Cananeus

Cananeus eram os habitantes de Canaã antes do estabelecimento do povo de Israel. Etnicamente eram os mesmos povos da costa da Fenícia.

Os cananeus aparecem como descentes de Canaã, filho de Cam, um dos filhos de Noé (Gn 12).

Genericamente, o termo aplica-se ao diversos povos habitantes da região antes do israelitas:

  1. Gênesis 15:19-21 (10): queneus, heteus, amorreus, jebuseus, quenezeus, quenezeus, perizeus, cananeus, cadmoneus, refaim, girgaseus.
  2. Êxodo 3:17 (6): cananeus, pereseus, heteus, heveus, amorreus, jebuseus.
  3. Êxodo 23:28 (3): heveus, cananeus, heteus.
  4. Deuteronômio 7:1 (7): heteus, cananeus, jebuseus, girgaseus, perizeus, amorreus, heveus.
  5. Josué 24:11 (7): amorreus, heteus, jebuseus, perizeus, girgaseus, cananeus, heveus.

Crescente fértil

Região em forma de lua crescente no Oriente Médio que, em tempos antigos, se estendia do Egito e do Vale do Nilo ao longo da costa leste do Mar Mediterrâneo, passando pelos vales dos rios Tigre e Eufrates até o Golfo Pérsico. Foi a parte mais fértil do Oriente Médio e o berço das primeiras civilizações. O termo foi popularizado pelo arqueólogo James Henry Breasted (1865–1935).

A Crescente Fértil, dependento do autor, refere-se aos atuais Iraque, sudoeste do Irã, Kwaite, sul da Turquia, Síria, o Chipre, Israel, Palestina, Líbano, Jordânia, Egito e Sudão.

VEJA TAMBÉM

Levante

Antigo Oriente Próximo

Edom

Refere-se a (1) Esaú, irmão de Jacó (Gn 25:3o) e (2) a região do sul do Levante onde seus descendentes habitavam. Mais tarde seria chamados em grego de Idumeia.

Além da Bíblia, são mencionados em documentos egípcios. Aparecem em um lista do faraó egípcio Seti I de c. 1215 aC; na crônica de campanha de Ramsés III (r. 1186–1155 aC). A arqueologia demonstra que na região cresceu as vilas agrícolas e pastoreio seminômade entre os séculos XIII e VIII aC. A nação foi conquistada pelos babilônios no século VI aC.

Nos períodos babilônico e persa os edomitas foram empurrados para o oeste em direção ao sul de Judá por tribos nômades vindas do leste; como os nabateus noo século IV aC. Durante o século II aC, os edomitas foram convertidos à força ao judaísmo pelos asmoneus, fundindo-se com os judeus.

A sabedoria edomita era proverbial (Jr 49:7; Ob 8). No geral, os textos tentativamente identificados como edomitas na Bíblia refletem um pessimismo e resignação às circunstâncias da vida. Esses textos ou fontes incluem a hipótese edomita de Jó; Gn 26; Salmos 88; 89 6-19; Prov 30; 31 1-9, e a transmissão por vias edomitas do material egípcio contido em Sal 104 e Prov 22: 17-2.

A religião edomita era similar aos dos israelitas e outros semitas do sul do levante. Vários registros onomásticos e artefatos arqueológicos atestam os cultos a El, El-Baali e Manat/Manawat, Qos (que talvez seria a divindade nacional de Edom), Shamash, Nabu, Sin, Baal, Sidq, Shalem, Isis, Apis ou Osiris, bem como o digno de nota YWHW. O nome do deus Yaho é atestado pela onomástica e pela óstraca AL 283, a qual menciona um templo, a Casa de Yaho, entre os edomitas.