Listra

Listra, em grego Λύστρα, era uma cidade da Licaônia. No século I passou a fazer parte do sul da província romana da Galácia, região central da Anatólia.

Paulo e Barnabé pregaram na cidade. Depois de uma cura miraculosa, o povo quis adorá-los pela manhã. No entanto, depois de algumas horas tentou apedrejá-lo, na mesma noite (Atos 14:6-21).

Inscrição de Xanthos

Designação dada às inscrições encontradas em Xanthos, na Ásia menor, na moderna de Kınık no sul da Turquia, notoriamente a:

  1. A inscrição trilíngue de Letoon, ou trilíngue de Xanthos, é uma inscrição nos idiomas Lício padrão ou Lício A, grego e aramaico em uma estela de pedra de quatro lados chamada Estela Trilíngue Letoon.
  2. Obelisco de Xanthos, uma inscriação tumular em grego e lício.

As inscrições de Xanthos atestam a língua indoeuropeia anatólica lícia bem como a presença da cultura aramaica no oeste da Anatólia nos séculos V e IV a.C., durante o Império Persa.

Tiatira

Tiatira na Ásia Menor, agora a cidade turca de Akhisar, também é chamada em português de Tiátira.

Os gregos chamaram-na anteriormente de Pelopia e Semiramis. O nome Tiatira remonta do período selêucida, quando foi refundada por Seleuco Nicator. Situava-se no limite entre a Lídia e a Mísia, às margens do rio Lico, ficava à esquerda da estrada de Pérgamo a Sardes. Era um centro comercial e industrial têxtil.

Tiatira aparece ligada com Lídia, mercadora de púpura. (At 16:14). É também uma das sete igrejas do Apocalipse (Ap 2:18-29).

Sardes

Sardes era a capital do antigo reino da Lídia, uma das cidades mais importantes do Império Persa, sede de um procônsul sob o Império Romano. Situava-se no meio do vale do rio Hermo, no sopé do Monte Tmolus, onde hoje está Salihli (Sartmahmut ou Sart antes de 2005), com cerca de 5 mil habitantes. Dista 97 km de Éfeso e Esmirna.

Seu rio possuía muito ouro de aluvião. Seu rei Creso, que governou de cerca de 560 a 547 a.C., foi o primeiro a emitir as primeiras moedas de ouro puro (e prata) usadas no mercado. Nessa época, Sardes foi a capital do próspero império da Lídia.

Destruída por um terremoto no ano 17 d.C., foi reconstruída com suporte imperial romano. Conta com um templo a Artemis e Cibele além um banho e ginásio público. Foi uma importante cidade regional até o final do período bizantino.

Em Sardes há indícios que foi a fronteira ocidental do uso da língua aramaica, propagada durante os períodos persa e selêucida. É uma das leituras da localização de Sefarade de Obadias 1:20. Teve uma grande sinagoga, uma das maiores da Antiguidade. Em um estilo arquitetônico que relembra as basílicas cristãs, junto da vizinha sinagoga de Priene, a sinagoga de Sardes é um dos principais testemunhos materiais das comunidades judaicas da Ásia Menor na Antiguidade.

É uma das sete igrejas destinatárias das cartas de João do Apocalipse 3:1-6. A cidade teve como bispo Melito no século II.

Laodiceia

Laodiceia foi uma próspera cidade comercial na região da Frígia, no noroeste da Ásia Menor. Era vizinha das cidades de Colossos e Hierápolis (Col 2:1; Col 4:13-16), ficavam neste mesmo vale do rio. Modernamente, o sítio arqueológico situa-se perto da cidade de Denizli, Turquia

No reinado de Nero (60 d.C.) um terremoto destruiu completamente a cidade. Os habitantes recusaram a ajuda imperial para reconstrui-la e a restauraram com um estilo grego.

Havia uma considerável comunidade judia nessa região da Frígia. Antíoco III, o Grande, transportou 2.000 famílias judias da Babilônia para a Frígia. Cícero registra que Flaco confiscou 9 quilos de ouro destinado anualmente ao templo de Jerusalém (Pro Flacco 28-68). O martírio do judeus Lulianos e Pafos, registrado no Talmude, possivelmente aconteceram lá.

Epafras, retratado como um dos companheiros de Paulo, aparentemente foi pioneiro das igrejas nas três cidades (Cl 4:12-13). De acordo com Col 4:16, Laodiceia recebeu uma carta de Paulo, mas a epístola de Laodiceia, escrita por Paulo, não sobreviveu.

A igreja de Laodiceia foi uma das sete repreendidas em Apocalipse (Ap 3:14-22).

Alguns manuscritos aparecem no final de 1 Timóteo “Escrita de Laodiceia, metrópole da Frígia de Pacatiana”.

Esmirna

Esmirna era uma cidade na costa oeste da Ásia Menor. A atual Izmir possui cerca de 4 milhões de habitantes. Ficava no final de uma importante estrada leste-oeste, possuía um excelente porto e era cercada por ricas terras agrícolas. A liderança da cidade era consistentemente leal a Roma.

Esmirna é uma das sete cidades mencionadas no livro de Apocalipse (Ap 1:11). A mensagem dirigida a Esmirna reflete o conflito entre cristãos e judeus (Ap 2:9-10).

