Zobá

Zobá, em hebraico צוֹבָה, tsovah; חֲמָת צוֹבָה, chamath tsovah; אֲרַם צוֹבָא, aram tsova’, foi um pequeno reino sírio situado a nordeste de Damasco. Durante os reinados de Saul, Davi e Salomão houve guerra entre Zobá e os israelitas.
(1Sm 14.47; 2Sm 8.3-8; 10.6-8; 1Rs 11.23; título do Sl 60; 2 Cr 8:3).

Hipótese jebusita

A hipótese jebusita propunha que o sumo sacerdote Zadoque era um sacerdote jebuseu nativo de Jerusalém.

Os jebusitas eram os habitantes de Jerusalém antes da ocupação israelita que cultuavam ao Deus Altíssimo (El Elyon, Gênesis 14:18).

Davi teria posto Zadoque como sumo sacerdote depois de conquistar Jerusalém para ganhar o apoio de seus novos súditos jebuseus. A nomeação de Zadoque também facilitaria a identificação de Yahweh com a divindade jebusita El Elyon. O nome Zadoque vem da raiz ṢDQ, que também ocorre entre vários habitantes pré-israelitas de Jerusalém, por exemplo, Melquisedeque (Gênesis 14:18) e Adoni-Zedeque (Josué 10:1).

Aage Bensen (1933) propôs essa hipótese para explicar as muitas discrepâncias nas genealogias de Zadoque na História e Crônicas Deuteronomistas. Apesar de ter obtido uma moderada aceitação, as críticas de Frank Moore Cross levantaram dúvidas sobre essa hipótese. Moore Cross notou que a raiz ṢDQ é um elemento comum em nomes semíticos do noroeste e que Davi é retratado como um devoto Yahwista na História Deuteronomista, textos que desfavorecem o culto estrangeiro. Ele postulou que Zadoque seria um sacerdote Aarônida.

BIBLIOGRAFIA

Cross, Frank Moore. “Canaanite myth and Hebrew epic.” Canaanite Myth and Hebrew Epic. Harvard University Press, 1973.

Na’aman, Nadav. “Jebusites and Jabeshites in the Saul and David story-cycles.” Biblica (2014): 481-497.

Ramsey, George W. “Zadok”. Em The Anchor Bible Dictionary VI., editado por David Noel Freedman, 1034-1036. Nova York: Doubleday, 1992.

Rendsburg, Gary A. (2001). “Reading David in Genesis”. Biblical Archaeology Review. Biblical Archaeology Society. 17 (1).

Rowley, Harold H. “Zadok and Nehushtan.” Journal of Biblical Literature (1939): 113-141.

Ainoã

Ainoã, em hebraico אֲחִינֹעַם‎ “meu irmão [é] agradável”. Nome de duas mulheres na Bíblia.

  1. Ainoã, esposa de Saul, filha de Aimaás. Provável mãe de Jônatas, Isvi, Malquisua, Merabe e Mical.
  2. Ainoã, a segunda das esposa do rei Davi. Originária de Jezreel e mãe de Amom.

Com base em 2 Sm 12:8, alguns intérpretes sugerem que seja a mesma pessoa. Outros biblicistas não consideram esse argumento convincente, dada a vedação de casar com sogra (Lv 20:14) e a passagem citada teria ocorrido no reinado de Isbaal.

BIBLIOGRAFIA

Edelman, Diana. “Ahinoam (Person)”, The Anchor Yale Bible Dictionary. (David Noel Freedman. ed.) New York: Doubleday, 1992, 1:118.

Abisague

Abisague, em hebraico אֲבִישַׁג, de significado incerto, talvez “sábia, educada”. Foi uma mulher jovem de Suném que se tornou cuidadora de Davi nos seus últimos dias.

Quando Davi já não era capaz de manter seu próprio corpo aquecido, seus cortesãos buscaram em Israel uma donzela para aquecê-lo, deitando-se em seu peito. Abisague, porém não foi “conhecida” por Davi (I Re 1:1-4).

Após a morte de Davi, Adonias quis se casar com Abisague. Ele persuadiu Bate-Seba a interceder por ele diante do rei. Salomão suspeitou que fosse uma aspiração ao trono e matou Adonias (1 Re 2: 17-25).

BIBLIOGRAFIA

Bachmann, Mercedes L. García. “What is in a Name? Abishag the Shunammite as sokenet in 1 Kings 1: 1-4.” Out of Place: Doing Theology on the Crosscultural Brink (2016): 233.

Hess, Richard S. “David and Abishag: The Purpose of 1 Kings 1: 1–4.” Homeland and exile. Brill, 2010. 427-438.

Inscrição de Tel Dan

A inscrição Tel Dan, composta em aramaico antigo em uma estela de basalto, contém uma celebração de vitória do rei da Síria.

Foi descoberta entre 1993 e 1994 durante escavações em Tel Dan (Tell el-Qadi), próximo ao Monte Hermom, ao norte do moderno Israel e a sudoeste de Damasco. Este sítio arqueológico teria sido a antiga cidade de Dã ou Laís.

