Nova Conexão Metodista

A Nova Conexão Metodista, pejorativamente chamada de Killhamites, foi uma denominação metodista britânica existente entre 1797 e 1907. Sua ênfase na participação leiga e a redação de seus artigos de fé infuenciaram muitas denominações evangélicas posteriores.

Depois da morte de John Wesley em 1791, o metodismo britânico tornou-se rapidamente institucionalizado enquanto algumas lideranças insistiam em manter o movimento subordinado à Igreja Anglicana. Em reação, Alexander Kilham (1762 – 1798), um pregador itinerante metodista, defendia a independência denominacional para os metodistas.

Kilham propôs que os membros leigos deveriam participar da gestão da Igreja, havendo representação igual com os ministros nas conferências decisórias. Kilham defendia que o ministério não deveria possuir autoridade oficial ou prerrogativa pastoral, mas deveria apenas executar seus ministérios de acordo com as diretrizes das congregações e das conferências.

Na conferência dos metodistas britânicos em 1796, Kilham foi expulso por defender os princípios eclesiológicos acima. Em seguida, nas cidades industrais vários metodistas das classes trabalhadoras e de classe média educada aderiram à Nova Conexão Metodista organizada por Kilham. No entanto, ele morreria no ano seguinte.

A segunda esposa de Kilham, Hannah Spurr Kilham (1774–1832), com quem se casou poucos meses antes de sua morte, foi missionária e linguista no oeste da África.

A Nova Conexão Metodista fez parte da vertente radical do metodismo do século XIX. Essa vertente mantinha a soteriologia wesleyana, mas insistia em um primitivismo quanto à eclesiologia e um ativismo social em prol dos desfavorecidos. A NCM foi formada em 1797, os Metodistas Primitivos em 1807, os Cristãos da Bíblia em 1815, os Metodistas Livres em 1860 e o Exército de Salvação em 1865.

Recebiam a alcunha de “Thomas Paine Methodists” pelos valores democráticos que os inspiravam. Em suas reuniões, as pregações eram seguidas por uma discussão livre.

Catherine e William Booth, o fundador do Exército de Salvação, foram membros da Nova Conexão Metodista e inspiram em seus Artigos de Fé para a redigir os pontos de doutrina de seu novo movimento.

Em 1907 a Nova Conexão Metodista, então com 37 mil membros, uniu-se com outras denominações metodistas britânicas para formar a Methodist Church of Great Britain.

BIBLIOGRAFIA

Blackwell, J. Life of Alexander Kilham. 1838.

Kilham, Alexander; Thom, William. Out-lines of a constitution; proposed for the examination, amendment and acceptance, of the members of the Methodist New Itinerancy. 1797.

Thompson, Edward Palmer. The making of the English working class. 1968.

Clipping: Milagres do Espírito Santo

Em fevereiro e março de 1908 o jornal La Parola dei Socialisti em Chicago publicou duas reportagens sobre os cultos da missão pentecostal italiana de West Grand Avenue. Trata-se de um testemunho importante, ainda que em tons de polêmica, da vida comunitária e de culto.

Bertelli, Giuseppe (ed.), & Alves, Leonardo Marcondes. (2022). Miracles of the Holy Ghost–Apostolic Larceny– and Swindling of Imbeciles. Zenodo. https://doi.org/10.5281/zenodo.6481412

https://doi.org/10.5281/zenodo.6481412

Puritanismo

Os termos ouritanismo ou os puritanos referem-se aos diversos movimentos que visavam avançar a reforma da Igreja da Inglaterra contra vestígios do catolicismo romano. Ganharam corpo entre exilados pela perseguição do reinado de Maria I (1553-1558). Marcaram seu declínio a “Grande Expulsão” (Great Ejection) na Inglaterra e o “Pacto Intermediário” (Half-Way Covenant) nas colônias Americanas, ambos em 1662. O Ato de Tolerância de 1689 seria o fim da era puritana e o início dos “dissenters” (dissidentes) na Inglaterra.

