Delores Williams

Delores Williams (nascida em 1937) é teóloga womanista norteamericana.

Williams ocupou a Cátedra Paul Tillich de Teologia e Cultura no Union Theological Seminary em Nova York,onde estudou sob influência de James Cone.

Em seu livro “Sisters in the Wilderness”, Williams aponta que a teologia negra tinha uma perspectiva masculina e percebeu a necessidade de inclusão e reconhecimento das experiências únicas das mulheres negras. Inspirando-se na figura bíblica Hagar, Williams enfatizou a importância de incluir as histórias de indivíduos marginalizados, destacando sua luta pela libertação e encontrando redenção na vida de Jesus, em vez de se concentrar em sua crucificação.

BIBLIOGRAFIA

Williams, Delores. Sisters in the Wilderness: The Challenge of Womanist God-Talk. Maryknoll, NY: Orbis, 2013.

Nimi Wariboko

Nimi Wariboko (nascido em 1963?) é um teólogo, filósofo e economista nigeriano-americano.

Wariboko discute ética econômica, ética social cristã, tradições sociais africanas, estudos pentecostais e teologia filosófica. Desenvolve uma metodologia ética para políticas públicas em comunidades pluralistas abertas ao Espírito de Deus. Debate um sistema monetário global alternativo, explora o núcleo emancipatório da cultura africana e situa um “cuidado da alma” orientado para a justiça social na interseção da filosofia continental radical, economia e política.

BIBLIOGRAFIA

Wariboko, Nimi. The Pentecostal Principle: Ethical Methodology in New Spirit. Eerdmans, 2012.

Wariboko, Nimi. Nigerian Pentecostalism. University of Rochester Press, 2014.

Wariboko, Nimi. The Charismatic City and the Resurgence of Religion: A Pentecostal Ethics of Cosmopolitan Urban Life. Palgrave, 2014.

Wariboko, Nimi. The Split God: Pentecostalism and Critical Theory. SUNY, 2018.

Wariboko, Nimi. Ethics and Society in Nigeria: Identity, History, Political Theory. University of Rochester Press, 2019.

Wariboko, Nimi. The Pentecostal Hypothesis: Christ Talks, They Decide. Cascade, 2020.

William Hamilton

William Hamilton (1924-1990) foi um teólogo americano que desenvolveu uma teologia radical nas décadas de 1960 e 1970 associada ao movimento teológico da Morte de Deus.

A carreira acadêmica de Hamilton incluiu lecionar na Colgate University e no Union Theological Seminary.

O pensamento teológico e as contribuições de Hamilton focaram na ideia de que Deus havia morrido na era moderna e que as crenças cristãs tradicionais não eram mais viáveis à luz do conhecimento moderno.

John B. Cobb

John B. Cobb (nascido em 1925) é um teólogo e filósofo americano conhecido por seu trabalho na teologia do processo e uma voz proeminente nas áreas de teologia ecológica e diálogo inter-religioso.

A carreira acadêmica de Cobb se estende por mais de seis décadas, durante as quais lecionou em várias instituições, incluindo a Claremont Graduate School, a University of Chicago e a Emory University.

Cobb é autor de vários livros e artigos sobre teologia de processo, teologia ecológica e diálogo inter-religioso. O pensamento e as contribuições teológicas de Cobb estão centrados na ideia da teologia do processo, que enfatiza a natureza dinâmica da realidade e a interdependência de todas as coisas. Argumenta que Deus não é uma entidade abstrata, mas está presente e ativo nos processos contínuos do mundo.

Considerando a atividade contínuda de Deus no mundo, mantém preocupações ecológicas, argumentando que o bem-estar do planeta e de seus habitantes deve estar na vanguarda da reflexão e ação teológica.

Cobb tem sido uma figura influente no diálogo inter-religioso, particularmente entre o cristianismo e o budismo. Busca reconhecer as semelhanças e diferenças entre as diferentes tradições religiosas e encontrar maneiras de se envolver em diálogo e cooperação construtivos.

Rosemary Radford Ruether

Rosemary Radford Ruether (nascida em 1936) é uma teóloga e biblista cristã. Destacou-se na teologia feminista desde a década de 1970, vindo a desenvolver trabalho no ecofeminismo, que explora as conexões entre a dominação das mulheres e a exploração da natureza.

