Mensagens

Compilação de profecias para a edificação dos crentes, dada nas congregações pentecostais em Chicago, por duas pessoas anônimas, em 1908 e 1909. Teriam sido dadas em línguas e interpretadas. A identidade dessas pessoas se mantém um mistério, mas podem ser apontadas como possíveis profetas: Cora Harris MacIlravy, Aimée Semple McPherson ou “sister Bethany”.

Foram compiladas e publicadas por W. H. Durham, originalmente com 43 mensagens e 30.000 exemplares, e distribuídas na América do Norte, Austrália e Escandinávia como literatura devocional.

O título original era “Heavenly Messages”. Para o português foram traduzidas originalmente oito mensagens, das quais somente duas aparecem em livretos atuais, correspondentes a uma edição italiana.

Lucy Leatherman

Lucy Leatherman (1870–1925), missionária e pioneira pentecostal.

Nascida perto de Greencastle, Indiana, frequentou a Escola de Treinamento Missionário de A. B. Simpson em Nyack, Nova Yorque. Teria também tido uma educação superior.

Após se tornar viúva de um médico frequentou a Escola Bíblica de Topeka, Kansas, dirigida por Charles Parham. Em 1901 Lucy Farrow impôs-lhe as mãos para que recebesse os dons do Espírito Santo.

Durante o avivamento da Rua Azusa, Leatherman frequentou os cultos. Lá, teria falado em línguas que ela acreditou que fosse o árabe e sentiu um chamado de ir à Palestina. Logo partiria em sua primeira viagem missionária, totalmente pela fé e sem o apoio financeiro ou denominacional. Em agosto de 1906 partiu junta de Louisa Condit e o missionário sueco Andrew Johnson. No trecho dessa viagem através dos Estados Unidos o grupo conduziram várias reuniões de busca dos dons.

Em Colorando Springs, CO, encontraram com William Durham, pastor de uma missão de santidade independente em Chicago. O grupo introduziu-lhe a mensagem da efusão dos dons e o do batismo no Espírito Santo.

Em Nova Iorque se hospedaram na Alliance House, mantida por A. B. Simpson. Lá encontraram e oraram juntos com T. B. Barratt, pioneiro pentecostal na Escandinávia. Vários receberam o batismo do Espírito Santo na cidade e o grupo estabeleceram um missão com vários congregando. Então, Leatherman convidou a Marie Burgess e seu marido Robert Brown para assumirem as responsabilidades da missão, a Glad Tidings Tabernacle, umas maiores congregação pentecostais da cidade de Nova Yorque e entreposto misisonário.

O grupo chegou a Jerusalém no final de 1906, onde ajuntou um pequeno grupo de crentes batizados pelo Espírito Santo. Leatherman visitou várias cidade do Oriente Médio e iniciou a igreja em Assiout, aonde depois viria Lillian Trasher fundar seu famoso orfanato.

Em 1909 Leatherman partiu para a Arábia, depois Índia, Hong Kong, Xangai e Yokohama, onde adoeceu. Poucos meses depois foi às Filipinas e aos EUA.

Em 1911 iniciaria sua segunda viagem missionária. Visitou os crentes pentecostais da Grã-Bretanha e se estabeleceu em Jerusalém em fevereiro de 1912. Nessa época, Giacomo Lombardi teria visitado sua igreja em Jerusalém. No ano seguinte, esteve em Beirute e no Egito.

Com o início da Primeira Guerra Mundial em 1914, Leatherman retornou aos Estados Unidos.

Sua terceira viagem missionário foi em 1917. Nessa época se filia à Igreja de Deus (Cleveland). Esteve no Panamá a caminho de Valparaíso, Chile. No Chile visitou e pregou nas igrejas dirigidas por Willis Hoover. Em 1920-1921, esteve em Buenos Aires, onde congregou na Asamblea Cristiana de Villa Devoto. Argentina. Enferma, retornou aos EUA em 1921 (ou em 1923).

Com a saúde deteriorada, morreu em 1925. Era talvez a pessoa que mais tinha viajado em missões dentro do movimento pentecostal. Foi também o elo que conectou pioneiros e congregações em vários continentes.

BIBLIOGRAFIA
Alexander, Estrelda. The Women of Azusa Street. Cleveland: The Pilgrim Press, 2005.

