Elizabeth Baxter

Mary Elizabeth Foster Baxter (1837-1926) escritora, missionária e biblista britânica.

Nascida em uma família de quakers em Worcestershire, na Inglaterra. Converteu-se aos 21 anos e dedicou-se ao ministério evangelístico. Casada com Michael P. Baxter em 1868, foram pais de Michael Paget Baxter. O casal fundou a Casa Bethshan em 1880 para cuidar da cura do corpo e da alma. Foram influenciados por Andrew Murray, D. L. Moody e Ira Sankey. Em razão disso, participaram ativamente do movimento “Higher Christian Life”, promovido por William E. Boardman e difundido pela Convenção de Keswick.

O casal apoiava as campanhas de Moody na Inglaterra, publicando um pequeno jornal chamado “Signs of Our Times”. O jornal se expandiu para se tornar “The Christian Herald”.

Em viagem em férias à Suíça, o casal começou a realizar reuniões evangelísticas. Durante uma viagem na Alemanha, Elizabeth teve a experiência de ser capaz de pregar em alemão o suficiente para ser entendida, embora ela soubesse apenas poucas palavras do idioma. Nesse período, Elizabeth conheceu o pastor Otto Stockmayer, Samuel Zeller e teve contato com as obras de Dorothea Trudel e Johann Blumhardt.

Em 1886, os Baxters abriram uma casa de treinamento missionário, formando centenas de missionários. Estabeleceram as Missões Gerais Kurku e Central Hills e Ceilão e Índia na Índia. Na década de 1890, Elizabeth viajou pelo Canadá e pelos Estados Unidos. Em 1894, também conheceu e tornou-se amiga de Carrie Judd (mais tarde Montgomery), que havia aberto sua própria casa de recuperação em Nova York. Mais tarde, viajaria para as missões na Índia.

Publicou mais de quarenta livros, além de tratados volantes e panfletos. Seu Women in the Word (1897) faz um panorama com vários perfis de mulheres nas Escrituras.

Susanna Colantonio

Susanna Maria Antonietta Colantonio Lewen (1891-1980), também chamada Susie Colantonio, foi evangelista e pregadora ítalo-americana. Foi uma das primeiras pessoas após o avivamento de Chicago partir para a Itália e formar um núcleo de crentes batizados pelo Espírito Santo.

Nascida em Chicago do casal de abruzzenses Michele Colantonio (1857 – 1949) e Fiorangela “Florence” Balzano (1872-1917). Sua família converteu-se a Cristo e participava da Primeira Igreja Presbiteriana Italiana de Chicago, da qual sua tia Rosina Balzano Francescon, irmã de Fiorangela, ocupava funções de liderança.

A família retornou para a Itália, quando Susanna tinha 15 ano. Duas vilas, Castel San Vincezo e Castellone al Volturno, província de Isérnia, Abruzzos, foram evangelizadas pela família. Na região foi formada uma igreja ligada aos valdenses.

Após seu retorno a Chicago, Susanna estranhou as mudanças em sua igreja e começou a frequentar a escola dominical na missão North Avenue de William Durham e a Congregação Italiana então sem nome reunida na West Grand Avenue. Depois de experimentar a efusão no Espírito Santo com diversos sinais, seus pais presbiterianos proibíram-na de congregar.

Em casa, continuou a buscar os dons do Espírito Santo, quando teve seu batismo com sinal de falar em novas línguas. A partir disso, seus pais decidiram voltar para a Itália, o que aconteceu por volta do início de 1908.

No sítio da família em Castellone al Volturno ela começou a pregar Atos 2 sobre o derramamento do Espírito Santo nos últimos dias. Depois de alguma resistência paterna, toda a família aceitou seu testemunho e começaram a realizar cultos. Alguns dias depois Susanna batizou várias pessoas em um riacho do sítio.

Susie permanceu por quatro anos, pastoreando ovelhas na fazenda da família. Mantinha sua fé pela leitura da Bíblia e cânticos. Testemunhou vários milagres de atendimento de necessidade de alimentos e curas.

Tendo já esquecido a língua inglesa e rejeitado seu repatrio aos EUA por razões médicas, compareceu ao consulado americano. Nessa ocasião, teve sua habilidade de falar inglês fluentemente renovada.

