Richard Swinburne

Richard Swinburne (nascido em 1934) filósofo e apologista ortodoxo inglês.

Swinburne discute filosofia da religião e filosofia da ciência. Propõe um dualismo e um teologia articulada com uma lógica modal. Em escritos para um público mais amplo, defende a plausibilidade do teísmo diante das críticas neoateístas.

Don Cupitt

Don Cupitt (nascido em 1934) é um filósofo da religião inglês. Foi ministro ordenado anglicano e professor na Universidade de Cambridge.

Defende uma filosofia da religião não realista. Debate as reivindicações sobrenaturais do cristianismo. Entrentanto, rejeita as doutrinas e a metafísica do cristianismo histórico em favor da consciência religiosa que caracteriza a identidade humana. Influenciado pela noção budista do Nada, desconsidera o teísmo objetivo. Tais posições levaram-lhe ser taxado como o “pároco ateísta”.

BIBLIOGRAFIA

Alves, Leonardo Marcondes. “O Deus pós-moderno“. Ensaios e Notas, 2010. https://ensaiosenotas.com/2010/12/03/o-deus-pos-moderno/

Cupitt, Don. The Sea of ​​Faith. Cambridge University Press, 1988.

Cupitt, Don. After God: The Future of Religion. Basic Books, 1997.

Cupitt, Don.  Is Nothing Sacred?: The Non-Realist Philosophy of Religion: selected essays. Fordham University Press, 2002.  http://www.jstor.org/stable/j.ctt1g2kn3r.

Joseph Mede

Joseph Mede (1586-1638) foi um filólogo, teólogo e exegeta inglês de orientação anglicana.

Mede screveu uma interpretação escatológica em um comentário do Apocalipse, Clavis Apocalyptica. Nessa obra, fez algumas previsões para o retorno de Cristo, uma delas para 1712.

Foi pioneiro em considerar possessões demoníacas como doenças mentais e propôs que o Livro de Zacarias teve mais de um autor.

Considerava o dia do juízo como um período de mil anos, precedido pela ressurreição dos mártires e sua admissão ao céu. Esse período seria um período de “paz mais feliz” para a Igreja na terra, mas rejeita expressamente um reino terrestre de Cristo.

Foi um proponente da tolerância de divergência de opiniões.

‘Eu nunca me vi propenso a mudar minhas afeições sinceras a alguém por mera diferença de opinião.’

‘Não posso acreditar que a verdade possa ser prejudicada pela descoberta da verdade.’

BIBLIOGRAFIA

Mead, Joseph by Alexander Gordon. Dictionary of National Biography, 1885-1900, Volume 37

Julian de Norwich

Julian ou Juliana de Norwich (1342 –c. 1416), uma anacoreta, mística e teóloga inglesa.

Autora de uma obra de reflexões devocionais e teológicas, Revelações do Amor Divino (Revelations of Divine Love, c. 1395), seria a primeira mulher a ser escritora em língua inglesa.

Ao sofrer uma doença que a deixou à beira da morte, recebeu várias visões, as quais compilou em um livro. Mais tarde, curada, escreveu explanações teológicas acerca das visões.

Sua teologia era otimista, orientada pela onibenevolência e amor de Deus em termos de alegria e compaixão. Como Isaías 49:15, equipara o amor divino com o amor materno. A reconciliação da humanidade com Deus foi mediante a encarnação quando compartilhou a “queda” humana no ventre de Maria. Ao encarnar-se, morrer e ressuscitar, Jesus experimentou em sua dupla natureza o nascimento, sofrimento e morte. Mas sendo divino, alterou para sempre a natureza humana.

Foi conselheira espiritual de sua comunidade. Recebeu visita de Margery Kempe.