Orville James Nave

Orville James Nave (1841-1917) foi um biblista e capelão metodista americano. Serviu no Exército dos Estados Unidos e compilou a Concordância Bíblica Tópica de Nave, um índice de tópicos temáticos. Levou 14 anos para compilá-la e teve sua primeira edição em 1896. Estima-se que haja cerca de 20 mil verbetes nas edições integrais dessa concordância.

BIBLIOGRAFIA

Nave’s Topical Bible – ‘Christian Classics Ethereal Library’

https://www.naves-topical-bible.com/

Concordância de Cruden

Alexander Cruden (1701-1770), auto-alcunhado de “Alexandre, o Corretor”, era um livreiro escocês baseado em Londres. Cruden produziu sua Complete Concordance to the Holy Scriptures of the Old and New Testament, uma concordância exaustiva da Bíblia King James.

Nascido em Aberdeen, entrou no Marischal College nessa cidade com intenções de vir a ser ministro, mas sua saúde mental e um amor frustrado o impediu. Apesar de excelente domínio do inglês, latim, grego e hebraico, perdeu um emprego como secretário de um nome por sua pronúncia imperfeita do francês. Abriu sua livraria em Londres e foi credenciado como um dos livreiros fornecedores da rainha.

Sua concordância colossal, com 3 colunas, 854 páginas, 250 mil citações, permitiu indexar sistematicamente o texto bíblico. Além de listar as palavras e suas referências, colocava cada palavra em um breve contexto. Foi um raro exemplo de formação de corpus textual meticuloso feito por uma só pessoa antes da era eletrônica. Concordâncias anteriores eram parciais e assistemáticas. Para a compilação Cruden trabalhou sozinho das 7 à 1 da manhã todos os dias e completou a maior parte da obra em menos de um ano.

Teve onze edições até 1848, além das obras derivativas, corrigindo eventuais erros. Foi amplamente utilizada até a publicação da Concordância Strong, que acabou substituindo-a. No entanto, edições derivativas ainda são publicadas.

O impacto exegético foi enorme. A separação das passagens com nomes de Deus com base no hebraico (“El” e “Jeovah”) influenciou o desenvolvimento da hipótese documental. Também foi a concordância utilizada por William Miller em suas leituras apocalípticas. Seu método foi aproveitado por lexicógrafos posteriores, como Samuel Johnson, além de ser um marco na linguística de corpus.

Cruden também foi editor, revisor e moralista. Acreditava que era sua missão vigiar a ortografia e gramática para garantir a moral nacional. Carregava uma esponja para corrigir ou apagar placas. Tinha desgosto pelo número 45, o qual também apagava, por ser associado ao escritor e político John Wilkins.

Como revisor, trabalhou em uma edição dos Comentários de Matthew Henry. Em 1750 produziu um pequeno Compêndio da Bíblia Sagrada, resumindo cada capítulo.

O custo exorbitante de sua Concordância e por ter deixado de lado sua loja para esse projeto deixou-o em dificuldades financeiras e em melancolia. Eventualmente, sua obra esgotou e Cruden viu uma segunda edição sair em 1761 e uma terceira em 1769.

BIBLIOGRAFIA

Cruden. Complete Concordance

Keay, Julia. Alexander the corrector: the tormented genius who unwrote the Bible. Harper Perennial, 2005.

Olivier, Edith. Alexander the Corrector: The Eccentric Life of Alexander Cruden. New York: The Viking Press, 1934.

Re’em

O termo hebraico re’em, רֶאֵם (Strong H7214; BDB 910), cognato árabe é rim refere-se a um animal mencionado nove vezes na Bíblia, mas seu significado permance incerto, sendo traduzido como unicórnio, búfalo, boi selvagem, rinoceronte e órix.

É plausível que o cognato árabe, o órix, seja o animal bíblico. O órix pertence a três famílias de grandes antílopes (gênero Oryx, família Bovidae, ordem Artiodactyla) vivendo em rebanhos em desertos e planícies secas da África e da Península Arábica. Os órixes possuem constituição forte e peitoral largo, com pescoços curtos, chifres retilíneos e membros longos. Adaptado ao deserto, é capaz de viver em um habitat sem água, quente e com ventos fortes.

A confusão de re’em com unicórnio surgiu a partir das traduções da Septuaginta, na qual o termo monoceros (μoνoκερως) foi utilizado.

CONCORDÂNCIA

Números 23:22: Deus os tirou do Egito; as suas forças são como as do unicórnio.
Números 24:8: Deus o tirou do Egito; as suas forças são como as do unicórnio; consumirá as nações, seus inimigos, e quebrará seus ossos, e com as suas setas os atravessará.
Deuteronômio 33:17: Ele tem a glória do primogênito do seu boi, e as suas pontas são pontas de unicórnio; com elas ferirá os povos juntamente até às extremidades da terra; estes, pois, são os dez milhares de Efraim, e estes são os milhares de Manassés.
Jó 39:9-10: Querer-te-á servir o unicórnio ou ficará na tua cavalariça? Ou amarrarás o unicórnio ao rego com uma corda, ou estorroará após ti os vales?

Salmos 29:6: Ele os faz saltar como a um bezerro; ao Líbano e Siriom, como novos unicórnios.
Salmos 22:21-23: Salva-me da boca do leão; sim, ouve-me desde as pontas dos unicórnios.
Isaías 34:7 E os unicórnios descerão com eles, e os bezerros, com os touros; e a sua terra beberá sangue até se fartar, e o seu pó de gordura se encherá.

O chifre de um animal selvagem frequentemente aparece como uma metáfora para a força física ou militar. A expressão “exaltar/erguer o chifre da buzina” significa vitória militar, por exemplo em 1 Sm 2:10; Sl 75:10; Sl 89:24; Sl 92:10; Lm 2:17.

Abadom

Abadom, em hebraico אֲבַדּוֹן‎ “destruição”; em grego Apolion Ἀπολλύων. Também traduzido como “perdição”.

Personificação do conceito de destruição, especialmente do caos do sheol, o domínio dos mortos, o “anjo do abismo” (Ap 9:11).

CONCORDÂNCIA

Jó 28:22: A perdição e a morte dizem: Ouvimos com os nossos ouvidos a sua fama.
Jó 31:12: Porque é fogo que consome até à perdição e desarraigaria toda a minha renda.
Jó 26:6: O inferno está nu perante ele, e não há coberta para a perdição.
Salmos 88:11: Será anunciada a tua benignidade na sepultura, ou a tua fidelidade na perdição?
Provérbios 15:11: O inferno e a perdição estão perante o Senhor; quanto mais o coração dos filhos dos homens!
Provérbios 27:20: O inferno e a perdição nunca se fartam, e os olhos do homem nunca se satisfazem.

Apocalipse 9:11: E tinham sobre si rei, o anjo do abismo; em hebreu era o seu nome Abadom, e em grego, Apoliom.