Retornou sozinha os Estados Unidos e conheceu um ex-monge franciscano. Após conduzi-lo a Cristo, casaram-se em 1914 no Michigan. Seu marido John Dean Lewen (Lewan ou Lewandowski) (1895-1951) trabalhava como gráfico e depois tornou-se ministro do evangelho. O casal viajou muito os Estados Unidos dando testemunho e exortando as congregações pentecostais.

BIBLIGRAFIA

FamilySearch


Colantonio Lewen, Susanna M., The Story of My Life, Chicago: s.d.

Lucy Leatherman

Lucy Leatherman (1870–1925), missionária e pioneira pentecostal.

Nascida perto de Greencastle, Indiana, frequentou a Escola de Treinamento Missionário de A. B. Simpson em Nyack, Nova Yorque. Teria também tido uma educação superior.

Após se tornar viúva de um médico frequentou a Escola Bíblica de Topeka, Kansas, dirigida por Charles Parham. Em 1901 Lucy Farrow impôs-lhe as mãos para que recebesse os dons do Espírito Santo.

Durante o avivamento da Rua Azusa, Leatherman frequentou os cultos. Lá, teria falado em línguas que ela acreditou que fosse o árabe e sentiu um chamado de ir à Palestina. Logo partiria em sua primeira viagem missionária, totalmente pela fé e sem o apoio financeiro ou denominacional. Em agosto de 1906 partiu junta de Louisa Condit e o missionário sueco Andrew Johnson. No trecho dessa viagem através dos Estados Unidos o grupo conduziram várias reuniões de busca dos dons.

Em Colorando Springs, CO, encontraram com William Durham, pastor de uma missão de santidade independente em Chicago. O grupo introduziu-lhe a mensagem da efusão dos dons e o do batismo no Espírito Santo.

Em Nova Iorque se hospedaram na Alliance House, mantida por A. B. Simpson. Lá encontraram e oraram juntos com T. B. Barratt, pioneiro pentecostal na Escandinávia. Vários receberam o batismo do Espírito Santo na cidade e o grupo estabeleceram um missão com vários congregando. Então, Leatherman convidou a Marie Burgess e seu marido Robert Brown para assumirem as responsabilidades da missão, a Glad Tidings Tabernacle, umas maiores congregação pentecostais da cidade de Nova Yorque e entreposto misisonário.

O grupo chegou a Jerusalém no final de 1906, onde ajuntou um pequeno grupo de crentes batizados pelo Espírito Santo. Leatherman visitou várias cidade do Oriente Médio e iniciou a igreja em Assiout, aonde depois viria Lillian Trasher fundar seu famoso orfanato.

Em 1909 Leatherman partiu para a Arábia, depois Índia, Hong Kong, Xangai e Yokohama, onde adoeceu. Poucos meses depois foi às Filipinas e aos EUA.

Em 1911 iniciaria sua segunda viagem missionária. Visitou os crentes pentecostais da Grã-Bretanha e se estabeleceu em Jerusalém em fevereiro de 1912. Nessa época, Giacomo Lombardi teria visitado sua igreja em Jerusalém. No ano seguinte, esteve em Beirute e no Egito.

Com o início da Primeira Guerra Mundial em 1914, Leatherman retornou aos Estados Unidos.

Sua terceira viagem missionário foi em 1917. Nessa época se filia à Igreja de Deus (Cleveland). Esteve no Panamá a caminho de Valparaíso, Chile. No Chile visitou e pregou nas igrejas dirigidas por Willis Hoover. Em 1920-1921, esteve em Buenos Aires, onde congregou na Asamblea Cristiana de Villa Devoto. Argentina. Enferma, retornou aos EUA em 1921 (ou em 1923).

Com a saúde deteriorada, morreu em 1925. Era talvez a pessoa que mais tinha viajado em missões dentro do movimento pentecostal. Foi também o elo que conectou pioneiros e congregações em vários continentes.

BIBLIOGRAFIA
Alexander, Estrelda. The Women of Azusa Street. Cleveland: The Pilgrim Press, 2005.

Anderson, Allan. Spreading Fires: The Missionary Nature of Early Pentecostalism. Londres: SCM, 2007

Newberg, Eric N. The Pentecostal Mission in Palestine. Eugene, OR: Pickwick, 2012.