Amalequitas

Os amalequitas eram os descendentes de Amaleque, que era neto de Esaú (Gn 36:15-16). Como povo, os amalequitas aparentemente eram nômades (talvez, o que os distinguia dos outros edomeus) que habitavam o território sul do Levante.

Os amalequitas foram os primeiros inimigos a atacar Israel em suas jornadas pelo deserto do Egito (Êx 17:8-16). Outras referências a eles sugerem que eram saqueadores proficientes de aldeias e comunidades agrárias (1Sm 30:1-20; Jz 6:1-6).

A injunção de exterminar os amalequitas aparentemente foi levada a cabo (Dt 25:17–18, Êx 17:14 e 1 Sm 15:3). Teriam sido extintos no reinado de Ezequias (1 Cr 4:43). Desse modo, não restam vestígios arqueológicos ou alusões extra-bíblicas a respeito dos amalequitas.

Na história israelita os amalequitas passaram a representar o inimigo arquetípico antissemita, como Hamã, no Livro de Ester.

Quenezeu

Família ou povo de significado incerto. Está entre os povos que Deus prometeu a Abraão que os israelitas desapropriariam (Gn 15:19). Os quenezeus viviam no Negebe, região desértica ao sul de Judá, antes da conquista dos israelitas. A tribo de Judá absorveu alguns dos quenezeus como Calebe e Otniel, enquanto Edom absorveu outros. Os quenezeus talvez fossem aparentados dos queneus, compartilhando a metalurgia (1 Crônicas 4:13-14).

O nome provavelmente deriva seu nome de Quenaz – um descendente de Esaú (Gn 36:11, 15) – e chefe dos edomitas (Gn 36:42). Jefoné, o quenezeu, pode ter se casado com uma mulher da tribo de Judá. Seu filho era Calebe (Nm 32:12; Js 14:6, 14; 15:13) e Otniel é chamado de filho de Quenaz.

Temã

Temã ou Teman, em hebraico תֵּימָן,, teiman, “sul”, é uma região e cidade em Edom (Jr 49: 7, 20; Ez 25:13; Amós 1:12; Obad 1:9; Habacuque 3:3).

Temã recebe o nome de um descendentes de Esaú. Temã seria neto de Esaú e filho de Elifaz (Gn 36:11; 1 Cr 1:36).

Em Ezequiel 25:13, a referência a Temã em contraste com Dedã, um oásis árabe a sudeste de Edom, pode implicar que Temã se localizava no norte de Edom. No entanto, a localização de Temã permanece incerta, talvez seja o mesmo oásis de Tayma, no noroeste da Arábia, referido como Temá em Jó 6:19.

A cidade era referida por metonímia a toda Edom (Jr 49:7, 20; Obadias 1: 9; Habacuque 3:3).

Edom

Refere-se a (1) Esaú, irmão de Jacó (Gn 25:3o) e (2) a região do sul do Levante onde seus descendentes habitavam. Mais tarde seria chamados em grego de Idumeia.

Além da Bíblia, são mencionados em documentos egípcios. Aparecem em um lista do faraó egípcio Seti I de c. 1215 aC; na crônica de campanha de Ramsés III (r. 1186–1155 aC). A arqueologia demonstra que na região cresceu as vilas agrícolas e pastoreio seminômade entre os séculos XIII e VIII aC. A nação foi conquistada pelos babilônios no século VI aC.

Nos períodos babilônico e persa os edomitas foram empurrados para o oeste em direção ao sul de Judá por tribos nômades vindas do leste; como os nabateus noo século IV aC. Durante o século II aC, os edomitas foram convertidos à força ao judaísmo pelos asmoneus, fundindo-se com os judeus.

A sabedoria edomita era proverbial (Jr 49:7; Ob 8). No geral, os textos tentativamente identificados como edomitas na Bíblia refletem um pessimismo e resignação às circunstâncias da vida. Esses textos ou fontes incluem a hipótese edomita de Jó; Gn 26; Salmos 88; 89 6-19; Prov 30; 31 1-9, e a transmissão por vias edomitas do material egípcio contido em Sal 104 e Prov 22: 17-2.

A religião edomita era similar aos dos israelitas e outros semitas do sul do levante. Vários registros onomásticos e artefatos arqueológicos atestam os cultos a El, El-Baali e Manat/Manawat, Qos (que talvez seria a divindade nacional de Edom), Shamash, Nabu, Sin, Baal, Sidq, Shalem, Isis, Apis ou Osiris, bem como o digno de nota YWHW. O nome do deus Yaho é atestado pela onomástica e pela óstraca AL 283, a qual menciona um templo, a Casa de Yaho, entre os edomitas.