Papiros de Afroditópolis

Afroditópolis (Afrodites Polis ou Aphroditopolis) é o nome grego de vários lugares no antigo Egito. No caso, os papiros encontrados em Afroditópolis é a localidade também chamada Pathyris (El-Gabalein). O sítio arqueológico de Naga el-Gherira está localizado a cerca de 32 quilômetros ao sul de Luxor (antiga Tebas), na margem ocidental do Nilo.

Era um centro de culto a Hator, a quem os gregos identificaram com Afrodite e visitada por Estrabão.

Uma necrópole do período ptolomaico forneceu vários papiros e óstracos gregos e demóticos. Entre 1890 e 1930 esses materiais foram descobertos. Entre eles está o arquivo do mercenário Horos, filho de Nechoutes, e o arquivo de Dryton e Apollonia.

No reinado de Ptolomeu VI Filometor, foi criado um acampamento militar após a rebelião tebana de 186 aC. As forças rebeldes destruíram a base em 88 aC., depois disso, não foi mais ocupado em larga escala.

Os papiros de Afroditópolis não devem ser confundidos com os papiros de Afrodito.

Bell, Harold Idris. “The Aphrodito Papyri.” The Journal of Hellenic Studies 28.1 (1908): 97-120.

Ramsés II

Ramsés II, cujo reinado foi entre 1279 e 1213 a.C., foi o terceiro faraó da 19ª Dinastia (1292-1186 a.C.) no Novo Reino (c.1550–c.1069).

Deixou registros revindicando uma vitória decisiva sobre os hititas na Batalha de Cades, dando-lhe a reputação de grande guerreiro. Na realidade, a batalha foi mais um empate, mas resultou no primeiro tratado de paz conhecido em 1258 a.C.

Embora seja regularmente associado ao faraó do livro bíblico do Êxodo, não há nenhuma evidência histórica ou arqueológica.

Papiros Rylands

Os Papiros Rylands são uma coleção de milhares de fragmentos de papiros e documentos do norte da África e da Grécia, guardados pela Biblioteca da Universidade John Rylands, em Manchester. É uma das maiores coleções de papiros e uma com exemplares mais antigos de alguns títulos.

Os Papiros Rylands inclui textos religiosos, devocionais, literários e administrativos. A coleção consiste de papiros hieróglifos, hieráticos e demóticos datam do século XIV aC ao século II dC. Além deles, cerca de 500 papiros coptas e cerca de 800 papiros árabes. Há cerca de 2.000 papiros gregos.

Contém fragmentos do Evangelho de João e Deuteronômio, os primeiros fragmentos sobreviventes do Novo Testamento e da Septuaginta (Papiro 957, Papiro Rylands iii.458); Papiro 31, um fragmento da Epístola aos Romanos; Papiro 32, um fragmento da Epístola a Tito; Papyrus Rylands 463, Evangelho apócrifo de Maria em grego; John Rylands Papyrus 470, uma oração em grego koiné para Maria (tratada como Theotokos), escrita por volta de 250.

Papiros Chester Beatty

Os Papiros Chester Beatty são um grupo de manuscritos gregos e egípcios.

Os Papiros Bíblicos Chester Beatty são onze manuscritos, sete com porções de livros do Antigo Testamento, três do Novo Testamento e um com partes do Livro de Enoque e uma homilia cristã. A maioria é datada do século III d.C..

Dentre os papiros não bíblicos, destaca-se o Chester Beatty Medical Papyrus. Este é um dos papiros médicos mais antigos que existente. Prescreve mágicas e tratamentos contra dores de cabeça e remédios para doenças anorretais. Sua data é de cerca de 1200 aC.

Os papiros possuem proveniência desconhecida. Um relato traça a origem dos manuscritos a jarros em um cemitério copta perto das ruínas da cidade de Afroditópolis. Outro possível local Fayum. A maioria dos papiros foi comprada de um negociante por Alfred Chester Beatty. Eles estão em parte na Biblioteca Chester Beatty em Dublin, Irlanda, e na Universidade de Michigan.

A existência dessa coleção foi publicizada em 1931.

