Livro de Josipon

O Sefer Josippon ou Livro de Josipon, também conhecido como Pseudo-Josefo, é uma crônica hebraica medieval. Deriva-se de uma tradução livre latina das obras de Flávio Josefo, a Bellum Iudaicum, a qual tinha sido feita pelo autor conhecido como Pseudo-Hegésipo.

Composta no final do primeiro milênio por algum judeu da comunidade grega do sul da Itália, ganhou aceitação entre os bizantinos. Contudo, somente integrou o cânone amplo na Igreja Ortodoxa Etíope.

Não há novidade de conteúdo com valor histórico, mas Josipon ilustra o processo de reescrita e transmissão de literatura bíblica e parabíblica.

O livro de Josipon cobre a história hebraica de Adão à queda de Massada em 74 dC, com foco no período do Segundo Templo. Outras fontes foram a Vulgata, incluindo os livros dos Macabeus, a tradição judaica e algumas fontes pseudo-históricas latinas.

BIBLIOGRAFIA

Flusser, David. “Josippon: A Medieval Hebrew Version of Josephus.” Pages 386–97 in Josephus, Judaism, and Christianity. Edited by L. Feldman and G. Hata. Detroit: Wayne State University Press, 1987.

Reiner, Jacob. “The English Yosippon.” Jewish Quarterly Review 58 (1967): 126–42.

Livro de Jubileus

Obra parabíblica composta em hebraico nos meados do século II a.C. Chamada de Leptogenesis (Gênesis menor), é uma paráfrase de Gênesis e do Êxodo até a revelação da Lei, narrado em segunda pessoa.

É canônico entre ortodoxos e Beta Israel etíopes e parece ter tido autoridade na comunidade de Qumran.

O livro registra uma preocupação com os festivais.

Justificação

Justificação, em grego dikaíōsis aparece apenas em Rm 4:25 e Rm 5:18, é o ato transformativo de capacitar a vida em retidão ou justiça diante de Deus, palavras que traduzem os conceitos bíblicos de dikaiosynē ou tzedakah.

Há conotações que se perdem na tradução. O termo hebraico hatsdiq seria vertido para o grego dikaioun e, por fim, nas línguas latinas justificar. No hebraico, hatsdiq seria vindicar, apresentar como justo, ser declarado justo ou inocente, habitar em justiça. Já o sentido grego diakioun tem a conotação forense, ou seja, fazer justiça ou justiçar, o que pode ser inclusive uma sentença condenatória. As ambiguidades do grego passaram para o latim que separa iustitia de misericordia. Para complicar, boa parte da recepção desse conceito em língua inglesa distingue entre righteousness (retidão, algo pessoal) e justice (justiça, algo social), distinção não compreendida pelo conceito de tzedakah.

Nos sentidos bíblicos, na justificação corrige-se um ato errôneo. No Antigo Testamento havia o anseio de sanar as injustiças dos ímpios (Sl 37), além de o próprio ser humano se justificar (Jó 32:2; Jó 33:32; Is 43:9), visto que Deus se apresenta como demandando justiça (Dt 32:4; Sl 11:7; Sl 146:6-8; Is 5:16), especialmente para o vulnerável (Sl 10:14-18; Sl 72:1-2; Pv 31:8-9). Em contrapartida, há uma preocupação de demonstrar que Deus age em justiça (Jó 32:2; Sl 51:4).

Em uma analogia de um julgamento, a justificação aparece nas Escrituras na prestação de contas de Israel com Deus dentro de uma aliança. Assim, a justificação passou a denotar e esperança de Deus restaurar a sorte de Israel depois das opressão, sendo inocentada como nação em um julgamento (cf. Sl 43:1; 135:14; Is 50:8; Lc 18:7), expurgado de suas transgressões. Nesse sentido, a justificação seria um ato declarativo.

Diante a impureza moral e ritual, a expectativa messiânica era de que o messias possibilitasse a justificação em um reino de justiça (Sl 97). Jesus não limitou essa justificação a uma nacionalidade. Antes, pregou a justificação de Deus aos pobres. O cobrador de impostos, e não o fariseu (hipocritamente autojustificado), voltou para casa justificado diante de Deus (Lc 18,14).