HISTÓRIA

O apogeu político dos puritanos ocorreu de 1649 a 1660 durante o Commonwealth. Os puritanos formaram a base do regime militar chefiado por Oliver Cromwell. Os puritanos aproveitaram a oportunidade para empregar o Parlamento a renovar uma aliança nacional com Deus. O Parlamento convocou um corpo de clérigos puritanos, a Assembleia de Westminster, para reformar o governo e a disciplina da Igreja da Inglaterra.

Após a morte de Cromwell em 1658, alguns puritanos apoiaram a restauração do rei Carlos II e uma política episcopal modificada. No entanto, o novo rei e o arcebispo William Laud reimplantaram o episcopado monárquico e o Livro de Oração Comum uniforme com maiores expressões litúrgicas que eram aceitáveis pelos puritanos. Iniciou-se para o puritanismo inglês a Grande Perseguição. A última tentativa frustrada de controlar a Igreja da Inglaterra foi durante a Revolução Gloriosa.

O Toleration Act de 1689 confirmou a organização corrente da Igreja Anglicana, mas tolerou grupos dissidentes. Isso levou virtualmente à extinção do movimento puritano, com a formação de denominações e congregações separatistas de regime presbiteriano ou congregacional nos países de língua inglesa.

Nas colônias americanas o puritanismo formou comunidades em alianças através de pactos político-religiosos, principalmente na Nova Inglaterra . Em 1648 as quatro colônias puritanas da Nova Inglaterra adotaram conjuntamente a Plataforma de Cambridge, estabelecendo uma forma congregacional de governo da igreja. Somente os “eleitos” (membros com bom testemunho na congregação local) podiam votar e governar. Quando isso levantou problemas para os residentes de segunda geração, eles adotaram um Pacto Intermediário (Half-Way Covenant), que permitia que pessoas batizadas, morais e ortodoxas compartilhassem os privilégios de membros da igreja, mesmo que não fossem totalmente aderentes ou ativamente participantes das congregações locais. Outras variações puritanas, mas pautadas pela tolerância de opiniões, ocorreram em Rhode Island pelo Seeker Roger Williams e na Pensilvânia pelo Quaker William Penn.

TEOLOGIA

Os puritanos defendiam diferentes doutrinas e políticas religiosas. Em comum, adotavam uma moralidade estrita que queriam implantar como padrão de vida para toda a Inglaterra. Seus esforços para transformar a nação contribuíram tanto para a guerra civil na Inglaterra como na fundação de colônias na América do Norte.

Os puritanos no geral criam que a coletividade devia estar em um relacionamento de aliança com Deus. Isso permitiria uma redenção da condição pecaminosa. Deus permitia o acesso à salvação por meio da pregação e que o Espírito Santo impulsionava a salvação.

Muitos puritanos decidiram formar congregações “separatistas” e repudiaram a igreja estatal inglesa.

Pela influência dos reformados holandeses, franceses e genebrinos, os puritanos abraçaram diversas vertentes teológicas da tradição Reformada. Havia calvinistas (supralapsarianistas e infralapsarianistas), amiraldianos (cameronianos e baxteristas), arminianos, seekers, anabatistas, quinto monarquistas, escavadores (diggers), niveladores (levellers), adamitas (que praticavam o nudismo ritual), batistas (tanto gerais quanto particulares), socinianos, Muggletonianos, Ranters e Quakers.

Outra característica comum era o anticatolicismo. Queriam purificar a Igreja da Iglaterra contra toda forma de “idolatria papista”. A própria identidade puritana começou com uma controvérsia sobre as vestimentas na década de 1560 e sobre a disputa acerca da forma governo para a Igreja da Inglaterra, tentando extirpar o episcopado monárquico e paramentos litúrgicos por remeterem ao catolicismo.

BIBLIOGRAFIA

Bremer, Francis J. The Puritan Experiment: New England Society from Bradford to Edwards. Rev. ed. Lebanon, NH: University Press of New England, 1995.

Bremer, Francis J. Puritanism: A Very Short Introduction. New York: Oxford University Press, 2009.