No século II, Inácio de Antioquia visitou Esmirna e depois escreveu cartas ao seu bispo, Policarpo. Policarpo, discípulo do apóstolo João, sofreu o martírio em 155 d.C.

Éfeso

Éfeso era cidade portuária e capital da Ásia Menor (Ásia Proconsular) entre Esmirna e Mileto. Foi sede do culto e Templo de Diana (Artemis). Seu teatro era o maior do mundo, com capacidade para 25.000 espectadores. Chegou a ser quarta maior cidade do império Romano no século I d.C. Hoje, é o sítio arqueológico Ayasuluk Höyük, próximo a Selçuk.

De acordo com Atos 18:19-21, Paulo navegou de Corinto para Éfeso com Priscila e Áquila, o casal que tinha instruído Apolo na cidade (Atos 18:24-26).

Paulo em sua terceira viagem missionária (Atos 19:1-20:1) permaneceu por mais de dois anos. Nesse período, teve uma grande comoção com a classe dos ourives. Depois, em seu caminho de volta a Jerusalém, Paulo se encontrou com os anciãos de Éfeso em Mileto (Atos 20:16-38). Em 1 Timóteo 1:3, Paulo encarregou Timóteo de permanecer em Éfeso. Seria destinatária da epístola paulina que leva o nome do povo da cidade.

A igreja de Éfeso é a primeira das sete igrejas do Apocalipse (Ap 1:11; 2:1-7).

Depois do período neotestamentário a Igreja de Éfeso teve por muito tempo prominência. Lendas e tradições posteriores dizem que João, o discípulo amado, estabeleceu-se na cidade. Daí teria escrito o evangelho que leva seu nome, teria sido mentor para Policarpo de Esmirna e Papias. Outra tradição tardia identifica Éfeso como local dos últimos anos e da morte de Maria, mãe de Jesus.

A lenda dos sete dormentes foi ambientada em Éfeso (dentre outros locais onde a lenda se repete). A Basília de São João, a casa e a Igreja de Santa Maria também são sítios da tradição cristã da cidade. Foi sede do concílio de Éfeso em 431, quando condenou as doutrinas nestorianas, o chamado de Terceiro Concílio Ecumênico.

Pérgamo

Pérgamo, a principal cidade da Mísia, na Ásia Menor. Esta cidade ficava às margens do rio Caicus, a cerca de 30 km do mar, próxima moderna vila de Bergama, na Turquia, às margens dos rios Selinus e Cetius. A antiga Pérgamo era famosa por seu templo de Esculápio e termas, o que fez da cidade um centro terapêutico e local de nascimento do médico Galeno.

No período helenista, Eumenes, rei de Pérgamo, decidiu fazer uma biblioteca para rivalizar com a biblioteca de Alexandria, Egito. Entretanto, o faraó Ptolomeu Filadelfo vedou a exportação de papiro. Então, o pergaminho foi inventado e produzido em massa Pérgamo, dando o nome a esse suporte material.

Em meados do século II, Pérgamo era uma das maiores cidades da província, Tinha cerca de 200.000 habitantes.

Foi uma das “sete igrejas” (Ap 1:11; 2:17), notória por sua maldade. O templo de Zeus talvez tenha dado a designação de “trono de Satanás”, tendo sido reconstruído em um museu em Berlim. Sob Augusto, o primeiro culto imperial, o neocorato, foi estabelecido na província da Ásia na cidade. A igreja de Pérgamo foi repreendida por se desviar da verdade e abraçar as doutrinas de Balaão e dos nicolaítas. Conta-se entre seus fiéis, Antipas de Pérgamo, um fiel mártir de Cristo.

Hierápolis

Hierápolis, em grego Ιεράπολις, que significa cidade sagrada, centro da Frígia, onde havia uma igreja cristã sob os cuidados de Epafras (Cl 4:12, 13). Esta igreja foi fundada ao mesmo tempo que a de Colossos.

Um importante centro no Vale do Lico na Frígia e na rota comercial do Egeu ao Eufrates e à Síria corria de Éfeso, Esmirna e Mileto, subindo o vale do Meandro. Lá viveu, Epicteto, filósofo estóico.

As três principais cidades do Vale do Lico aparecem no Novo Testamento. Laodiceia, Colossos e Hierápolis. A igreja de Hierápolis foi fundada durante o ministério de Paulo em Éfeso, por esse processo de difusão pelas estradas principais que era um princípio de sua estratégia. Epafras (Cl 4:12, 13) parece ter estado lá. Polícrates, bispo de Éfeso, no final do século II, cita uma tradição que Filipe ministrou nesta igreja.

Troas

Troas ou Trôade, em grego Τρῳάς, era um porto na costa do mar Egeu da Ásia Menor, na foz do Dardanelos.

Cidada fundada em 300 a.C. no império selêucida, mas distante de sua capital Antioquia, logo ganhou sua independência como reino de Pérgamo.

No livro de Atos, Paulo passou por lá a caminho da Trácia e da Macedônia. Dez anos depois, após o tumulto em Éfeso, Paulo retornou e estabeleceu uma igreja cristã (2 Coríntios 2:12). Paulo teria deixado parte de seus pertences em Trôade (2 Timóteo 4:13).