A morte de Jesus na cruz poderia ser vista como uma sentença condenatória por parte de Deus, mas sua ressurreição seria entendida pelos discípulos como a “vindicação” ou “justificação” de Deus da obra de Jesus (cf. Atos 3:14-15, 26; 1 Tim 3:16). O Novo Testamento retrata Jesus Cristo cumprindo essa expectativa messiânica pelo sangue de sua morte (Rm 3:24-25) e pela sua ressurreição. Esses eventos foram para justificação (Rm 4:25), possibilitando que a humanidade obtenha paz com Deus (Rm 5:1) e implantando o seu reino de justiça, paz e alegria no Espírito Santo (Rm 14:17).

TEOLOGIA

A justificação é o tema central da teologia protestante, oriunda de uma preocupação presente nas teologias ocidentais desde o século XI acerca da obra de expiação.

Diversas teorias soteriológicas tentam explicar como Jesus Cristo foi oferecido pelo pecado (2 Co 5:21), para que a humanidade mediante a fé nele fosse justificada (Rm 3:26). Metáforas como resgate, regeneração, restauração, redenção, processo penal, participação da natureza divina integram a doutrina da justificação à doutrina da salvação.

Agostinho apresentou justificação como “ficar ou fazer justo” diante de Deus em contraste com o que ele representava o pensamento de Pelágio sobre a justificação como imitação da obra justa de Cristo.

Lutero distinguiu didaticamente entre justiça coram deo (diante de Deus) e coram mundo (diante do mundo). A justiça coram deo seria uma justiça passiva, a justiça da fé, a justiça do Evangelho ou justiça de identidade, porque restaura a identidade do homem como filho de Deus. Não é baseado em obras. A justiça coram mundo também é chamada de justiça ativa, justiça civil, justiça da lei e justiça da razão, justiça de caráter e trata das atitudes e comportamentos de uma pessoa. O homem é capaz de fazer grandes coisas pelo próximo por meio de sua razão e força. No entanto, essas boas obras são imperfeitas, maculadas por desejos pecaminosos e motivações impuras. Assim, não pode merecer a salvação. No entanto, Deus cuida do bem-estar temporal deste mundo e espera que as obras do homem cuidem de suas criaturas. Enquanto somente Deus é responsável pela salvação somente pela graça através da fé somente não tira as responsabilidades do homem dentro do mundo.

Muitos teólogos e o protestantismo popular após Lutero confudiram essa distinção didática como se fossem processos distintos. Assim, atribuíam um caráter salvítico somente à justificação coram deo, temendo que a justiça coram mundo pudesse implicar obras meritórias. Assim, várias vertentes teológicas negligenciaram as consequências transformativas da justificação e as consequências das boas obras produzidas pelos justificados em Cristo: os que andam em novidade de vida em retidão por graça de Deus.

Várias vertentes evangélicas buscaram além dos aspectos forenses e dessa teologia popular. Abordagens weslayanas e algumas católicas enfatizam a união mística em Cristo. O pentecostalismo clássico sintetiza aspectos forenses com transformativos ao considerar a justificação como ato do Espírito Santo que vindica o crente e o capacita para obras de justiça. A hermenêutica da obediência da teologia anabatista lê os escritos paulinos (e o conceito de justificação) a partir dos evangelhos, principalmente do Sermão da Montanha. As perspectivas luteranas da nova escola finlandesa aproxima a teologia da cruz, o Christus Victor e conceitos de theosis com a doutrina de justificação.

O avanço das ciências bíblicas e o aumento da interação entre diversas tradições cristãs que compreendem a justificação com suas nuances demandou uma revisão teológica em setores do protestantismo de tradição anglo-saxônica. A chamada Nova Perspectiva de Paulo, por exemplo, é uma delas. Um dos seus expoentes, NT Wrigh, argumenta que a ‘justificação’ paulina está embasada em quatros conceitos. Há um tribunal da lei cósmica; um propósito progressivo de Deus (‘escatologia’); o fato da realização de Deus em Jesus Cristo e da participação humna nele; e, um propósito divino único, mediante Israel, para todo o mundo (‘aliança’).

