Inscrição de Tel Dan

A inscrição Tel Dan, composta em aramaico antigo em uma estela de basalto, contém uma celebração de vitória do rei da Síria.

Foi descoberta entre 1993 e 1994 durante escavações em Tel Dan (Tell el-Qadi), próximo ao Monte Hermom, ao norte do moderno Israel e a sudoeste de Damasco. Este sítio arqueológico teria sido a antiga cidade de Dã ou Laís.

A inscrição de Tel Dan, estimada ser ou do final do século IX ou do século VIII a.C., contém uma das possíveis primeiras menções à “Casa de Davi“.

Abiatar

Abiatar filho de Aimeleque, sacerdote da aldeia de Nobe da tribo de Levi.

Abiatar foi o único sobrevivente de um massacre ordenado por Saul contra a vila sacerdotal de Nobe. Aparentemente Abiatar (e os sacerdotes de Nobe) eram vinculados ao Santuário de Siló, cuidado anteriormente por Eli e Samuel (1 Reis 2:26-27). Depois, refugiou-se com Davi, atuando como seu “capelão”. Permaneceu leal a Davi durante a sedição de Absalão, mas apoiou Adonias contra Salomão.

Alguns comentaristas veem em Abiatar como membro ou ancestral de uma linhagem rival anterior à de Zadoque, a família sacerdotal de Jerusalém do reinado salomônico até o exílio (2 Sam 8:17; 1 Samuel 22: 20-23; 2 Samuel 15: 24-37; e 1 Reis 2:26-27).

Mateus 12: 1-13 e Marcos 2: 23-28 registram Jesus citando a passagem do Antigo Testamento (1 Sam. 21: 2-7) que fala de Davi em fuga pediu pão da proposição ao sacerdote Aimeleque (Texto Massorético, LXX). Mas o relato de Marcos nomeia o sacerdote como Abiatar.

Em 1 Cr 24 Abiatar é listado como descendente de Aarão e em Juízes 18:30-31 (onde um nun indica variação no Texto Massorético) os sacerdotes de Siló traçam sua linhagem por Moisés, via Gérson.

Davi

Davi filho de Jessé (hebraico דָּוִד; דָּוִיד ; grego Δαυίδ; “amado”) foi rei de Judá e depois sobre todo Israel no período da monarquia unida. Teria reinado entre c. 1010 a c. 970 a.C.

O ciclo narrativo sobre Davi aparece de 1 Sm 16:13-1 a Re 2:12. Pastor do rebanho de seu pai, tornou-se músico na corte de Saul e se voluntariou para enfrentar os filisteus. Perseguido pelo enciumado Saul, não se levantou contra o rei, mas viveu em fuga, ajuntando um grupo de soldados irregulares. O profeta Samuel ungiu Davi como o futuro rei de Israel.

Após a morte de Saul, Davi unifica as tribos , mas enfrenta dificuldades em sua vida familiar.

Errante e dependente do perdão divino, Davi é o arquétipo do beneficiário da graça. Os salmos davíticos expressam essa relação de confissão, clamor e conforto esperando no Senhor. Com a promessa de que sua linhagem ocuparia o trono de Israel para posterioridade, nos livros dos profetas a dinastia davídica ocupa uma posição especial. Assim, na esperança messiânica o legado de Davi aparece em Jesus Cristo como herdeiro de seu reino.

2 Samuel

O livro de 2 Samuel continua a narrativa da emergência da monarquia unida de Israel. O foco é na pessoa, aventura e ascenção política de Davi. Em perspectiva de sua narrativa teológica, a queda da Casa de Saul — creditada a uma séries de erros e transgressões — serve de prólogo para o estabelecimento de Sião como local de culto a Deus e sua perpétua aliança com a Casa de Davi, apesar de suas transgressões.

Davi é registrado como uma candura e amor sincero, mesmo para com a Casa de Saul que o perseguiu, mas apresenta um lado ímpio nas maquinações que levaram à morte de Urias e seu relacionamento com Betseba.

O livro de 2 Samuel provavelmente fazia parte integral da coleção que é o livro de 1 Samuel e, talvez, da mesma coleção com os livros dos Reis. Esses quatro livros na versão grega antiga (Septuaginta) são chamados de quatro Livros dos Reinados.