Inscrição da Cidadela de Amã

A Inscrição da Cidadela de Amã (KAI 307) é um artefato encontrando na antiga capital dos amonitas, datada do século VIII a.C.

Descoberta em 1961 na Cidadela de Amã e publicada vez em 1968 por Siegfried Horn, a Inscrição seria proveniente do templo-fortificado dos amonitas, na atual Amã, capital da Jordânia.

A inscrição é esculpida em um bloco de calcário branco de aproximadamente 26 × 19 cm, com partes da inscrição perdidas, nos lados direito e esquerdo. A maioria das letras são claramente visíveis e a pedra tem poucos vestígios de erosão. Contém oito linhas. Nas oito linhas aparecem 93 letras em estimadas 33 palavras em língua amonita, uma variante do contínuo linguístico cananeu.

  1. [… Mi] lcom construiu para vós as entradas da cidadela […]
  2. […] que todos os que te ameaçam certamente morrerão […]
  3. […] Certamente destruirei, e todos os que entrarem […]
  4. […] e entre todas as suas colunas os justos habitarãoo […]
  5. […] pendurará em suas portas um ornamento […]
  6. […] será oferecido dentro seu pórtico […]
  7. […] e segurança […]
  8. […] paz a vós e pa[z …]

Abarim

Em hebraico הָעֲבָרִים significa “além”, “lugar oposto”, “para lá”. É a cadeia de montanhas vistas a partir da margem oeste do Jordão (cf. Gn 50:10-11; Nm 22:1).

Nas Escrituras Hebraicas aparecem o “os montes de Abarim” (Nm 33: 47-48); “Esta montanha de Abarim” (Nm 27:12) ou “esta montanha de Abarim” (Dt 32:49) e“Pilha dos Abarim” (Nm 21:11; 33:44).

Entre seus picos está o Monte Nebo, de onde Moisés viu a terra prometida antes de sua morte (Nm 27:12; Dt 32:49).

Já o nome Abarim, sem o artigo, ocorre em Jr 22:20, para referir a uma região, talvez remota como Líbano e Basã.