Apesar dos diferentes ângulos, formulações e terminologias há um consenso teológico sobre a justificação. Como processo da graça, a justificação e a regeneração — ambas inseparáveis — estão envolvidas na ação de Deus em tornar as pessoas justas, derramando em seus corações amor por si mesmo e pelo próximo.

BIBLIOGRAFIA

Beilby, James K.; Eddy, Paul R. (eds.). Justification: Five Views. London: SPCK, London, 2012.

Carson, Donald A. Right with God: Justification in the Bible and the World. Wipf and Stock, 2002.

Hägglund, Bengt. The Background of Luther’s Doctrine of Justification in Late Medieval Theology. Augsburg Fortress, 1971.

Kärkkäinen, Veli‐Matti. “Salvation as Justification and Theosis: The Contribution of the New Finnish Luther Interpretation to Our Ecumenical Future 1.” Dialog 45.1 (2006): 74-82.

Macchia, Frank D. Justified in the Spirit: Creation, Redemption, and the Triune God. Eerdmans Publishing, 2010.

Mattes, Mark C. The Role of Justification in Contemporary Theology. Lutheran Quarterly Books. Grand Rapids: Eerdmans, 2004.

McGrath, Alister E. Iustitia Dei: a history of the Christian doctrine of justification. Cambridge University Press, 2005.

Spence, Alan J. Justification: A Guide for the Perplexed. London: T & T Clark, 2012.

Wright, N.T. Justification: God’s Plan and Paul’s Vision. London: SPCK, 2008.

Declaração Conjunta sobre a Doutrina da Justificação. 1999.

Cruxificação

A crucificação — em grego σταυρόω, stauroō, “colocar postes”; em latim cruci affigare, “amarrar a uma cruz”; em hebraico תלה, , “pendurar”; צלב,“pendurar”– era uma forma de tortura e execução no mundo antigo.

A cruxificação prendia uma pessoa em um poste de madeira ou árvore usando cordas ou pregos. Foi o método utilizado na execução de Jesus.

Jericó

Jericó era uma idade a oeste do rio Jordão e ao norte do Mar Morto. Uma das mais antigas ocupações urbanas da história, controlava um ponto de passagem da região do Jordão para as colinas centrais de Efraim e Judá. Chamada de “Cidades das Palmeiras” (Dt 34:3; Jz 1:16; 3:13).

Foi conquistada por Josué (Js 6) e visitada por Elias e Eliseu (2 Re 2).

Josué teria amaldiçoado as ruínas (vide Herem) contra quem a reconstruísse: “à custa de seu primogênito lançará os alicerces, e à custa de seu filho mais novo levantará as suas portas'” (Js 6:26). A maldição de Josué foi cumprida durante o reinado do rei Acabe. “Nos seus dias, Hiel de Betel edificou Jericó. Ele lançou os alicerces à custa de Abirão, seu primogênito, e ergueu as suas portas às custas de seu filho mais novo, Segube, de acordo com a palavra de o Senhor, o que ele falou por meio de Josué, filho de Num”. (1 Re 16:34).

Jerusalém

Jerusalém era centro político, econômico e religioso do antigo Israel.

Antiga cidade cananita ocupada pelos jebuseus. Chamada anteriormente de Salém, tornou-se capital do antigo Israel pela conquista de Davi, por volta de 1000 a.C. (2 Sm 5).

Em Jerusalém foi construído o primeiro templo sob Salomão (c.966) (1 Reis 5) e depois o Segundo Templo reconstruído pelo exilados (c 520 a.C.).

Os eventos finais da vida de Jesus e os iniciais da Igreja primitiva ocorreram em Jerusalém. Foi destruída pelos romanos em 70 a.C.

O termo Jerusalém passou a representar a cidade eterna, morada de Deus meio ao reino restaurado.

Flávio Josefo

Flávio Josefo historiador judeu helenístico (ca. 37-ca. 100 d.C.).

Membro da elite religiosa e política de Jerusalém, foi um dos comandantes dos revoltosos judeus. Depois de capturado, passou para o lado dos romanos na Primeira Guerra Romano-Judaica.