A inscrição de Tel Dan, estimada ser ou do final do século IX ou do século VIII a.C., contém uma das possíveis primeiras menções à “Casa de Davi“.

A estela de Tel Dan é um monumento de propaganda política e militar de reis sírios. Provavelmente relata eventos relacionados com 2 Reis 8:7-15, 28; 9:15-16 quando Hazael, rei de Damasco, enfrentou os israelitas.

Abiatar

Abiatar filho de Aimeleque, sacerdote da aldeia de Nobe da tribo de Levi.

Abiatar foi o único sobrevivente de um massacre ordenado por Saul contra a vila sacerdotal de Nobe. Aparentemente Abiatar (e os sacerdotes de Nobe) eram vinculados ao Santuário de Siló, cuidado anteriormente por Eli e Samuel (1 Reis 2:26-27). Depois, refugiou-se com Davi, atuando como seu “capelão”. Permaneceu leal a Davi durante a sedição de Absalão, mas apoiou Adonias contra Salomão.

Alguns comentaristas veem em Abiatar como membro ou ancestral de uma linhagem rival anterior à de Zadoque, a família sacerdotal de Jerusalém do reinado salomônico até o exílio (2 Sam 8:17; 1 Samuel 22: 20-23; 2 Samuel 15: 24-37; e 1 Reis 2:26-27).

Mateus 12: 1-13 e Marcos 2: 23-28 registram Jesus citando a passagem do Antigo Testamento (1 Sam. 21: 2-7) que fala de Davi em fuga pediu pão da proposição ao sacerdote Aimeleque (Texto Massorético, LXX). Mas o relato de Marcos nomeia o sacerdote como Abiatar.

Em 1 Cr 24 Abiatar é listado como descendente de Aarão e em Juízes 18:30-31 (onde um nun indica variação no Texto Massorético) os sacerdotes de Siló traçam sua linhagem por Moisés, via Gérson.

Abigail

Abigail, em hebraico אביגיל. São duas mulheres desse nome que aparecem nos livros de Samuel.

  1. Abigail, esposa de Nabal. Intercedeu junto a Davi para salvar a vida de seu marido (1 Sm 25:23–31). Nabal morreu em dez dias depois. Davi então se casou com a inteligente e bela Abigail.
  2. Abigail, mãe de Amasa, o comandante-chefe do exército de Absalão (2 Sm 17:25). Chamada irmã de Zeruia, portanto, seria tia de Joabe. O Texto Massorético chama Abigail de filha de Naás. Em Crônicas (1 Cr 2: 13–16), Abigail e Zeruia são chamadas de irmãs de Davi.

BIBLIOGRAFIA

MANESCHY, M. C.; ÁLVARES, M. L. M. Abigail: protagonismo feminino em contexto patriarcal, a partir de uma personagem bíblica. Anais do V Encontro Amazônico sobre Mulheres e Relações de Gêneros, p. 82. UFBPA, Belém, 2019. http://encontroamazonico.org/anais-do-evento.html

NICOL, George G. “David, Abigail and Bathsheba, Nabal and Uriah.” Scandinavian Journal of the Old Testament : SJOT 12, no. 1 (1998): 130-45. DOI 10.1080/09018329808585131

ZION, Noam; ZUCKER, David J. “Abigail and Abel’s Wise Woman.” The Jewish Bible Quarterly 49, no. 4 (2021): 263-72.

ZUCKER, David J.; ZION, Noam. Abigail of Maon and the Wise Woman of Abel: Speaking Truth to Power. Women in Judaism[s. l.], v. 17, n. 2, p. 1–26, 2020. Disponível em: https://search-ebscohost-com.ezproxy.vid.no/login.aspx?direct=true&db=rfh&AN=ATLAiGU0210906000051&site=ehost-live. Acesso em: 22 fev. 2022.

Davi

Davi filho de Jessé (hebraico דָּוִד; דָּוִיד ; grego Δαυίδ; “amado”) foi rei de Judá e depois sobre todo Israel no período da monarquia unida. Teria reinado entre c. 1010 a c. 970 a.C.

O ciclo narrativo sobre Davi aparece de 1 Sm 16:13-1 a Re 2:12. Pastor do rebanho de seu pai, tornou-se músico na corte de Saul e se voluntariou para enfrentar os filisteus. Perseguido pelo enciumado Saul, não se levantou contra o rei, mas viveu em fuga, ajuntando um grupo de soldados irregulares. O profeta Samuel ungiu Davi como o futuro rei de Israel.

Após a morte de Saul, Davi unifica as tribos , mas enfrenta dificuldades em sua vida familiar.

Errante e dependente do perdão divino, Davi é o arquétipo do beneficiário da graça. Os salmos davíticos expressam essa relação de confissão, clamor e conforto esperando no Senhor. Com a promessa de que sua linhagem ocuparia o trono de Israel para posterioridade, nos livros dos profetas a dinastia davídica ocupa uma posição especial. Assim, na esperança messiânica o legado de Davi aparece em Jesus Cristo como herdeiro de seu reino.