Nabonido

Cerca de 3000 registros históricos apontam para Nabonido (555 – 539 a.C.) como o último monarca babilônico. As Crônicas de Nabonido (descobertas em 1884), as Inscrições de Nabonido em Harran (publicadas em 1956) e a Oração de Nabonido encontrada nos manuscritos do Mar Morto (4QPrNab) apontam para um período de ausência do rei. Nesse período, Nabonido teria ficado em Temã, um oásis no noroeste da Arábia, e seu filho Belsazar (r.550–539 a.C.) permaneceu como regente da Babilônia.

Os interesses de Nabonido pela história motivou-o a escavar em busca de artefatos, escrever uma cronologia da história mesopotâmica e construir um museu. Desconsiderando as deidades babilônicas estabelicida, teria voltado ao culto do deus Sin. Sin, Nanna dos sumérios, era representado pela lua crescente e tido como o criador de todas as coisas, pai dos céus e chefe dos deuses. É possível que em Dn 2-4 se refira a Nabonido.

Semelhante a Enkidu, o homem feral do épico de Gilgamesh, Nabucodonosor (ou Nabonido) teria vivido no campo como animal, antes de sua restauração. Por fim, após a sua morte, o Império Babilônico sucumbiu aos persas.

Oração de Nabonido (4QPrNab), originalmente composta por judeus que viviam na Babilônia, sugere que o rei sofria de um grave problema de pele. Então, Nabonido teria fugido da Babilônia para o deserto. Lá, orou ao Deus dos judeus por sua restauração.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: