Re’em

O termo hebraico re’em, רֶאֵם (Strong H7214; BDB 910), cognato árabe é rim refere-se a um animal mencionado nove vezes na Bíblia, mas seu significado permance incerto, sendo traduzido como unicórnio, búfalo, boi selvagem, rinoceronte e órix.

É plausível que o cognato árabe, o órix, seja o animal bíblico. O órix pertence a três famílias de grandes antílopes (gênero Oryx, família Bovidae, ordem Artiodactyla) vivendo em rebanhos em desertos e planícies secas da África e da Península Arábica. Os órixes possuem constituição forte e peitoral largo, com pescoços curtos, chifres retilíneos e membros longos. Adaptado ao deserto, é capaz de viver em um habitat sem água, quente e com ventos fortes.

A confusão de re’em com unicórnio surgiu a partir das traduções da Septuaginta, na qual o termo monoceros (μoνoκερως) foi utilizado.

CONCORDÂNCIA

Números 23:22: Deus os tirou do Egito; as suas forças são como as do unicórnio.
Números 24:8: Deus o tirou do Egito; as suas forças são como as do unicórnio; consumirá as nações, seus inimigos, e quebrará seus ossos, e com as suas setas os atravessará.
Deuteronômio 33:17: Ele tem a glória do primogênito do seu boi, e as suas pontas são pontas de unicórnio; com elas ferirá os povos juntamente até às extremidades da terra; estes, pois, são os dez milhares de Efraim, e estes são os milhares de Manassés.
Jó 39:9-10: Querer-te-á servir o unicórnio ou ficará na tua cavalariça? Ou amarrarás o unicórnio ao rego com uma corda, ou estorroará após ti os vales?

Salmos 29:6: Ele os faz saltar como a um bezerro; ao Líbano e Siriom, como novos unicórnios.
Salmos 22:21-23: Salva-me da boca do leão; sim, ouve-me desde as pontas dos unicórnios.
Isaías 34:7 E os unicórnios descerão com eles, e os bezerros, com os touros; e a sua terra beberá sangue até se fartar, e o seu pó de gordura se encherá.

O chifre de um animal selvagem frequentemente aparece como uma metáfora para a força física ou militar. A expressão “exaltar/erguer o chifre da buzina” significa vitória militar, por exemplo em 1 Sm 2:10; Sl 75:10; Sl 89:24; Sl 92:10; Lm 2:17.

Abadom

אֲבַדּוֹן‎ “destruição”; em grego Apolion Ἀπολλύων. Também traduzido como “perdição”.

Personificação do conceito de destruição, especialmente do caos do sheol, o domínio dos mortos, o “anjo do abismo” (Apocalipse 9:11).

CONCORDÂNCIA

Jó 28:22: A perdição e a morte dizem: Ouvimos com os nossos ouvidos a sua fama.
Jó 31:12: Porque é fogo que consome até à perdição e desarraigaria toda a minha renda.
Jó 26:6: O inferno está nu perante ele, e não há coberta para a perdição.
Salmos 88:11: Será anunciada a tua benignidade na sepultura, ou a tua fidelidade na perdição?
Provérbios 15:11: O inferno e a perdição estão perante o Senhor; quanto mais o coração dos filhos dos homens!
Provérbios 27:20: O inferno e a perdição nunca se fartam, e os olhos do homem nunca se satisfazem.

Apocalipse 9:11: E tinham sobre si rei, o anjo do abismo; em hebreu era o seu nome Abadom, e em grego, Apoliom.