Período dos juízes

O período anterior à monarquia e posterior à conquista de Canaã. Coincide com o final da idade de Bronze e início da idade do Ferro, quando os israelitas viviam em uma sociedade tribal. Os livros de Juízes e Rute, bem como parte dos livros de Josué e 1 Samuel, são ambientados nesse período.

Os juízes (sophetim) eram líderes militares que apareceram para enfrentar opressores específicos. Não há alusão de que suas autoridades alcançavam todo o povo de Israel ou que sucederam um a outro.

Gideão

Gideão, em hebraico גדעון, também chamado Jerubaal e Jerubessete, era um líder militar. É contado como juiz, embora sem receber essa designação no livro de Juízes. Era filho de Joás, o abiezrita, da cidade de Ofra, na área tribal de Manassés. Foi pai de Abimeleque, Jotão e setenta filhos que viviam em Siquém.

Depois de receber um chamado divino, lutou contra os midianitas. Seu ciclos narrativo encontra-se em Juízes 6: 11-8: 32, além de alusões esparças (Is 9: 3; Is 10:26; Sl 83: 10-12; 1 Sm 12:11; Hb 11:12).

A humildade de Gideão é exaltada em Hb 6:15. Sua recusa em aceitar a ser rei sobre Israel (Juízes 8:23) encontra-se paralelo raro na história, como Cincinato entre os romanos.

Eúde

Eúde (אֵהוּד ‘ehûd em hebraico) libertou os israelitas da opressão de Eglom, rei moabita.

O significado de seu nome é obscuro. Uma interpretação é que seria um hipocorístico, para Abihud (אֲבִיהוּד’ ăvîhûd) ou deriva-se de אֵי ‘ê “onde?” e הוֹד hôd “esplendor”. Assim, significaria “Meu pai é esplendor” ou “onde está o esplendor?”.

Eúde, filho de Gera, da tribo de Benjamim. Seu ciclo narrativo está registrado em Juízes 3:12-29, 4:1.

Depois de 18 anos de opressão, Eúde compareceu diante de Eglom, rei moabita, para pagar-lhe tributo. Depois de pedir um aparte, sacou a espada escondida com sua mão esquerda e a cravou em Eglom. Algumas leituras, como a Vulgata, diz que Eglom era muito obeso e o punhal sumiu na gordura. Eúde escapou e reuniu com os israelitas para lutarem contra os moabitas.

Embora não haja o título no Texto Massorético (a Septuginta fiz que “julgou”), Eúde é tradicionalmente contado como juiz.

BIBLIOGRAFIA

Aitken, J. K., “Fat Eglon,” in Studies on the Text and Versions of the Hebrew Bible in Honour of Robert Gordon, ed. Geoffrey Khan and Diana Lipton. Leiden: Brill, 2012, 141-154.

Ausloos, H. The Story of Ehud and Eglon in Judges 3:12-30: A Literary Pearl as a Theological Stumbling Block. Old Testament Essays, 30, 2, (2017): 225-239.

Gunn, M. Judges: Blackwell Bible Commentaries. Blackwell, 2005, pp. 38-49.

Halpern, B. “The Assassination of Eglon: The First Locked-Room Murder Mystery,” Bible Review 4 (1988): 35.

Sasson, J. Judges 1–12. Anchor Yale Bible 6D. New Haven: YUP, 2014.

Stone, L. “Eglon’s Belly and Ehud’s Blade: A Reconsideration,” JBL 128 (2009): 649-663.

Wong, G. TK. “Ehud and Joab: separated at birth?.” Vetus Testamentum 56, no. 3 (2006): 399-412.

PERÍCOPE ANOTADO

Debir Quiriate-Sefer

Debir, Quiriate-Sefer ou Quiriate-Sana  é um local mencionado em Js 5:15-19 e Jz 1:11. Quiriate Sefer significa “a cidade do livro”. Possivelmente era um centro escribal ou de arquivos e tenha sido uma pequena cidade-estado cananeia (Js 10:38, 39). Há registros de duas conquistas pelos israelitas (Js 15:13-19; Jz 1:11-15). Localizada em território tribal de Judá, tornou-se uma cidade levítica dos coatitas (Js 21:9, 15; 1Cr 6:54, 58).

Há hoje duas localidades potenciais para essa cidade. Uma seria Khirbet Rabud, sítio arqueológico próximo a Hebrom. Outro seria próximo a Modi’in Illit, onde o sítio arqueológico de mesmo nome situa-se entre Jerusalém e Tel Aviv, ao norte da região de Sefelá. O local, no período do Segundo Templo, foi uma aldeia com uma sinagoga, constituíndo um importante sítio arqueológico.