Anderson, Allan. Spreading Fires: The Missionary Nature of Early Pentecostalism. Londres: SCM, 2007

Newberg, Eric N. The Pentecostal Mission in Palestine. Eugene, OR: Pickwick, 2012.

William H. Durham

William Howard Durham (1873–1912) foi pioneiro da obra pentecostal em Chicago, sendo proponente do entendimento doutrinário da Obra Consumada do Calvário, dentro da Teologia do Evangelho Pleno.

BIOGRAFIA

Durham nasceu em uma área rural do Kentucky. Aos dezoito anos tornou-se membro da Igreja Batista, mas somente experimentou a conversão em 1898, enquanto vivia em Minnesota, sob influência do movimento de Santidade. Tornou-se ministro credenciado da World’s Faith Missionary Association, um organismo de cooperação entre pregadores do movimento de Santidade. Em 1903 assumiu o pastorado da Gospel Mission Church, uma missão (sala de culto em área comercial) de santidade independente na North Avenue, Chicago. Visitou o avivamento da Rua Azusa em 1907, recebendo a infusão do Espírito Santo. A partir disso, sua Missão da North Avenue se tornou um dos centros de difusão do pentecostalismo no Norte dos Estados Unidos e no exterior, principalmente pela adesão de comunidades imigrantes italianas, escandinavas e persas. Enquanto pregava em Los Angeles, Durham desenvolveu uma doença respiratória. retornou a Chicago onde morreu aos trinta e nove anos.

Foi mentor ou influenciou pioneiros como Louis Francescon, Giacomo Lombardi, Pietro Ottolini, John Perrou, Daniel Berg, Gunnar Vingren, F.A. Sandgren, Robert e Aimee Semple McPherson, T.K. Leonard, Andrew Urshan, Howard Goss, E.N. Bell, A.H. Argue, Frank Ewart, Cora Harris Mcilravy e Dorothy Wright.

Durham escreveu vários artigos de cunho teológico, os quais publicava em seu periódico de tiragem ocasional, Pentecostal Testimony. Publicou também pequenos tratados e uma coletânea de mensagens recebidas profeticamente para edificação devocional.

OBRA CONSUMADA DO CALVÁRIO

Junto de Albert Sydney Copley (1860-1945), Durham foi o responsável pela conceptualização teológica do movimento pentecostal com base na teologia de Keswick.

Em sumário, a doutrina da obra consumada do calvário considerava que a fé viva que justifica uma pessoa a leva a Cristo. Na plenitude da obra perfeita de Cristo tudo está completo não apenas no que diz respeito à santificação, mas tudo o que diga respeito à salvação. Os regenerados em Cristo devem permanecer nele, receber e andar no Espírito, apegar-se à fé, crescer na graça e no conhecimento de Deus. Assim, não haveria uma segunda bênção ou experiência distinta e definitiva de santificação.

Este entendimento resultou na ruptura com pentecostais de matriz wesleyana a partir de 1910.

SAIBA MAIS

Blumhofer, Edith Waldvogel. The ‘Overcoming Life’: A Study in the Reformed Evangelical Origins of Pentecostalism. Tese doutoral. Cambridge, Massachusetts: Harvard University, 1977.

Clayton, Allen L. “The Significance of William H. Durham for Pentecostal Historiography.” Pneuma: The Journal of the Society for Pentecostal Studies 1: 27–42, 1979.

Faupel, D. William. The Everlasting Gospel: The Significance of Eschatology in the Development of Pentecostal Thought. Sheffield: Sheffield Academic Press, 1996.

Jacobsen, Douglas. Thinking in the Spirit: Theologies of the Early Pentecostal Movement. Bloomington, IN: Indiana University Press, 2003. 

Richmann, Christopher J.  “William H. Durham and Early Pentecostalism: A Multifaceted Reassessment”. Pneuma: The Journal of the Society for Pentecostal Studies 37, no. 2 (2015): 224-243.


COMO REFERENCIAR

ALVES, Leonardo Marcondes (ed.). William H. Durham. Círculo de Cultura Bíblica, 2021. Disponível em: https://circulodeculturabiblica.org/2021/07/04/william-h-durham/. Acesso em: 04 jul. 2021.