Yetzer ha-Ra’

Yetzer ha-Ra’, em hebraico יֵצֶר הַרַע, é o conceito judaico de inclinação ou impulso para o mal. O conceito é derivado de Gn 6:5, 8:21.

No pensamento rabínico, Deus fez as inclinações boas (Yetzer Ṭob) e más (Yetzer ha-Ra’). No entanto, mesmo este último tem alguma bondade, porque a humanidade então ordena o amor de Deus. Ambas as inclinações são inerentes à humanidade e não interagem de forma dissociada. Juntos, eles ajudam a criar a vida humana pelos interesses da ânsia de lucrar, casar, ter filhos, comer e beber. É similar ao conceito de vícios privados, benefícios públicos da fabula abelhas de Bernard de Mandeville.

Segundo os rabinos, o Yetzer ha-Ra’ tem sete nomes diferentes na Bíblia: mal (Gn 8. 21); incircunciso (Dt 10. 16); impuro (Sl 51.12); inimigo (Prov 25. 21); pedra de tropeço (Is 57. 14); pedra (Ez 36. 26); e escondido (Jl 3.20). É popularmente identificado com as concupiscências da carne, vingança, avareza, traquinagem infantil, ira, violência, vaidade, idolatria, inveja e outros atos reprováveis.

Mais tarde, na Idade Média, o conceito foi identificado com Satanás e com o anjo da morte (B. B. 16a; comp. Maimônides, “Moreh”, 3. 12, 3. 22).

O Yetzer ha-Ra’ não é de origem humana ou demoníaca, mas tem Deus como o Criador de tudo. O ser humano é responsável por ceder à sua influência. Com as instruções de Deus (Torá), a humanidade é capaz de resistir às más inclinações e fazer o bem.

De acordo com Rabi Jonathan, o Yetzer, como Satanás, engana o homem neste mundo e testemunha contra ele no mundo vindouro (Suk. 52b). No entanto, distingue-se de Satanás. Em outras ocasiões é apresentado como paralelo ao pecado. (Gen. Rabbah 22; a parábola de 2 Sm 12. 4). Deus finalmente destruirá o Yetzer ha-Ra’, como prometido em Ez 36: 26.

O termo “yetzer” aparece tanto em Dt 31. 21 e em Is 26. 3 para a disposição da mente. No Judaísmo do Segundo Templo, essa inclinação tornou-se mais cristalizada em Siraque 15. 14: “Deus criou o homem desde o princípio… e o entregou nas mãos de seu Yetzer.” (Cf. Siraque 6.22; Ed 4.18, Rm 7.7-24)

O conceito de pecado original não existe no judaísmo no sentido de a queda de Adão ter transmitido a maldade à posterioridade. Adão e Eva já tinham a inclinação para o mal, mas o pecado de desobediência não foi motivada pela Yetzer ha-ra’, a escolha deles sopesou as duas Yetzer. Por vezes, as noções de depravação humana irremediável ou de concupiscência no cristianismo são comparáveis com o conceito de Yetzer ha-Ra’.

BIBLIOGRAFIA

Allen, Wayne. Thinking about Good and Evil. JPS Essential Judaism. Lincoln: Jewish Publication Society, 2021. 

Rosen-Zvi, Ishay. Demonic Desires. Divinations: Rereading Late Ancient Religion. Philadelphia: University of Pennsylvania Press, 2011.

Rosen-Zvi, Ishay. “Refuting the Yetzer: The Evil Inclination and the Limits of Rabbinic Discourse.” The Journal of Jewish Thought & Philosophy 17, no. 2 (2009): 117-41.

Sol, Adam. “”Were It Not for the Yetzer Hara”: Eating, Knowledge, and the Physical in Jonathan Rosen’s “Eve’s Apple”.” Shofar (West Lafayette, Ind.) 22, no. 3 (2004): 95-103.

Towers, Susanna. “The Rabbis, Gender, and the Yetzer Hara: The Origins and Development of the Evil Inclination.” Women in Judaism 15, no. 2 (2018): 1.

“Yeẓer ha ra'”  Jewish Encyclopedia.

Fermento

O fermento, em hebraico חָמֵץ, chamets; שְׂאֹר, se’or; e em grego ζύμη, zymē, é a substância biológica que faz uma massa crescer.

O fermento era apenas um pedaço de massa fermentada retirada para posterior uso (Mateus 13:33).

O fermento era removido das casas israelitas durante a Festa dos Pães Ázimos, ou pães sem fermento (Êx 12:15, 19; 13:7). Também era vedado o fermento nas ofertas de grãos (cf. Êx 23:18; Lv 2:11).

Figurativamente o fermento era visto como um elemento corruptor, pois “um pouco de fermento leveda toda a massa” (1 Co 5:6; Gl 5:9). Em Mt 16:6 “fermento” refere-se ao ensino ruim comparável ao “Se’or sheba-‘isah” = “o fermento na massa”, correspondendo ao conceito talmúdico de “yetzer ha-ra” (Berakhot 17a), a inclinação congênita para o mal. No entanto, Jesus menciona o fermento uma vez de forma positiva, referindo-se à mudança causada pelo reino dos céus (Mt 13:33).

Satanás

Sstanás, ou Satã, é a forma grega do termo hebraico satan (שָׂטָן), um substantivo genérico que significa “acusar” ou “adversário”.

Nas Escrituras o mal aparece como pessoal, ou seja, agente (com capacidade de ação) e personificado (com identidade), sendo representado por diversas formas. Depois do exílio babilônico os diversos nomes e alusões pessoais ao mal fundiram-se na figura do Inimigo, Satanás (forma grega do hebraico satan, adversário, cf. 1 Sam 29:4, Sal 109:6; Nm 22:22), ou Diabo (grego para “caluniador”, cf. Jó 1:9-11, Zc 3:1-5, Apo 12:10).

No Antigo Testamento, a figura de Satanás aparece apenas três vezes. Em Jó 1-2 e Zacarias 3:1-2 Satanás é um membro da corte divina que acusa os humanos diante de Deus. Em 1Cr 21:1, aparece como incitador do erro. No entanto, no Antigo Testamento não aparece como um inimigo de Deus ou como o líder das forças demoníacas do mal.

No NT, o Mal é personificado e aparece com frequência, especialmente nos Evangelhos. Recebe outras designações além de Satanás, entre as quais “diabo” (Mt 4:1), “tentador” (Mt 4:3), “acusador” (Ap 12:10), “governante dos demônios” (Lucas 11:15), “governante deste mundo” (João 12:31), “Belzebu” (Mt 10:25) e “o maligno” (Mt 5:37; Ef 6:13).

Na concepção judaica a figura do ha-satan (“o satanás”) é entendida de forma diversa, porém mais comumente como um promotor celestial, subordinado a Yahweh, que acusa a nação ou algum israelita na corte celestial.

Interpretações populares na Idade Média elaboraram um mito de origem de Satanás como originalmente o maior dos anjos que se rebelou contra Deus e foi lançando à Terra para enganar e combater a Verdade. Mais tarde, textos como Isaías 14:11-23 e Ezequiel 28:11-19, referentes aos reis de Babilônia e de Tiro, passaram a ser interpretados para dar suporte a essa narrativa. A batalha do céu de Ap 12:7-12 não relata a origem do Diabo, nem diz quando ocorre a origem do mal.

Tanto nos escritos judaicos quanto nos cristãos, prevê a derrota de Satanás pelo poder de Deus (Ap 20:1-15).