Ruether começou sua carreira acadêmica com graduação em línguas clássicas pelo Scripps College e doutorado em clássicos pela Claremont Graduate School. Mais tarde, obteve um segundo doutorado em teologia pela Pacific School of Religion. Ela ocupou cargos de professora em várias universidades, incluindo Howard University, Garrett-Evangelical Theological Seminary e Claremont Graduate University.

O pensamento teológico de Ruether é fortemente influenciado pela teologia da libertação e pelo movimento feminista. Argumenta que as estruturas patriarcais do cristianismo contribuíram para a marginalização das mulheres e a degradação do meio ambiente. Escreveu extensivamente sobre as interseções de gênero, raça e classe em teologia e ética, e tem sido uma forte defensora da justiça social e do ativismo ambiental.

As contribuições de Ruether para a teologia feminista incluem seu livro inovador “Sexism and God-Talk: Toward a Feminist Theology” (1983), no qual critica a teologia cristã dominante por sua exclusão das experiências e perspectivas das mulheres. Sobre ecofeminismo escreveu”Gaia and God: An Ecofeminist Theology of Earth Healing” (1992), que explora as conexões entre a opressão das mulheres e a exploração do meio ambiente.

Ao longo de sua carreira, Ruether tornou-se uma intelectual pública na conversa contínua sobre a relação entre religião, ética e justiça social. Foi reconhecida por suas contribuições com inúmeros prêmios e honrarias, incluindo o Prêmio Martin E. Marty da Academia Americana de Religião pelo Entendimento Público da Religião.

J. Denny Weaver

J. Denny Weaver (nascido em 1946) é um teólogo americano e professor emérito de Religião na Bluffton University.

Nasceu em Hutchinson, Kansas. Obteve seu PhD em Religião pela Universidade de Chicago.

Contribuiu ao conceito teológico de não violência e pacifismo, particularmente em seu livro “The Nonviolent Atonement”, publicado em 2001. Neste trabalho, argumenta que o foco da teologia baseada na violência e na ideia de que a morte de Jesus era necessária para expiar o pecado humano perpetua um ciclo de violência e reforça estruturas de poder opressivas.

A visão alternativa de expiação de Weaver centra-se na ideia da “narrativa Christus Victor“, que vê a vida e os ensinamentos de Jesus como uma forma de vencer os poderes do pecado e do mal. J. Denny Weaver demonstra a integralidade da justiça social e da pacificação na teologia e na prática cristã.

Outros trabalhos ​​de Weaver incluem “Becoming Anabatist” e “The Ethics of Nonviolence”, ambos os quais exploram a interseção da não-violência e do cristianismo. Suas contribuições para o discurso teológico foram influentes nas tradições anabatista e menonita, bem como em conversas mais amplas sobre o papel da religião na promoção da paz e da justiça.

Bernard Ramm

Bernard Ramm (1916-1992) foi um teólogo e apologista batista americano.

Um pioneiro em fundamentar o pensamento evangelical em bases racionais, discutiu a relação entre fé e razão. Ramm foi professor no California Baptist Theological Seminary e na Baylor University School of Theology.

A teologia de Ramm enfatizou a importância do rigor intelectual na defesa da fé cristã. Criticou a tendência de priorizar a experiência religiosa subjetiva sobre a argumentação racional. Seus livros incluem “Protestant Biblical Interpretation: A Textbook of Hermeneutics” (1956) e “The Christian View of Science and Scripture” (1954).

Anthony D. Palma

Anthony David Palma (1926-2023) exegeta e teólogo pentecostal ítalo-americano.

Nascido em uma família católica em Hoboken, NJ, apesar do sobrenome, não eram aparentados aos Palmas de Chicago e Syracuse. Aos doze anos converteu-se na Chiesa Cristiana della Fede Apostolica de Jersey City junto de sua família. Na época, era uma congregação pertencente à Igreja Cristã da América do Norte (CCNA).

Estudou em um instituto bíblico das Assembleias de Deus, a partir de então recebeu credenciais de ministro ordenado pelas Assemblies of God. Foi capelão militar e professor em várias faculdades. Obteve seu doutorado pelo Concordia Seminary em St. Louis, Missouri.