Adotou o nome da família de seus benfeitores (a dinastia flaviana). Empenhou-se em compilar trabalhos apologéticos e historiográficos para explicar o mundo judeu aos gregos e romanos. Dentre suas obras contam:

  • A Guerra Judaica: um relato da rebelião contra Roma em 66-70 a.C. com informações começando pouco antes do período dos Macabeus;
  • As Antiguidades Judaicas: uma história geral dos hebreus;
  • Contra Apion, uma defesa do judaísmo;
  • Vita: uma autobiografia.

Josefo forneceu inestimáveis informações históricas sobre o judaísmo e seus antecedentes. É a principal fonte para compreender a história dos israelitas de 200 a.C. a 100 d.C. Sua narrativa da rebelião, da qual foi um participante, é parcialmente a de uma testemunha ocular. Também fornece informações primárias sobre os essênios e os fariseus (ele esteve em um momento ou outro associado a ambos), bem como informações sobre os saduceus. Josefo é importante para entender o judaísmo do Segundo Templo e o contexto no qual o cristianismo e o judaísmo rabínico se desenvolveram.

Alexandre Janeu

Sumo-sacerdote e rei Hasmoneu da Judeia (103-76 a.C.), notório por liderar o maior e mais forte período de um estado judaico fora da Bíblia.

Filho de João Hircano, herdou o trono de seu irmão Aristóbulo I, além de ter casado com sua viúva, Salomé Alexandra.

Expandiu o reino de Judá por toda a região costeira do Monte Carmelo até a fronteira egípcia. Durante seu reinado, houve anos de agitação causada por ataques nabateus e muito do território sob seu reino foi perdido. Contudo, recuperou grande parte de seu território mais tarde, incluindo o Golã (Gamla) em 81 a.C. e a região da margem oriental do Jordão. Forçou a conversão das populações conquistadas ao judaísmo.

Entre 93 e 87 a.C., apoiado pelos saduceus, entrou em conflito com os fariseus na Guerra Civil Judia.

Jeroboão II

Jeroboão II filho de Jeoás (em hebraico יָרָבְעָם, yarov’am) e rei do Reino do Norte de Israel. Parte da dinastia nimsita, reinou 41 anos, ca. 786–746 aC., contemporaneamente a Uzias e Amazias de Judá. Bem-sucedido política e militarmente, expandiu o reino do norte.

Do reinado de Jeroboão II restam poucas fontes bíblicas (2 Re 14:23-29, Amós e Oseias), mas a profusão de artefatos arqueológicos encontrados em Samaria contribuem para reconstruir este período histórico. O selo de Shema, servo de Jeroboão, atesta esta época, bem como provavelmente são boa parte dos óstracos de Samaria. Os eruditos que argumentam que Joel seja pré-exílico situam o livro nessa época. Há menção de um profeta chamado Jonas (2 Re 14:23-25), mas tratando o rei de modo oposto a Amós 6:13-14.

Militarmente conquistou partes da Síria (até Lebo-Hamate, ao norte de Damasco) e territórios do sul, já na área de Judá, até o Mar Morto.

Junto da hegemonia política veio a prosperidade comercial. Samaria estava no centro de uma rota comercial ligando o Egito, o Mediterrâneo, a Mesopotâmia, a Arábia e o Levante. O comércio de azeite, vinho e, consequentemente, vasos cerâmicos enriqueceram o reino de Israel. Foi o período de maior densidade populacional na região. O letramento cresceu e surgem os primeiros profetas literários.

Seu reinado coincide com várias marcas históricas, como o terremoto M1 ≍ 8.2 (c.750), a primeira olimpíada (776) e a fundação legendária de Roma (753). Nessa época os gregos e os etruscos desenvolvem seus alfabetos.

Junto com a prosperidade vieram problemas de injustiça e idolatria, denunciados por profetas como Oseias e Amós. Os assírios passaram a cobiçar o pequeno reino. Após o reinado de Jeroboão II, o reino de Israel cairia em decadência até a conquista assíria em 722 a.C.