Papiros de Afrodito

Os papiros ou arquivo de Afrodito são uma coleção de documentos e obras literárias encontradas na vila de Afrodito (Kom Ashkaw), uma das várias cidades conhecidas como Afroditópolis. Frequentemente é confundida com os papiros de Afronditópolis, cerca de 40 km ao sul de Afrodito.

O chamado Afrodito era Flávio Dióscoro ou Dióscoro de Afrodito um poeta e jurista cristão copta de expressão grega. Era administrador da vila e seu arquivo documentos legais, rascunhos, poemas, petições em nome de seus cidadãos.

Os papiros de Dióscoro foram descobertos acidentalmente em julho de 1905 na vila de Kom Ashkaw. Um morador estava reformando sua casa quando uma parede desabou e revelou rolos e fragmentos de papiro em uma fenda. Quando o Serviço de Antiguidades chegou ao local, a maior parte do papiro havia sumido. Durante as escavações encontraram um grande jarro cheio de papiro em uma casa de estilo romano, com fragmentos de comédia ateniense, incluindo fragmentos de Menandro, da Ilíada de Homero e outras obras.

O escavador Gustave Lefebvre desenterrou um arquivo de documentos legais, comerciais e pessoais do século VI e poesia original. Estes foram entregues a estudioso Jean Maspero, filho do Diretor do Serviço de Antiguidades do Egito, que editou e publicou os documentos e poemas em vários artigos de periódicos. Maspero foi morto na batalha de Vauquois, no Lorraine, durante a Primeira Guerra Mundial, e seu pai Gaston completou o terceiro volume dos papiros dioscorianos em 1916. Outros papiros dioscorianos, obtidos por negociantes de antiguidades por meio de vendas e escavações clandestinas, foram publicados na Europa.

Nag Hammadi

A Biblioteca de Nag Hammadi é uma coleção de treze códices antigos com mais de cinquenta textos. Foi descoberta acidentalmente por camponeses no Alto Egito em 1945.

Esta descoberta inclui um grande número de “evangelhos gnósticos”. Esses textos traduzidos do grego para o copta, contém cópias ou versões variantes de outros textos da coleção, de modo que existem apenas quarenta e cinco obras distintas, trinta e seis das quais eram previamente desconhecidas.

Os títulos incluem Atos de Pedro e os Doze Apóstolos; Allogenes; Apocalipse de Adão; Apocalipse de James, primeiro; Apocalipse de James, segundo; Apocalipse de Paulo; Apocalipse de Pedro; Apócrifo de Tiago; Apócrifo de João; Asclépio 21–29; Authentikos Logos; Livro de Thomas, o Contender; Conceito de Nosso Grande Poder; Diálogo do Salvador; Discurso no Oitavo e Nono; Eugnostos, o Abençoado e Sofia de Jesus Cristo; Exegese da Alma; Evangelho de Filipe; Evangelho dos egípcios; Evangelho de Tomé; Evangelho da verdade; Hipóstase dos Arcontes; Hypsiphrone; Interpretação do Conhecimento; Epístola de Filipe; Melquizedeque; Sobre a origem do mundo; Paráfrase de Sem; República de Platão; Oração de Ação de Graças; Oração do Apóstolo Paulo; Segundo Tratado do Grande Sete; Frases de Sexto; Ensinamentos de Silvânio; Três Estelas de Sete; Trovão; Mente perfeita; Tratado sobre a Ressurreição; Protenoia Trimórfica; Tratado Tripartido; Exposição Valentiniana; Zostriano.

Portal Bubastite

Portal Bubastite em Karnak registra a pilhagem de Sisaque (Sheshonq ou Shishak) às terras de Canaã.

Sisaque I, da 22a dinastia, reinou entre 945 e 925 a.C. e por volta de 925 teria feito uma expedição em área de Israel e Judá. Segundo os relatos bíblicos de 1 Re 14:25 e 2 Cr 12: 1-12, depois de abrigar Jeroboão, Sisaque teria se direcionado contra Jerusalém no reinado de Roboão.

O portal era de uma série de colunas no pátio do templo de Amom em Karnak. O portal ilustra Sisaque derrotando seus inimigos e com vários prisioneiros subjugados.

Instrução de Amenemope

Obra de literatura sapiencial egípcia que contém orientações de um pai para um filho, datada do século XII a.C.