Foi presidente da Society for Pentecostal Studies. Participou de comissões teológicas da Associação Nacional dos Evangelicais (NAE) e da World Evangelical Fellowship.

Em sua reflexão teológica explicou os significados do Batismo no Espírito Santo e suas manifestações visíveis. Foi um hábil demonstrador da correlação do falar em línguas e o batismo no Espírito Santo. Entre suas obras mais notáveis estão O Espírito Santo (2001) e Batismo no Espírito Santo e com fogo (2002) e um comentário sobre 1 Coríntios para o Life in the Spirit Commentary.

BIBLIOGRAFIA

Palma, Anthony D. O Batismo no Espírito Santo e com fogo: os fundamentos bíblicos e a atualidade da doutrina bíblica pentecostal. Rio de Janeiro, CPAD, 2002.

Palma, Anthony D.The Holy Spirit: A Pentecostal Perspective. Gospel Publishing House/ Logion. 2001

Harvey Cox

Harvey Cox (1929- ) é um teólogo batista americano e professor da Harvard Divinity School. Cox discute sobre a interseção entre religião e sociedade, incluindo seus livros “The Secular City” e “Fire From Heaven”.

“The Secular City””, publicado em 1965, tornou-se um clássico no campo dos estudos religiosos. Neste livro, Cox argumenta que a urbanização e a secularização da sociedade não são ameaças à religião, mas sim oportunidades para que ela se adapte e prospere de novas maneiras. Diante da tese então em voga que o mundo moderno seria cada vez mais secularizado, Cox via a cidade como um lugar onde diversas culturas e visões de mundo podem interagir e aprender umas com as outras, levando a uma sociedade mais pluralista e tolerante. Seria uma oportunidade de viver o evangelho plenamente em um novo contexto.

Em “Fire From Heaven” apresenta as três dimensões da espiritualidade elementares (primal) do pentecostalismo. Segundo Cox, essas três dimensões são fala primal, piedade primal e esperança primal. A fala primal diz respeito à comunicação, incluindo a glossolalia, conhecida como “falar em línguas”. A piedade primal também é sobre comunicação, mas não verbal. Isso aponta para o ressurgimento do Pentecostalismo em relação à transe, visão, cura, sonhos, dança e outras expressões religiosas arquetípicas. A esperança primal aponta para a perspectiva milenarista do Pentecostalismo – sua insistência em que uma nova era radicalmente nova está prestes a surgir. Isso significa para os pentecostais a plena restauração dessa nova vida e idade no próximo mundo, após a morte.

Ao longo de sua carreira, Cox tem sido um defensor do cristianismo liberal e um crítico do fundamentalismo religioso. É um defensor vocal da justiça social e do papel da religião na promoção da paz e da compreensão entre diferentes culturas e religiões.

BIBLIOGRAFIA.

Cox, Harvey. Fire from Heaven: The Rise of Pentecostal Spirituality and the Reshaping of Religion in the Twentieth-Century. London: Cassell, 2000.

Gregory A. Boyd

Gregory A. Boyd (1957- ) é um teólogo, biblista e pastor evangélico americano associado ao neo-anabatismo.

Defende o pacifismo cristão e uma compreensão não violenta de Deus. Originalmente criado como católico romano, tornou-se ateu na adolescência até se converter ao pentecostalismo unicista. Mais tarde aderiu aos batistas.

Estudou na Universidade de Minnesota, Yale Divinity School e Princeton Theological Seminary.

Discute o teísmo aberto, acerca da natureza dinâmica e pessoal do relacionamento de Deus com a humanidade. Discorre também sobre Satanás, o problema do mal, a guerra espiritual e demonologia. É adepto do condicionalismo cristão ou aniquilacionismo.

Critica o cristianismo evangélico americano por estar muito politizado. O Reino de Deus sempre se parece com Jesus, sem procurar manter o controle ou o poder sobre os outros, mas servindo-os e amando-os com abnegação. Portanto, o evangelho não pode ser associado a nenhuma ideologia política ou nacionalista.

Sua congregação, Woodland Hills Church em St. Paul, Minnesota, era originalmente batista, mas em 2019 tornou-se não denominacional, cooperando com grupos anabatistas.

As obras influentes de Boyd incluem “Deus do Possível” (2000) e “O Mito de uma Nação Cristã” (2005).