Ofir

Ofir, em hebraico אוֹפִיר, ophir, de significado incerto.

  1. Um lugar bíblico associado com diversas riquezas, sobretudo ouro (1 Re 9:28; 10:11; 22:49; 2 Cr 8:18; 9:10; Jó 22:24; 28:16; Sl 45: 9; Is 13:12). A localização de Ofir é incerta, tendo sido especulado que seria o país de Punt dos egípcios (atuais Somália, Djibuti e talvez Iêmen), algum entreposto na Arábia ou na Índia. Para Ofir Salomão e Hirão de TIro enviaram uma expedição mercante que trouxe ouro, madeira de almugue (sândalo?), macacos, pavões, marfim e pedras preciosas (1 Rs 9: 27-28; 10:11; 2 Cr 8:18; 9:10). De Ofir Salomão recebeu 420 talentos (2 Cr 8:18 relata 450 talentos) de ouro. Um século mais tarde, quando o rei Josafá enviou uma frota semelhante a Ofir, a missão naufragou (1 Rs 22: 48-49; 2 Cr 20: 35-37). A frase “ouro de Ofir” passou a ser usada para destacar as coisas mais preciosas, incluindo a sabedoria (Jó 22:24; 28:16; Sl 45:9; Is 13:12). Em Tobias 13 a Nova Jerusalém é descrita como construída com pedras de Ofir. Um óstraco do século VIII aC foi achado perto da atual Tel Aviv, inscrita: “Ouro de Ofir a / para Beth-Horon.
  2. Ofir filho de Joctã, uma pessoa mencionada em Gn 10:29; 1 Cr 1:23.

Temá

Temá, em hebraico תֵּמָא ou תֵּימָא, em arábe é Tayma ou Teima, é uma cidade oásis no noroeste do deserto da Arábia.

Na Idade do Ferro, Temá floresceu. Foi um oásis murado na encruzilhada das principais rotas do incenso. Nessa rota, caravanas viajavam do sul para o leste da Arábia, para o norte para a Síria e para o oeste da Mesopotâmia

Textos mercantis mesopotâmico mencionam Temá em relação a Dedã, Quedar e Sabá, locais que controlavam o comércio de incenso desde o século VIII a.C.

Na Bíblia, Temá é associada a Ismael, filho de Abraão com Agar (Gn 25: 13-15; 1 Cr 1: 29-30). Jó 6:19 fala das famosas “caravanas de Temá”, que às vezes são combinadas com “os mercadores viajantes de Sabá” além de outros versos (Is 21:14; Jr 25:23). Talvez seja a mesma Temã, local incerto e cidade importante para o povo de Edom.

Em 734 aC, Temã passou a pagar tributo ao rei assírio Tiglate-Pileser III. Dois séculos depois, o rei neobabilônico Nabonido saqueou Temá, massacrou sua população e fez dela sua residência por 10 anos antes da queda de Babilônia em 539 aC.

A prosperidade de Temá atingiu o pico no século V a.C, quando se tornou a capital de uma província persa. Em apenas um século depois, o comércio de incenso declinou drasticamente e a cidade perdeu sua relevância comercial. No século I a.C., a cidade estava sob o controle dos nabateus.

Temã

Temã ou Teman, em hebraico תֵּימָן,, teiman, “sul”, é uma região e cidade em Edom (Jr 49: 7, 20; Ez 25:13; Amós 1:12; Obad 1:9; Habacuque 3:3).

Temã recebe o nome de um descendentes de Esaú. Temã seria neto de Esaú e filho de Elifaz (Gn 36:11; 1 Cr 1:36).

Em Ezequiel 25:13, a referência a Temã em contraste com Dedã, um oásis árabe a sudeste de Edom, pode implicar que Temã se localizava no norte de Edom. No entanto, a localização de Temã permanece incerta, talvez seja o mesmo oásis de Tayma, no noroeste da Arábia, referido como Temá em Jó 6:19.

A cidade era referida por metonímia a toda Edom (Jr 49:7, 20; Obadias 1: 9; Habacuque 3:3).