Batalha de Carcar

A batalha de Carcar (ou Qarqar), datada no sexto ano de reinado de Salmaneser III (COS 2.113B), segundo os Monólitos de Kurkh (COS 2.113A), descreve as vitórias assírias contra uma coalizão de 12 reis levantinos.

A Batalha de Carcar seria o primeiro evento cuja data relacionada com a Bíblia. Embora a batalha não seja mencionada por nome na Bíblia e a identificação de Acabe nos Monólitos de Kurkh seja disputada, 1 Reis 22:29-35 relata a morte de Acabe em uma coalizão contra os assírios.

Os Monólitos de Kurkh são duas estelas descrevendo dos reinados de Assurnasirpal II e seu filho Salmaneser III. Descobertos em 1861 pelo arqueólogo britânico John George Taylor, esta descrição contém o nome “A-ha-ab-bu Sir-ila-aa”, identificado como “Acabe, rei de Israel” por Julius Oppert em sua Histoire des Empires de Chaldée et d’Assyrie (1865). No entanto, esta identificação não é unânime porque o termo “Israel” não aparece nos registros assírios e babilônicos, que geralmente se referem ao Reino do Norte como a “Casa de Onri”, além de a paleografia permitir leituras alternativas desse trecho.

Cronologia do surgimento da civilização

Uma linha do tempo das principais marcas pré-históricas do Antigo Oriente Próximo.

10000 a.C. Mudanças climáticas iniciam a desertificação da Arábia e do Sahara. As populações respondem com maior mobilidade e estabelecendo-se em oásis. A pressão para garantir a subsistência com poucos recursos força o crescimento de complexidade social e o início de atividades econômicas contínuas no pastoralismo e agricultura.                        

9000 a.C. Em uma planície no norte da Mesopotâmia em uma região que é hoje Turquia floresceu o centro cerimonial de Göbekli Tepe (1000-8800 a.C.). Este seria o templo mais antigo encontrado, composto de monumentos megalíticos em formato de T, decorado com alto relevo de animais e figuras humanas. O espantoso é que essa população não praticava a agricultura, não conhecia a cerâmica, os metais ou a roda. As ricas fauna e flora eram suficientes para manter essa população semi-urbana, sendo comparável ao Jardim do Éden.

8800 a.C. No neolítico inicial (pré-cerâmico) a agricultura de aveia e trigo desenvolve-se na Crescente Fértil, com centros urbanos em em Byblos, Gilgal e Tell es-Sultan (Jericó). Nesse último local, foi erguida uma torre e um muro ao redor da cidade. Mais tarde, em Tell Aswad, no sul da Síria, passou-se a construir casas de adobe, utilizar lâminas de obsidiana, moldar figuras em argila, produzir cestos e a domesticação de animais. 

7500 a.C. O centro cerimonial de Nabta Playa, no Deserto da Núbia, a leste do Nilo, contém vestígios de sacrifícios de animais e de monumentos para a observação astronômica.  

6000 a.C. No Período Ubaid (6500-3800) a agricultura e a domesticação de animais intensificam no sul da Mesopotâmia. Nas várias vilas há o trabalho coordenado de irrigação e avanço da cerâmica. Passam  a usar tijolos secos ao sol. Outras culturas quase contemporâneas e semelhantes na região são as de Samarra, Halaf e Hassuna, nesta última se inicia a fundição de cobre.

4500 a.C. Difusão da metalurgia (cobre) no Oriente Médio e Anatólia. A mineração de cobre em Timna, no deserto do Negev, iniciou-se por volta de 5500 aC e durou até o século I d.C.

4000 a.C. A desertificação do Saara e de áreas na Árabia próximas à Mesopotâmia, Síria e Canaã levam a uma pressão para habitar em sociedades urbanas, com a produção especializada de alimentos, surgindo o comércio e a redistribuição de víveres nos templos que funcionavam como proto-estados.

4000-3100 a.C. Na Mesopotâmia surge a civilização de Uruk I (pré-literária), com cidades-estados, templos, estratificação social, uso de sinetes (bullae) com pictogramas que evoluíram para a escrita.

3300–1200 a.C. Início da Idade do Bronze. A liga de cobre e estanho permitiu desenvolver ferramentas mais duras, ampliando a agricultura e o início da militarização.