Profecia de Nefer-rohu

Uma profecia do Novo Reino do Egito atribuída a Nefer-rohu, também chamado Neferti. É interessante por seu paraleo bíblico, mencionando o escurecimento do sol.

As Profecias de Neferti se passam em uma corte fictícia do Rei Snefru (c. 2575–2551 aC), que governou o Egito durante a Quarta Dinastia. A profecia de Nefer-rohu relata como o faraó Snefru foi alertado por um profeta que previu que o caos logo tomaria conta do Egito, mas que a ordem seria restabelecida quando Ameni da Núbia (uma referência a Amen-em-hep I, o primeiro rei da 12ª Dinastia) torna-se rei. Certamente, foi uma propaganda política para apoiar o governo de Amen-em-hep I.

“Um pouco mais tardia é a profecia de Nefer-rohu, que é extremamente interessante como o exemplo certo mais antigo de um vaticinium ex eventu” (Albright, 1940).

BIBLIOGRAFIA

Pritchard, ANET, 445.

Estela de Rimah

Estela de Rimah ou Estela de Adad-nirari III (810-782 aC), é um monumento monolítico descoberto em Tell er-Rimah, Iraque.

(filho de Hazael), rei da Síria, narrada em 2 Reis 13:5. Lista “Joás, o Samaritano” entre os reis estrangeiros que prestaram homenagem ao rei assírio.

Naram-Sin

Naram-Sin (c2254–2218 a.C.), rei de Acade. Autoproclamado deus de Acade e rei dos quatro cantos do mundo era neto de Sargão, o Grande (reinado de 2334 a 2279 aC). Vários artefatos arqueológicos e obras literárias registram sua belicosidade e atitude desafiadora ante os deuses, o que levaram a muitos verem paralelos com Ninrode (Gn 10:8-9) e com Jó.

A Estela da Vitória de Naram-Sin (c2254–2218), esculpida em um bloco de quase 2 m de calcário rosa, retrata o rei Naram-Sin liderando o exército acadiano na vitória sobre Lullubi, um povo das Montanhas Zagros.

A inscrição de Naram-Sin ou Estátua de Bassetki aparece no pedestal de uma estátua de cobre, representando uma figura masculina agachada de um monstro lahmu sem a parte superior do corpo. A estátua foi encontrada em 1975 perto de Bāṣetkī, atual Iraque. Depois que Naram-Sin repeliu uma grande revolta contra seu governo, os habitantes da cidade de Acade pediram aos deuses que fizessem de Naram-Sin o deus de sua cidade, e que construíssem um templo para ele no meio da cidade.

A Madição de Acade conta a história da destruição dessa cidade pelos deuses devido à impiedade de Naram-Sin. Discorre sobre problema do sofrimento sem sentido. O rei Naram-Sin tenta de arrancar dos deuses uma razão para sua miséria.

Este poema épico datado da Terceira Dinastia Ur (2047-1750) prertence ao gênero “literatura naru”, no qual a uma pessoa famosa (geralmente um rei) é o protagonista para representar a humanidade diante dos deuses.

Depois de os deuses boicotarem sem motivos suas bênçãos a Acade, Naram-Sin não consegue descubrir qual transgressão incorreu no desagrado divino. Depois de buscar em vão por sinais e presságios, fica em uma depressão por sete anos enquanto espera por uma resposta. Finalmente, cansado de esperar e enfurecido por não ter resposta, Naram-Sin marcha com seu exército contra o templo de Enlil em Ekur, na cidade de Nipur, o qual ele destrói. Em represália, Enlil envia os guti, um povo bárbaro, para pilhar Acade em punição.

PARALELOS BÍBLICOS

Dentre os paralelos temáticos com a literatura bíblica o corpus de Naram-Sin apresenta um rei que arrogantemente se considera divino, a discussão com seres divinos pela razão do sofrimento sem causa, um povo enviado para punição nacional.


BIBLIOGRAFIA

Abdul-Hadi Al-Fouadi, “Bassetki Statue with an Old Akkadian Inscription of Naram-Sin of Agade (B.C. 2291-2255). Sumer 32 (1976). Pl. ?. DS 67 S76 v. 32, 1976.

Black, J. The Literature of Ancient Sumer. Oxford University Press, 2006.

Epopeia de Gilgamesh

A epopeia de Gilgamesh é uma obra épica poética mesopotâmica que retrata a busca pela imortalidade por Gilgamesh, lendário rei de Uruk.

Compostos como contos orais dos sumérios, mais tarde foram fixados em textos cuneiformes em tabuletas de argila. A versão mais conhecida foi produzida pelo escriba Sin-Leqi-Unninni entre os séculos XIII e X a.C. em acádio.

O épico de Gilgamesh fazia parte do treinamento dos escribas. Talvez por essa razão haja tantas cópias e variações. Essas tabuletas foram encontradas nas bibliotecas e escritórios de copistas em Emar, Ugarit, Megiddo e Bogazkoy, cidades antigas da Crescente Fértil e da atual Turquia. O exemplar de Megido, datado do século XIV a.C., possibilita que os hebreus tivessem conhecimento desse épico há muito tempo antes do exílio babilônico.

Alguns paralelos bíblicos famosos são a versão do dilúvio de Ut-Napishtim, uma planta da vida e uma serpente astuta.

BIBLIOGRAFIA
Alves, Leonardo M. A Epopeia de Gilgamesh, Ensaios e Notas, 2018.

Sin-léqi-unnínni. Ele que o abismo viu: a epopeia de Gilgámesh. Tradução de Jacyntho Lins Brandão. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2017.

Instrução de Amenemope

Obra de literatura sapiencial egípcia que contém orientações de um pai para um filho, datada do século XII a.C.

Possui paralelos com Pv 22:17-24:22. Constitui um testemunho importante das fontes empregadas na composição das Escrituras e de circulação de ideias no Antigo Oriente Próximo (cf. 1 Re 4:29-31). Como no livro de Provérbios, a Instrução de Amenemope contém um prólogo, máximas e um epílogo.