Bremer, Francis J., and Tom Webster, eds. Puritans and Puritanism in Europe and America: A Comprehensive Encyclopedia. Vol. 1. Santa Barbara, CA: ABC-CLIO, 2006.

Coffey, John, and Paul Chang-Ha Lim, eds. The Cambridge Companion to Puritanism. Cambridge, UK: Cambridge University Press, 2008.

Spurr, John. English Puritanism, 1603–1689. Basingstoke, UK: Macmillan, 1998.

Antonio Brunetti

Antonio Brunetti (1887-5 de abril de 1944), crente pentecostal italiano e mártir.

Nascido em Spinazzola, província de Bari, Brunetti converteu-se nos anos 1920 em Spinazzola, quando escutou a mensagem do evangelho por um emigrante retornado dos Estados Unidos. Casou-se com Costanza Mandalà em 1927 e nos anos 1930 o casal mudou-se para Turim. Brunetti trabalhava como operário na Fiat e evangeliza, formando um grupo de crentes.

Com a perseguição fascista contra os crentes pentecostais é preso em 1935, depois posto sob vigilância.

Uma noite em 1944, uma esquadra veio à casa e levou-o a Ebensee, um campo de concentração satélite Mauthausen. Foi morto no dia 5 de abril de 1944 na câmara de gás

BIBLIOGRAFIA

Elenco dei deportati italiani morti a Mauthausen e nei Kommandos dipendenti, p. 11, http://www.adamoli.org/progetto – ocr/deportati -mauthausen/PAGE0001.HTM

Idade do Bronze

Período arqueológico (3300-1200 a.C.) caracterizado pela ampla transição da sociedade agrária para a urbana, pela cultura escribal e pelo comércio de longa distância.

Um dos pilares da economia pastoral urbana no Levante era a produção e o comércio de têxteis. Na segunda metade do terceiro milênio a substituição de linho por lã liberou extensões consideráveis ​​de terras aráveis ​​para a agricultura básica, enquanto a produção de fibras se deslocou para as zonas marginais, mais adequadas à ovinocultura.

Coincide com surgimento da civilização sírio-cananeia, o período dos patriarcas e do êxodo.

Heilsgeschichte

Heilsgeschichte, em alemão “História da Salvação”, ou ainda “História da Redenção” designa tanto um princípio de interpretação da Bíblia quanto uma afirmação teológica a respeito da História universal. Teologicamente, é um modelo de economia de salvação.

Os antigos israelitas se interessavam pela história, não tanto pelos próprios eventos, mas por seus motivos e propósitos. Enquanto os israelitas viam sua história como um desenrolar da relação de aliança entre Israel e Deus, o pensamento cristão considerou os eventos narrados na Bíblia como atos de Deus para a salvação do mundo.

No Novo Testamento, a história de salvação era vista a partir da história de Israel. O arco narrativo do Antigo Testamento cumprido em Cristo aparece no caminho de Emaus (Lc 24:25-27), no discurso de Pedro em Pentecostes (Atos 2:17-36), na recapitulação da História de Israel por Estêvão (Atos 7) e com o tema dos tipos e profecias identificados em Cristo no evangelho de Mateus. Os escritos paulinos providenciam uma perspectiva cósmica a qual a História de Redenção afeta toda a criação (1 Co 15; Tt 2:11-15).

Como teologia da história e, ainda como posição historiográfica, a História de Salvação remonta desde a patrística. Os gnósticos (e Irineu em reação a eles) desenvolveram uma moldura histórica cósmica, extrapolando a história de Israel. Para alicerçar um propósito para uma sociedade critianizada, Agostinho articulou A Cidade de Deus já com alguns aspectos da História de Salvação.

