Arade

A cidade de Arade na borda do Negev é mencionada três vezes em conexão com as peregrinação de Israel no deserto e com a conquista de Canaã. Cidade-estado com um rei cananeu, não foi conquistada pelo povo de Israel (Nm 21:1; 33:40; Js 12:14).

Arade foi inicialmente fundada no Terceiro Milênio, depois de despovoada nos meados da Idade do Bronze até ser refundada no século X aC.

Por sua posição estratégica, Arade passoy a ser um entreposto comercial e ponto de guarda de fronteira. Foi construído um forte.

Em Arade foram descobertos quase 200 óstracas de diversos períodos. Notavelmente importante são as óstracas do arquivo de Eliashib, datadas dos séculos VI-VII. As cartas desse destacamento militar atestam um letramento relativamente alto nessa época.

Belém

Belém é um cidade ao sul de Jerusalém, no território de Judá.

Depois que seu marido morreu, Rute, a moabita, estabeleceu-se com sua sogra.
Foi a cidade natal de Davi e o local de sua unção por Samuel (1 Sm 16). Seria o local do nascimento de Jesus em Mateus (2: 1) e Lucas (2:4), cumprindo uma tradição remontando de uma leitura do profeta Miquéias (5:2).

Éfeso

Éfeso era uma cidade grande e rica no oeste da Ásia Menor.

Uma quase revolta irrompe quando os artesãos efésios sentem que seus negócios estão ameaçados pela chegada de Paulo e de outros missionários cristãos, que negam que Deus possa ser fisicamente representado (Atos 19). A epístola paulina foi destinada à igreja dessa cidade, bem como em Apocalipse, João escreve-lhes uma carta.

Jericó

Jericó era uma idade a oeste do rio Jordão e ao norte do Mar Morto. Uma das mais antigas ocupações urbanas da história, controlava um ponto de passagem da região do Jordão para as colinas centrais de Efraim e Judá. Chamada de “Cidades das Palmeiras” (Dt 34:3; Jz 1:16; 3:13).

Foi conquistada por Josué (Js 6) e visitada por Elias e Eliseu (2 Re 2).

Josué teria amaldiçoado as ruínas (vide Herem) contra quem a reconstruísse: “à custa de seu primogênito lançará os alicerces, e à custa de seu filho mais novo levantará as suas portas'” (Js 6:26). A maldição de Josué foi cumprida durante o reinado do rei Acabe. “Nos seus dias, Hiel de Betel edificou Jericó. Ele lançou os alicerces à custa de Abirão, seu primogênito, e ergueu as suas portas às custas de seu filho mais novo, Segube, de acordo com a palavra de o Senhor, o que ele falou por meio de Josué, filho de Num”. (1 Re 16:34).

Jerusalém

Jerusalém era centro político, econômico e religioso do antigo Israel.

Antiga cidade cananita ocupada pelos jebuseus. Chamada anteriormente de Salém, tornou-se capital do antigo Israel pela conquista de Davi, por volta de 1000 a.C. (2 Sm 5).

Em Jerusalém foi construído o primeiro templo sob Salomão (c.966) (1 Reis 5) e depois o Segundo Templo reconstruído pelo exilados (c 520 a.C.).

Os eventos finais da vida de Jesus e os iniciais da Igreja primitiva ocorreram em Jerusalém. Foi destruída pelos romanos em 70 a.C.

O termo Jerusalém passou a representar a cidade eterna, morada de Deus meio ao reino restaurado.

Samaria

Samaria foi uma cidade e capital do reino do norte de Israel. A designação “Samaria” também pode referir-se ao Reino do Norte ou Israel, bem como a região circundante ou a área central dos samaritanos.

No início do século IX sob a dinastia de Onri (1 Re 16) a cidade foi um importante centro comercial e político.

Destruída pelos assírios em 722 a.C (2 Reis 17); seus principais cidadãos foram exilados e estrangeiros da Síria e da Mesopotâmia reassentados.

Samaria foi reconstruída com estilo helenístico a partir de 30 aC por Herodes, o Grande, que a renomeou como Sebaste em homenagem a Augusto César (‘Sebastos’ é a forma grega de ‘Augusto’).

Apesar da semelhança dos nomes, os samaritanos não consideram a cidade de Samaria importante, mas sim Siquém/Nablus, dada sua proximidade com o Monte Gerezim. Por essa razão, eruditos contemporâneos distinguem entre “samarianos” (habitantes de Samaria) e “samaritanos” (adeptos da religião israelita).