tumba e três emergem. Não há menção de testemunhas que viram Jesus vivo depois da cena da tumba.

Apesar de muitos eruditos associarem esse escrito com os gnósticos, não possui a cosmologia característica da maioria desses movimentos.

Apocalipse de Pedro

O Apocalipse de Pedro é um relato pseudoepígrafo (atribuído falsamente) de uma visão que o apóstolo Pedro teria tido. Sua origem provável é no Egito, por volta 135. Provavelmente associado com comunidades gnósticas, é uma das mais antigas descrições cristãs das punições do inferno.

O Apocalipse de Pedro concentra-se na descrição de diferentes classes de pecadores e suas respectivas punições.

O livro deixou influências no cristianismo. Foi citado por Teófilo de Antioquia (c. 180), Clemente de Alexandria (c. 215), Metódio de Olimpo (c. 311) e Macário Magno (c. 400). Ainda a Divina Comédia de Dante e os testemunhos atuais de visitações ao inferno atestam a influência dessa obra.

Parte da literatura petrina, aparece como canônico para Clemente de Alexandria e Cânone Muratoriano. Eusébio considerava-o como espúrio.

O texto completo foi descoberto no inverno de 1887 no cemitério A em al-Hawawis na necrópole do deserto de Akhmim. Consiste em folhas de pergaminho da versão grega escritos no século VIII ou IX. Uma tradução etíope é conhecida desde 1910, com divergências com o texto grego.

Em sua descrição do céu e do inferno, o Apocalipse se baseia nas religiões de mistério órfico-pitagóricas. O inferno desse apocalipse remete ao tártaro dos gregos. A figura do rio de fogo certamente remonta ao antigo Egito. Deve-se à apocalíptica judaica os temas do juízo final, a ressurreição dos mortos e a destruição do mundo pelo fogo.

Pais apostólicos

A designação “pais apostólicos” refere-se à literatura cristã (chamada de patrística) do final do século I e início do século II, uma geração após a morte dos últimos apóstolos (tradicionalmente, João). Seriam os mais antigos textos cristãos após o Novo Testamento.

As edições recentes possuem os seguintes textos como “pais apostólicos”.

Alguns desses escritos (Epístola de Barnabé, Primeiro Clemente, Pastor de Hermas, Didaquê) às vezes foram incluídos no cânon do Novo Testamento nos séculos II e III, mas não definitivamente aceitos.

Outros autores não são contados entre os Pais Apostólicos como Irineu de Lyon, Justino Mártir, Clemente de Alexandria e Cipriano de Cartago.

Outros textos associados com esse período (até c.150 d.C.) incluem:

  • Kerygma Petri
  • O resto das epístolas inacianas
  • A literatura pseudoclementina
  • A literatura petrina
  • Fragmentos de Ptolomeu
  • Fragmentos de Agripa Castor
  • Fragmentos de Basilides
  • Fragmentos de Valentino
  • Cânon de Marcião
  • Fragmentos de Hegésipo
  • Epistula Apostolorum
  • Apócrifo de Tiago
  • Evangelho de Tomé
  • Atos apócrifos dos apóstolos (Paulo e Tecla, Pedro e Chtap, Paulo e Artemilla, André e Maximila, João e Drusiana)
  • Odes de Salomão

Kerygma Petri

A Pregação de Pedro (Kerygma Petri, sigla KP) consiste em fragmentos citados por Clemente e Orígenes. Seria uma coleção de ensinos de Pedro, coletadas no Egito no início do século II.

Clemente cita KP como legítima, mas Orígenes não.

Apresenta similaridades temáticas com Atos e os Escritos Paulinos, mas com um teor transicional entre a pregação missionária inicial e a apologética comum a partir do século II.

Não deve ser confundido com outras literaturas apócrifas e pseudopígrafas atribuídas a Pedro: evangelho de Pedro, Apocalipse de Pedro e Kerygmata Petrou, as homílias petrinas na Literatura Pseudoclementina.

Papias de Hierápolis

Papias de Hierápolis (c. 60 – c. 130) foi bispo de Hierápolis, na Frígia, atual Turquia.

Segundo Irineu, Papias foi discípulo de João e companheiro de Policarpo. Teria sido bispo de Hierápolis na época de Inácio de Antioquia.

Papias escreveu a Exposição das Palavras do Senhor em cinco livros. Contudo, a obra foi perdida e só sobrevive em trechos citados por autores posteriores.