No iluminismo houve uma separação entre história universal e história sacra a partir do aliancismo de Cocceius. A primeira seria objeto tanto da Historie quanto da Geschichte enquanto a segunda era fundada primordialmente na Geschichte. Em alemão Historie é a disciplina que se preocupa com os registros percebidos dos eventos. Já a Geschichte é a interpretação de eventos de forma compreensiva e disposta em forma narrativa. A Geschichte não é necessariamente uma reportagem dos eventos como “fatos que aconteceram”, mas sim dos seus significados, bem como aspectos não observáveis como relação de causalidade ou propósitos.

O auge da História de Salvação foi nos meados do século XIX na Alemanha. A combinação com o idealismo alemão, principalmente hegeliano, permitia conciliar problemas levantados pelos racionalistas com uma teologia bíblica.

Como uma formulação teológica, a História de Salvação foi uma perspectiva historicista proposta por J.T. Beck (1804- 1878). Beck combinou a dialética de Hegel com a noção de que os tratos de Deus com a humanidade exigiam uma conexão lógica entre os diversos eventos dessa revelação. A revelação seria progressiva e situada historicamente. Assim, enfatizou a importância de cada etapa do processo porque cada uma se tornou parte do todo.

O teólogo luterano Johannes Christian Konrad von Hofmann insistiu que uma visão teleológica da história, cada fase tem sua própria função independente da anterior. Contudo, Hofmann evitou um supersessionismo do Antigo Testamento em relação ao Novo Testamento. Em vez disso, a história de salvação revelada no Novo somente faz sentido à luz do Antigo. Pela Kenosis trinitária, quando o Eterno encontrou-se na História ao “esvaziar” em Jesus, houve um clímax que aponta para o fim de reconciliar o mundo inteiro com Deus com base em seu amor. A história mundial só pode ser entendida apropriadamente dentro da da história da salvação. No entanto, a história da salvação não seria uma parte da história mundial.

Heilsgeschichte extrapola as limitações do historicismo. Assim, teologicamente, rejeita-se relegar a Bíblia a um produto meramente humano e preso às contigências sociais e históricas de sua composição textual. Nessa linha, Oscar Cullmann interpreta os eventos nas narrativas bíblicas apontando para uma consciência crescente da obra salvadora mediante a intervenção de Deus na história. Portanto, no presente os crentes encaram um desafio divino de se posicionar-se no plano revelado de salvação.

Ainda no século XIX, o dispensacionalismo surgiu como uma perspectiva evangélica em língua inglesa em alternativa à Heilsgeschichte alemã como economia de salvação.

Outra alternativa apareceu na tradição reformacional holandesa, conforme apresenta Wolters. O kuyperianismo organizou a história da redenção em quatro temas universais: criação, queda, redenção e consumação. Este último é, por vezes, substituido por restauração. Tal narrativa justificava uma ideologia (apresentada como “cosmovisão cristã”) de domínio da Igreja (no caso, os reformados) sobre todas as esferas existenciais, em detrimento à teologia dos dois reinos luterana ou da separação do mundo anabatista. Assim, esse esquema reformacional ganhou contornos de ideologia política, com a formação do Partido Antirrevolucionário holandês para influenciar todos os domínios (ou em termos mais recentes “montes”).

A posição reformacional foi criticada por três problemas. Primeiro, com essa moldura universalizante excluía Israel, na melhor das hipóteses, da história de salvação, ou adotava um supersessionismo, tratando-o como uma nota de rodapé de uma aliança superada no esquema de salvação. Segundo, ao chamar por uma petição de princípio esse esquema ideológico de “a cosmovisão cristã”, excluíram-se tanto as interpretações intrabíblicas quanto as interpretações da história do pensamento cristão que situam a salvação dentro da dinâmica da Lei revelada a Israel e a graça operada em Cristo. Finalmente, o método empregado na posição reformacional de retirar e recontextualizar versos isolados da Bíblia (dicta probantia) pode gerar quaisquer enredos narrativos para a história de salvação, tal como já criticava Irineu contra tal abordagem pelos gnósticos.

Nos meados do século XX, as abordagens teológicas da História da Salvação foram informadas por avanços em teoria literária e teologia política.

O crítico literário Auerbach fez exame da totalidade do enredo das Escrituras canônicas e notou uma corrente de tipo e antitipo ligando diferentes passagens de uma forma coerente.

