Comunhão

Do grego κοινωνία, koinonia, comunhão, participação conjunta, cooperação, prática de intimidade.

O termo possui vários significados e matizes.

1. Koinonia: do grego κοινωνία, aparece em 43 lugares no Novo Testamento e nenhuma vez na Septuaginta para denotar comunhão em diversas nuances.

Em sentido amplo, koinonia é expressa na physis (natureza humana corpórea), a qual todos compartilham (Hebreus 2:14).

Outro sentido é o de cooperação ou colaboração (Lucas 5:10; 2 Coríntios 8:23); compartilhamento de recursos para a coexistência (Atos 2:42).

Há outros sentidos específicos em relação a divindade e fraternidade, com algumas detonações são relevantes salientar.

A koninonia denota a interrelação divina e seu caráter (2 Pedro 1: 4), além de compartilhamento com Deus (1 João 1:6), entre Pai e Seu Filho (1 João 1:3), com Jesus (1 Coríntios 1:9) e seus sofrimentos (Filipenses 3:10; 1 Pedro 4:13), com sua glória futura (1 Pedro 5: 1), com o Espírito Santo (2 Coríntios 13:14; Filipenses 2:1).

O Novo Testamento menciona a possibilidade de koinonia com o sangue e o corpo de Cristo (1 Coríntios 10:16), bem como com sacrifícios a ídolos (1 Coríntios 10:18-20).

Há o madado para haver koinonia com outros cristãos, seus sofrimentos, consolo e fé (Atos 2:42; 2 Coríntios 1: 7; Filipenses 4:14; Gálatas 2: 9; 1 João 1: 3, 1: 7; Hebreus 10:33; Apocalipse 1: 9; Filemom 1: 6, 1:17).

Em si, a koinoia uma dádiva espiritual (Romanos 11:17), recebida com evangelho (1 Coríntios 9:23). Ainda que haja elementos incompatíveis (2 Coríntios 6:14), até as más obras podem ser efectualmente compartilhadas (Mateus 23:30; Efésios 5:11; 1 Timóteo 5:22; 2 João 1:11; Apocalipse 18: 4), afetando uns aos outros.

É ato de koinonia compartilhar o evangelho (1 Coríntios 9:23; Filipenses 1:5), suas graças (Romanos 15:27; Filipenses 1: 7), atender as necessidades materiais (Romanos 12:13, 15:26-27; 2 Coríntios 8:4, 9:13; Gálatas 6:6; Filipenses 4:15; 1 Timóteo 6:18; Hebreus 13:16).

2. : nos escritos paulinos o termo pistis, fé, para incluem os sentidos de vnculo de confiança e comunidade. Mais que um estado subjetivo de emoção, crença ou cognição, fé nesse contexto paulino é relacional (1 Ts 1:8; 3:2; 1 Co 2:5; 2 Co 15:14; Gl 2; Gl 6:10).

3. Egrégora: ἐγρήγορος egrêgoros, estar em vigilância, estar desperto, o sentimento e atmosfera quando um grupo compartilha uma motivação, direção e propósito. Em contexto de culto, denota à presença de Jesus Cristo mediante o Espírito Santo na assembleia dos fiéis. (Mt 18:20; Jo 14:26; At 2:1-4; Ez 36:27; Cl 4:2).

Koinonia é central na mensagem de Cristo, a qual se resume estar em uma comunhão de amor com Deus e o próximo (Mateus 22:37-39).

Em termos gerais, é um estado psicológico e relação com algo. Em sentido bíblico corresponde à fidelidade, confiança, comunhão relacional, convicção e depósito de crença.

No Antigo Testamento vários termos, normalmente não traduzidos, referem-se à fé. O mais comum deles é o ‘emunah,  אמונה, cujos sentidos originários eram do campo semântico de firmeza e estabilidade, do qual emerge o sentido de confiança e constância. Um de seus derivados é a palavra “Amém”. O emprego desse termo é diverso e tem conotações ativas. São geralmente traduzidas na Septuaginta por pisteoo, acreditar, e pistos, fiel.

Dois substantivos derivados são ‘emeth אֱמֶת, e ‘emunah אֱמוּנָה. Possuem um sentido passivo de fidelidade mais que algum sentido ativo de acreditar ou crer. Existem várias outras palavras que estão intimamente associadas à ideia de fé e fidelidade no Antigo Testamento, particularmente aquelas que denotam esperança. Outra raíz, h-s-d, denota a relação de Deus e o homem e do homem e o homem sob a aliança.

Os tradutores da Septuaginta preferiram o termo alētheia para ‘emeth e ‘emūnāh, o que quase sempre aparecem no Novo Testamento como verdade, realidade e autenticidade. Autores tardios do período do Segundo Templo refinaram o conceito, empregando também o termo grego antigo pístis (πίστις) com conotações distintas (Lindsay, 1993).

É bem notório que pístis aparece nesses textos de forma polissêmica. De uma lado do campo semântico pístis versa sobre o estado de espírito ou uma emoção de confiança a algo ou alguém. De outro lado do campo semântico, pístis é sobre o relacionamento e práxis feitos com segurança, lealdade, aliança e comunhão. (Morgan, 2015; Bates, 2017; Diggle, 2021).

Nas traduções latinas, consequentemente para o mundo ocidental, ‘emunah e pístis ganharam a conotação de fides, termo que já era utilizado para se referir à Pístis filosófica grega. A teologia latina, sobretudo a escolástica e mesmo a protestante transformou a semântica de fides para limitar-se à atividade cognitiva. Conforme formulado por Melâncton, a fides passou a compreender três coisas: notitia (entendimento), assensus, (reconhecimento) e fiducia (confiança). Entretanto, desde o século XVIII, tanto pelos avanços da epistemologia quanto pela ciências linguísticas e filológicas, os sentidos grego e hebraico de fé conforme a Bíblia foram redescobertos no mundo ocidental.

SAIBA MAIS

Bates, Matthew W. Salvation by Allegiance Alone: Rethinking Faith, Works, and the Gospel of Jesus the King. Baker Academic, 2017.

Diggle, James. The Cambridge Greek Lexicon. Cambridge University Press, 2021.

Lindsay, Dennis R. Josephus and Faith:” pístis” and” pisteúein” as Faith Terminology in the Writings of Flavius Josephus and in the New Testament. Vol. 19. Brill, 1993.

Morgan, Teresa. Roman faith and Christian faith: Pistis and fides in the early Roman Empire and early Churches. OUP Oxford, 2015