Possui paralelos com Pv 22:17-24:22. Constitui um testemunho importante das fontes empregadas na composição das Escrituras e de circulação de ideias no Antigo Oriente Próximo (cf. 1 Re 4:29-31). Como no livro de Provérbios, a Instrução de Amenemope contém um prólogo, máximas e um epílogo.

Instruções de Amenemhet

Este poema didático egípcio, ambientado na XII Dinastia, no qual o rei Amenemés (Amenemhet ou Amenemate) I (falecido em c.1947 a.C.) oferece conselhos a seu filho Sesóstris I.

Essa literatura instrucional (do mesmo gênero literário das instrução de Amenemope) contém semelhanças com livro de Provérbios, como as instruções da mãe do Rei Lemuel.

O texto foi preservado em diversas fontes. Um deles é o Papiro Millingen, hoje perdido; outros papiros fragmentários; três tábulas de madeira e mais de 60 óstraco. Tal popularidade indica que o texto era utilizado tanto como instrução moral quanto exercício de escrita.

Amenemés alerta contra a confiança demasiada e os riscos das conspirações palacianas.

BIBLIOGRAFIA

ANET 418-419 The Instruction of King Amen-em-het

COS 1.36 Amenemhet

Amarna

Tel el-Amarna é o sítio arqueológico da antiga Akhetaton, a capital do Egito no século XIV a.C. durante o reinado de Amenhotep IV.

As cartas de Amarna são uma coleção de 382 tabuletas cuneiformes do século XIV a.C. da correspondência entre vários governantes do Antigo Oriente Próximo e dos faraós egípcios do Novo Império Amenhotep III, Amenhotep IV (Akhenaton), Smenkhkara e Tutankhamon.

O reinado de Akhenaton (1353-1336 aC), conhecido como ‘o faraó herege’ foi marcado por amplas reformas religiosas que resultaram na supressão das crenças politeístas e na elevação de seu deus pessoal Aton à supremacia.

Os templos de todos os deuses, exceto os de Aton, foram fechados, as práticas religiosas foram proibidas ou severamente reprimidas e a capital do país foi transferida de Tebas para a nova cidade do rei, Akhetaton (Amarna). Efetivamente, foi a primeira religião monoteísta de estado da história.

Em 1887 uma mulher local que estava cavando no barro em busca de fertilizante descobriu essas tábuas cuneiformes de argila. Elas contém 350 correspondências do Egito com a Assíria, Hatti, Mitanni, Babilônia e cidades-estados do Levante. Há referências a várias cidades cananeias mencionadas na Bíblia, dentre eles a carta a ‘Abdi-Heba, rei de Jerusalém. Em outras 32 tabuletas são exercícios de treinamento escribal, com valiosos textos literários como o conto de Adapa. Esses documentos fornecem uma janela para as relações internacionais da Idade do Bronze tardia.

O período de Amarna pode ser considerado a época da primeira globalização. Mercadorias do Extremo Oriente eram trocados via o Oceano Índico. O Egito comercializava comnos hititas. Há indícios de uma integração que envolvia toda a Bacia do Mediterrâneo.

Além de providenciar informações sobre o contexto bíblico, o período de Amarna fornece O grande hino a Aton ou Aten que apresenta paralelismo com o Salmo 104. As hipóteses de que o monoteísmo israelita seja devedor do monoteísmo da Reforma de Akehnaton hoje são desconsideradas: ontologicamente, Aton e Yahweh possuem atributos distintos.

Personagens importantes da história egípcia — Akhenaton, Nefertiti, Tutankhamon– viveram no período de Amarna.

BIBLIOGRAFIA

Cohen, R. Amarna Diplomacy. John Hopkins University Press, 2002.

LeMon, Joel M. “Egypt and the Egyptians” em Arnold, Bill T. and Brent A. Strawn eds. The World Around the Old Testament: The Peoples and Places of the Ancient Near East. Grand Rapids: Baker, 2016.

Moran, W.L. The Amarna Letters. John Hopkins University Press, 1992.

Pritchard, James B., ed., The Ancient Near East – Volume 1: An Anthology of Texts and Pictures, Princeton, New Jersey: Princeton University Press, 1958

The Amarna Project