Nos anos 1970, as críticas de Hans Frei aos gêneros argumentativos das teologias colocou a teologia narrativa em destaque. Assim, a História de Salvação passou a ser vista como o enredo do conjunto canônico da Bíblia, como faz John Goldingay.

A teologia política de John Howard Yoder centrou-se na presença provocativa e reconcilatória da Igreja no mundo. Assim, a História de Redenção enfocaria no plano reconciliatório de Deus, sem apropriar-se de uma ideologia totalizante como meio de reivindicar um protagonismo na política mundana para a Igreja.

As malfadadas incursões políticas de cristãos em nome da Igreja foram justificados por esquemas ideológicos em formas de História de Redenção. Conforme aponta Soulen, essas ideologias encontraram justificativas para desconsiderar o povo de Israel e legitimar antissemitismos.

Em língua inglesa, o batista Eric Charles Rust utilizou o conceito de História de salvação para dialogar com a historiografia acadêmica. História de Salvação como historiografia ou modelo teológico ficaram mais claros a partir de sua obra.

Scot McKnight sumariza esses aspectos anteriores e propôs uma História de Redenção que considera a missão da Igreja, valorizando a igreja local e livre da tradição anabatista, bem como a integralidade textual bíblica. McKnight aponta que Deus criou o ser humano como co-regente da criação, mas a falha humana nessa missão deu lado para demonstrar o amor divino em um plano de reconciliação. Esse plano de reconciliação selecionou e abençoou Israel para que em Cristo fosse capacitada toda a humanidade para participar do Reino. McKnight não sugere que o esquema reformacional criação, queda, redenção e consumação seja falso, mas simplesmente não é a história principal ou completa da Bíblia.

Depois de seu pico entre círculos reformados e luteranos continentais, no final do século XX a História de Salvação encontrou pouca difusão entre correntes evangelicais. No começo do século XXI, tanto a reavaliação da teologia reformacional quanto do neoanabatismo reacenderam o interesse pela História de Redenção.

BIBLIOGRAFIA

Cullmann, Oscar. Christ and Time. The Primitive Christian Conception of Time and History. Westminster Presss, 1950.

Cullmann, Oscar. Salvation in History. New York: Harper & Row, 1967.

Croatto, José Severino. História da Salvação: A Experiência Religiosa do Povo de Deus. 2ª ed. Caxias do Sul: Paulinas, 1966.

Frei, Hans W. The Eclipse of Biblical Narrative: A Study in Eighteenth and Nineteenth Century Hermeneutics. New Haven: Yale University Press, 1974.

Frey, Jörg; Krauter, Stefan; Lichtenberger, Hermann. Heil und Geschichte: die Geschichtsbezogenheit des Heils und das Problem der Heilsgeschichte in der biblischen Tradition und in der theologischen Deutung. Mohr Siebeck, 2009.

McKnight, Scot. Kingdom conspiracy: Returning to the radical mission of the local church. Brazos Press, 2014.

Nugent, John C. The Politics of Yahweh: John Howard Yoder, the Old Testament, and the People of God. Vol. 12. Wipf and Stock Publishers, 2011.

Rust, Eric Charles. Salvation History a Biblical Interpretation. John Knox Press, 1962.

Rust, Eric Charles. Towards a Theological Understanding of History. 1967.

Soulen, R. Kendall. The God of Israel and Christian Theology. Minneapolis: Fortress Press. 1996.

Wolters, Albert M. Creation regained: Biblical basics for a reformational worldview. Wm. B. Eerdmans Publishing, 2005.

VEJA TAMBÉM

Dispensacionalismo

Revelação progressiva

A Cidade de Deus

Teologia do Pacto

Aliancismo

História da Congregação Cristã

Para um panorama ilustrado baixe esse PDF


Para um tratamento mais longo, consulte:

https://www.researchgate.net/publication/328292576_Congregacao_Crista_na_America_do_Norte_sua_origem_e_culto